terça-feira, 25 de setembro de 2012

LILITH – A PRIMEIRA MULHER DE ADÃO QUE A BÍBLIA NÃO QUIS CONTAR


Existe uma polêmica extraída de algumas lendas do folclore assírio, babilônico e hebraico que afirma ter Adão uma ‘outra’ mulher antes de Eva ser criada.

Baseado nos texto bíblicos de Gn 1.27; 2.18,22 Lilith aparece no Antigo Testamento quando Isaías ao descrever a vingança de Deus, durante a qual a Terra foi transformada num deserto, proclamou isso como um sinal de desolação: "Lilith repousará lá e encontrará seu locar de descanso" (Isaías 34:14)

Lilith aparece em relatos da Torah assírio-babilônica e hebraica entre outros textos apócrifos. Na versão jeovística (da tradição religiosa hebraica) para o Gênesis, enriquecida pêlos testemunhos orais dos rabinos consta que Lilith foi criada com pó negro e excrementos, condenada por Jeová-Deus a ser inferior ao homem.

Existem insinuações de que Lilith pode ter sido retirada da Bíblia durante o Concílio de Trento, a interesse da Igreja Católica, para reforçar o papel das mulheres como devendo ser submissas, e não iguais, ao homem. Porém muitas pinturas e esculturas a retratam como a serpente que tentou Eva a comer o fruto do conhecimento.

Uma interpretação possível é de que ela seja a mulher que Caim encontrou depois de ser expulso e, portanto, tendo com ele seu primeiro filho, Enoque e fundando uma cidade de mesmo nome.



Nas bíblias atuais seu nome aparece uma única vez, em Isaías 34:14: "E as feras do deserto se encontrarão com hienas; e o sátiro clamará ao seu companheiro; e Lilith pousará ali, e achará lugar de repouso para si." Nas traduções recentes da Bíblia a palavra Lilite é substituída por demônio ou bruxa do deserto. Fantasma, na Revista e Atualizada.

A Versão da Bíblia do Rei James, traduziu a palavra “Lilith”, por “coruja”. João Ferreira de Almeida, nesta passagem relata que “… os animais noturnos ali pousarão”, não havendo menção da coruja, como é frequentemente, muito embora erroneamente, citado no Brasil (tratando-se de um claro exemplo da forte influência da cultura anglo-saxã no mundo lusófono atual).

No folclore popular hebreu medieval, ela é tida como a primeira mulher criada por Deus junto com Adão (Gn 1.27), que o abandonou, partindo do Jardim do Éden por causa de uma disputa sobre igualdade dos sexos, passando depois a ser descrita como um demônio.

Na Cabala Lilith aparece como a primeira mulher do bíblico Adão, sendo que em uma passagem (Patai81:455f) ela é acusada de ser a serpente que levou Eva a comer o fruto proibido. No folclore popular hebreu medieval, ela é tida como a primeira esposa de Adão, que o abandonou, partindo do Jardim do Éden por causa de uma disputa, chegando depois a ser descrita como um demônio.

De acordo com certas interpretações da criação humana em Gênesis, no Antigo Testamento, reconhecendo que havia sido criada por Deus com a mesma matéria prima, Lilith rebelou-se, recusando-se a ficar sempre em baixo durante as suas relações sexuais. Na modernidade, isso levou a popularização da noção de que Lilith foi a primeira mulher a rebelar-se contra o sistema patriarcal.

Assim dizia Lilith: ‘‘Por que devo deitar-me embaixo de ti? Por que devo abrir-me sob teu corpo? Por que ser dominada por ti? Contudo, eu também fui feita de pó e por isso sou tua igual.’’ Quando reclamou de sua condição a Deus, ele retrucou que essa era a ordem natural, o domínio do homem sobre a mulher, dessa forma abandonou o Éden.



Três anjos foram enviados em seu encalço, porém ela se recusou a voltar. Juntou-se aos anjos caídos onde se casou com Samael que tentou Eva ao passo que Lilith Tentou a Adão os fazendo cometer adultério. Desde então o homem foi expulso do paraíso e Lilith tentaria destruir a humanidade, filhos do adultério de Adão com Eva, pois mesmo abandonando seu marido ela não aceitava sua segunda mulher. 

Após os hebreus terem deixado a Babilônia Lilith perdeu aos poucos sua representatividade e foi limada do velho testamento. Eva é criada no sexto dia, e depois da solidão de Adão ela é criada novamente, sendo a primeira criação referente na verdade a Lilith no Gênesis.

No período medieval ela era ainda muito citada entre as superstições de camponeses, como deixar um amuleto com o nome dos 3 anjos que a perseguiram para fora do Éden, Sanvi, Sansavi e Samangelaf para que ela não o matasse, assim como acordar o marido que sorrisse durante o sono, pois ele estaria sendo seduzido por Lilith.

A imagem de Lilith, sob o nome Lilitu, apareceu primeiramente representando uma categoria de demônios ou espíritos de ventos e tormentas na Suméria por volta de 3000 A.E.C. Muitos estudiosos atribuem a origem do nome fonético Lilith por volta de 700 A.E.C.

 

A imagem mais conhecida que temos dela é a imagem que nos foi dada pela cultura hebraica, uma vez que esse povo foi aprisionado e reduzido à servidão na Babilônia, onde Lilith era cultuada, é bem provável que vissem Lilith como um símbolo de algo negativo. Vemos assim a transformação de Lilith no modelo hebraico de demônio. Assim surgiu as lendas vampíricas.

Algumas vezes Lilith é associada com a deusa grega Hécate, "A mulher escarlate", um demônio que guarda as portas do inferno montada em um enorme cão de três cabeças, Cérbero. Hécate, assim como Lilith, representa na cultura grega a vida noturna e a rebeldia da mulher sobre o homem.

Nos dois últimos séculos a imagem de Lilith começou a passar por uma notável transformação em certos círculos intelectuais seculares europeus, por exemplo, na literatura e nas artes, quando os românticos passaram a se ater mais a imagem sensual e sedutora de Lilith, e aos seus atributos considerados impossíveis de serem obtidos.

Cuidadosamente apagada da Bíblia cristã, Lilith permanece como símbolo de rebelião à repressão do feminino na psique e na sociedade. O mito Lilith mostra bem a passagem do matriarcado para o patriarcado.
Tanto na literatura ortodoxa como na apócrifa, a sombra de Lilith seguiu cercando as mulheres até o século XV d.C. Nessa época, e utilizando as mesmas imagens incorporadas em Lilith, milhares delas foram acusadas de copular com o demônio, matar crianças e seduzir homens, ou seja, de serem bruxas.

Textos da literatura judia de fontes apócrifas, não incluídos no canon ortodoxo do Antigo Testamento, contêm passagens como a seguinte:
"As mulheres são o mal, filhos meus: como não têm o poder nem a força para enfrentar o homem, usam truques e intentam enganá-lo com seus encantos; a mulher não pode dominar pela força o homem, porém o domina mediante a astúcia. Pois certamente a anjo de Deus me falou sobre elas e me ensinou que as mulheres se entregam mais ao espírito de fornicação que o homem, e que tramam conspirações em seus corações contra os homens; com sua forma de adornar-se primeiro lhes fazem perder a cabeça, e com uma olhada inoculam o veneno, e logo durante o próprio ato os fazem cativos; pois uma mulher não pode vencer o homem pela força. Assim que evitai a fornicação, filhos meus, e ordenem a vossas esposas e filhas que não adornem suas cabeças e seus rostos, pois a toda mulher que usa truques desse tipo estará reservado o castigo eterno".
Esse exemplo nos mostra como um mito, se for entendido e concebido de forma literal, pode criar um prejuízo e converter-se em uma doutrina que se declara a si mesma uma verdade divinamente revelada. É conveniente lembrar que Jesus não aprovou nem o mito nem suas implicações, nem os costumes patriarcais referentes as mulheres, muito pelo contrário. Foram transmitidas ao Novo Testamento através dos escritos de Pablo, e assim fizeram sua entrada na doutrina formal cristã.


 

Lilith simboliza a sombra citada por Jung, que muitos preferimos evitar, mas que é imprescindível para a integração da nossa personalidade como forma de nos tornarmos adultos e assumirmos as escolhas pela nossa existência. Não podemos esquecer que Lilith desafia a ordem e paga um preço por isso. A segunda mulher de Adão foi Eva, moldada de acordo com o modelo patriarcal, submissa e cordata. Ambas, Lilith e Eva, são aspectos do feminino que todas as mulheres devem aprender a integrar. Não somos exclusivamente Lilith nem somente Eva.

Lilith é a noite, é a rainha da noite, é a lua, representa a lua, a oposição do sol. Lilith foge da luz, como uma vampira, precisa reinar nas trevas como algo desconhecido e que causa medo nas criaturas.

Lilith é a mulher livre, independente, soberba em curvas sensuais e provocantes, é a dançarina do ventre, logo seduz o homem por dominar a fraqueza deste com seu poder maléfico de sedução. Lilith é o vaso, o homem é a semente!

Demônio ou Deusa? Com certeza Lilith é um símbolo de mulheres decididas, que não aceitam serem submissas aos homens.

26 comentários:

  1. Amo a Lilith!!
    Somos um pouquinho dela, né?
    Nossa "anima", nosso arquétipo ;)


    Priscila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. boa noite priscila

      agradecemos sua visita e participação.

      selma/marcos

      Excluir
  2. Dentro da análise bíblica tem de haver a concordância com o todo, neste caso onde mais tem citado alguma referencia dessa tal lilith?

    Paulo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. boa noite paulo

      antes de mais nada você deveria se referir a lilith com um pouco mais de respeito , pois se para você ela não é importante , pode acreditar que para muitas outras pessoas , ela é admirada, cultuada e muito respeitada.

      outra coisa não se refira a mulher alguma dessa maneira.

      guardião marcos

      Excluir
  3. O feminismo tem seu lugar, paulo falou sobre os deveres de ambos (macho e fêmea) todos são equivalentes, mas na prática o que impera é o machismo, porque não obedece as escrituras!
    Na graça que é de graça!

    Junior

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. boa noite junior

      você obedece a essas escrituras ?

      selma/marcos

      Excluir
  4. Sempre achei esquisita a ideia de que a analise bíblica TEM de concordar com o todo. Tem por quê? A Bíblia foi escrita ao longo de milhares de anos, é obra de autores de épocas diferentes, estilos diferentes, histórias diferentes e até povos diferentes. Sem falar nos escribas que muito alteravam, dos livros de autores desconhecidos e daqueles, como os Evangelhos, que são atribuídos a uns, mas escritos por outros (seguidores). Qualquer tentativa de fazer um "todo harmônico" é, antes, um ideal imposto pelos concílios judaicos e cristãos na escolha do cânon e, portanto, uma tentativa desesperada dos editores - e não dos autores. Uma interpretação realmente científica da Bíblia - que, por sinal, muitos hoje já têm feito - é analisar cada livro individualmente, de forma, inclusive, a detectar diferentes autores e adições de escribas posteriores em um mesmo livro - e só daí procurar estabelecer uma análise relacional, mas não necessariamente harmônica, com os demais livros e os motivos que levaram o livro ora analisado a estar no cânon. Motivos estes que passam, muitas vezes, ao largo de inspiração espiritual e respondem a processos políticos e até econômicos. Todo o respeito a Lilith - que, citada em Isaías, dá pistas de que o mito era bem conhecido (por sinal, que são Adão e Eva, se não mitos?)

    Marcos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. boa noite marcos

      gostaríamos de agradecer por sua participação e esperamos que volte mais vezes com sua opinião sobre os textos aqui escritos.

      mesmo não sendo essa nossa opinião.

      selma/marcos

      Excluir
  5. Existe uma serie que fala de lilith, é incrível como eles são precisos, ela foi a primeira alma humana ( a primeira morta) e lucifer a comrompeu e a transformou em primeiro demônio. Eles também falam de Eva, que também se tornou malifica e começou a fazer minstros e foi aprisionada no purgatório. Essa serie é supernatural.

    Maria Eduarda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. boa noite maria eduarda

      estamos muito gratos por sua visita e participação e esperamos encontra la mais vezes.

      selma/marcos

      Excluir
  6. Pobre Adão, não teve sorte com mulheres.
    Se ele fosse gay, até hoje ele estaria no paraíso!!


    Dario

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. boa noite dario

      seu comentário foi extremamente infeliz.

      caso não tenha nada de interessante a comentar é melhor não dizer nada.

      Excluir
  7. quem é essa nunca ouvi falar.. só estão querendo confundiR os cristãos.. Mas ela é um demonio ou ñ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nós também não sabemos quem é você , já que não se identifica.

      os cristãos não precisam se confundir , precisam é de sabedoria e um pouco de conhecimento por sua própria história.

      demônio foi criado pelos cristãos , nós acreditamos naquilo que vemos , sentimos e tocamos.

      se tivesse um pouco de paciência em lesse todo o texto , não estaria com dúvidas.

      3fasesdalua

      Excluir
  8. Alguma lilith ai que eu me caso hoje mesmo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julio, todas as mulheres tem um pouco de lilith, é so vc observar melhor

      Excluir
  9. Me identifico com Lilith e a respeito muito.Amei o texto sobre minha Deusa soberana.Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado
      volte sempre

      selma

      Excluir
  10. Parabéns!!! seus temas são lindos!!! adorei!!!, estou lendo tudo......e cada vez mais me interesso pelo paganismo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou e melhor ainda que vc está aqui.
      obrigada de coração

      Excluir
  11. Gostei muito é sempre bom conhecer, histórias que podem ter sido reais .

    ResponderExcluir
  12. Nossa! que inspiração pra escrever um livro.O texto é sedutor.

    abraço,

    ResponderExcluir
  13. Adorar paganismo, só uma pessoa sem história e sem futuro, até porque não tem nada a agregar. A fé estabelece o ser vivo e assim a sua trajetória, temos que ter fé em algo, e de preferência em alguém que propague a paz, o amor caridoso e fraternal.

    Tony

    ResponderExcluir
  14. Prezado Sr. Tony
    Não preciso nem responder ao Sr.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...