domingo, 13 de novembro de 2016

Eu Selma sou uma Sacerdotisa da Bruxaria Tradicional


A simplicidade dos Sábios está na postura e nas atitudes, jamais nas suas vestes... Assim é que entendemos nós Bruxas da Bruxaria Tradicional, pois quando uma alma responde espontaneamente ao chamado da Deusa Mãe, chamamos isso de "Senda Divina" assim fica evidente que não foi pela primeira vez que a ouviu, ou que sentiu necessidade de encontrar seus irmãos de Religião. Significa que em vidas passadas atravessou o véu do templo, e guarda na alma sua história, e no seu subconsciente uma vasta memória das suas origens, pois aprendemos desde muito cedo que a Bruxaria Tradicional é transmitida por gerações, com sua raiz intocada, seus praticantes são guardiões desses conhecimentos, e o são, por estarem de acordo e em afinidade com os fundamentos que formam a tradição.

Na Bruxaria Tradicional, acreditamos que a magia é parte integrante do ser humano, todos tem dons mágicos, chamados de fé por algumas religiões. Praticamos feitiços, encantamentos, buscamos poder em nossos ritos, para modificar nossa realidade de acordo com nosso livre-arbítrio, pois cada um deve viver da forma que deseja e não da forma que a sociedade impõe. Exercitamos nosso poder de criação, assim como os Deuses o fazem.


As Bruxas da Bruxaria Tradicional são pessoas que vivem com princípios pagãos e adotam o extraordinário como parte integrante de suas vidas. São pessoas que optaram por ter uma vida diferente, que reverenciam a natureza e os elementos e não tem medo de se assumirem como são e nem vergonha de serem como são. Hoje as pessoas falam muito sobre Bruxaria, mas o real sentido, o verdadeiro significado elas desconhecem. Infelizmente perdeu-se o verdadeiro significado, e é confundida com satanismo e Magia Negra.

A natureza é o templo da Bruxa, e neste templo se pratica o grande culto à Deusa, que é representada pela Lua. As Bruxas não adoram o diabo e nem praticam o mal, pelo menos as verdadeiras Bruxas! Ser Bruxa também é ser feminina, afinal quem não gosta de um pouco de sedução? Ser Bruxa é reconciliar o masculino e o feminino. É encontrar a verdadeira essência que está dentro de nós! É aceitar o Deus e a Deusa em seu coração, é acreditar, respeitar, amar a Natureza, perdoar e, acima de tudo, amar...

Ser Bruxa Tradicional equivale a confessar-se como habitante do mundo encantado e mágico do universo. É tornar-se atemporal. O passado torna-se real e não um mero relato dos livros de história e dos autos religiosos, nos tornamos uno. Partícula infinitamente pequena na grande engrenagem de um todo.

Nos sentimos impulsores do sistema e assim, o verdadeiro sentido de responsabilidade e comprometimento passam a ser inerente ao nosso ser e a escrever a nossa história.


As Bruxas da Bruxaria Tradicional tem o objetivo de despertar seus Dons mágicos, através do contato com os seres divinos da natureza, tornando-se Deuses sobre a Terra (mas isso acontece no decorrer de várias vidas, raramente em uma só). Para isso, nos alinhamos com os Deuses em 8 rituais solares (os Sabás) e13 rituais lunares (os Esbaths, geralmente de Lua Cheia) durante o ano, que não são obrigatórios, mas sugeridos, pois na Bruxaria Tradicional não existem dogmas, nem preconceitos, nem ninguém melhor que ninguém. Bruxaria Tradicional é uma religião e filosofia de vida baseada em liberdade de ser, mas liberdade consciente. Sempre nos encontramos em Círculos (os grupos abertos) ou Covens (grupos fechados ). Temos uma hierarquia sacerdotal.

Dentro da Bruxaria Tradicional parece até natural sermos verdadeiras "ilhas vivas", que espelham por todos os lados e a si próprias. É o gérmen embrionário da Deusa em nós. “NÓS SOMOS AQUELES QUE SOMOS". Somos essência imanente da Mãe antiga, pois seguimos seus passos de que o principal lema da Bruxaria Tradicional é 'An it Harms None, Do as You Will, ou seja, desde que não prejudiques ninguém, faças como quiseres.



As Bruxas Tradicionais é como uma semente, que oculta latente em si toda a força, beleza, estatura que deverá alcançar quando liberta dos invólucros que a aprisionam: preconceitos, egoísmo, medos, sentimentos negativos e falta de conhecimento do sistema da Deusa e tendo percorrido seus caminhos a serviço da grande Mãe, absorvido seus ensinamentos através da simplicidade da natureza, emerge até a plenitude da maturação, transformando-se em frutos que darão sementes, que proliferarão a Deusa em outras almas e corações. Assim sendo as Bruxas Tradicionais é portanto, o sinal da divindade potencial, por isso é imperioso que se discipline um longo processo evolutivo para crescer até a sua plena expressão.

Quando estudamos a Bruxaria Tradicional e nos iniciamos no caminho da Deusa, estamos apenas olhando ao longo de uma janela que por algum tempo a mantivemos fechada, e que neste momento a abrimos para vislumbrarmos os panoramas externos, que os nossos olhos pararam de ver pelo simples fato da janela está fechada.

Para as Bruxas Tradicionais a Roda continua a girar para sempre. Assim, não há motivo para tristezas, pois aqueles que perdemos nessa vida irão renascer, e, um dia, nos encontraremos novamente, nessa jornada infinita de evolução.

Eu Selma sou uma Sacerdotisa da Bruxaria Tradicional e assim sigo o meu caminho, dentro desta Religião que é Antiga e Tradicional que é a chama acesa que vem do coração dita como vocação por muitos, a busca do caminhante por sabedoria, eis o círculo e seus mistérios que compõem e mantém vivo a essência, da fé nos costumes mágicos, da fé na Antiga Arte. Seu mistério encontra nas profundezas da terra, no submundo onde as raízes estão. Sua reverência aos espíritos ancestrais, ao sussurro ao ouvido, o sagrado na palavra, o segredo dos espíritos face a face, a consagração da terra natal, eis o círculo da Arte, em que nenhum pensamento profano está apto a entender, perguntas e respostas que só quem caminha no círculo ao redor da fogueira pode sentir seu significado.

Assim sou Eu uma Sacerdotisa e Bruxa da Bruxaria Tradicional.

Selma – 3fasesdalua


segunda-feira, 31 de outubro de 2016

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

SER BRUXA É SER LIVRE


Morgana fala…

Até hoje nunca soube quantas noites e dias passei no país das fadas – até hoje minha mente se torna confusa quando tento fazer a conta. Por mais que me esforce, não acredito que fosse menos de cinco, nem mais de treze. 

Blumas de Avalon



Uma Bruxa da Bruxaria Tradicional sabe que alimentar os seus sonhos, mesmo aqueles que parecem impossíveis, é sinal de uma vida saudável, pois aprendemos dentro da nossa doutrina que a magia é a capacidade que o ser humano tem de ver na natureza algo novo, um encontro com a natureza.


Então toda vez que olhamos para a natureza e a vemos de uma maneira nova, reformulada, isso é magia. Muitas pessoas confundem magia com mágica: magia é você poder olhar para a natureza e trazê-la para perto de você, sem os efeitos especiais de Hollywood. Você vai pegar, tomar um banho, conversar com a água; você vai colocar o seu pé no chão e sentir a terra, sentir a brisa no ar… Mágica é o que você vê na televisão, que põe a pólvora, explode, corta a mulher no meio, levitação… Isso é um ilusionismo.


Na antiguidade, as Bruxas eram mulheres do campo, curandeiras, parteiras, benzedeiras… E elas cuidavam de toda a harmonia de uma tribo, assim foi passado para nós Bruxas da Bruxaria Tradicional que para vermos a magia na natureza, sem cinismo, sem querer ser superior… Você tem que estar nessa harmonia com a Mãe Natureza. Dentro da Bruxaria Tradicional estudamos a utilização das ervas, dos cristais, como ajudar uma pessoa a se reequilibrar com o uso da energia… Aí para exercer essas coisas [corretamente], precisa-se de um estudo. Mas, a priori, ser Bruxa é sempre estar em harmonia com os quatro elementos.



Na Bruxaria Tradicional sabemos que para que a magia efetivamente aconteça, três fatores devem estar presentes: a necessidade, a emoção e o conhecimento, pois faz parte da natureza de ser uma Bruxa amar a vida em todas as suas manifestações e aspectos, é ser livre para ser não o que os outros propõe, mas o que ela propõe para si própria.

Nós Bruxas da Bruxaria Tradicional temos a nossa auto estima preservada, sempre em alta, a ponto de ser uma pessoa determinada, independente e, consequentemente, que não se abala facilmente,pois temos consciência de que a natureza é a nossa melhor amiga e que tudo de que precisamos encontramos nela, basta saber onde e como encontrar, pois estamos sempre interagindo com a Mãe natureza como se fôssemos nós mesmos, devemos fazer pelos outros, o que gostaríamos que fizessem por nós, nunca desejando algo a algum ser, seja ele do mundo animal, vegetal,... que não gostaríamos que acontecessem a nós... Ser Bruxa é defender o que é divino, estar conectada com o que é belo e com o que transmite paz e felicidade.

Bruxa é sinônimo de “Deusa”. Muitos preferem denominá-las assim, porque soa mais bonito aos ouvidos, já que os autores de histórias infantis criaram bruxas perversas e “feias” e ser Bruxa não tem, absolutamente, nada a ver com essas histórias criadas pelos homens, claro que o fato de a verdadeira Bruxa só fazer o bem com as descobertas individuais, não significa que elas devem ignorar a existência de outras que utilizam rituais voltados para a maldade. Mas, nem preciso dizer que a maldade existe e tudo depende da perspectiva em que se vê. Se querem utilizar sua sabedoria para coisas negativas, só surtirá efeito em quem se deixar atingir, ou seja, em quem estiver com a auto estima baixa e com o coração repleto de rancores, dentre outros sentimentos desse teor; além, é claro, de ela mesma ser a primeira a beber do próprio “veneno”.



As verdadeiras Bruxas utilizam seus feitiços, exclusivamente, para o bem, pois somos detentoras de uma sabedoria ímpar, embora temos plena consciência das nossas imperfeições e por esta razão não temos medo de caminhar com os pés nus em uma floresta, olhar as árvores, as flores e sentir os ciclos da natureza com o nosso corpo, entramos confiante no mar, nos rios, nas cachoeiras, ficamos sob a chuva e sentimos em nosso sangue o movimento das águas...

A Bruxa da Bruxaria Tradicional sabe o significa, antes de qualquer coisa, saber lidar e respeitar as Leis da Natureza, pois ser uma Bruxa é ser livre. Mas que essa liberdade não seja confundida com libertinagem. Liberdade é ser livre para acreditar no que você quiser, sem a necessidade de obedecer a dogmas, coisas impostas – mas é importante ter alguns pilares, ser um pensador e estar sempre procurando o melhor para a sociedade, para aqueles que estão ao seu redor. É importante ter uma mente questionadora e buscar o equilíbrio. Tendo esse poder, você automaticamente vai fazer o seu meio melhor.


Abraços a todas as bruxas do mundo, pois são as verdadeiras “Mulheres Deusas”, capazes de enfeitar o dia de qualquer pessoa com palavras sábias e repletas de poder. Mas, elas devem saber que sua influência maior está em seus exemplos, porque, como o velho ditado diz “conselhos todos dão” , mas saibam que uma Bruxa sabe viver com a terra e não apenas sobre ela e temos consciência que Ser uma Bruxa é ser verdadeiramente livre.


Selma - 3fasesdalua


sexta-feira, 19 de agosto de 2016

A GRANDE DEUSA MÃE DE TODOS NÓS


Deusa você é real?
A criança sussurrou:

"Deusa, fale comigo"

E uma cotovia cantou.
Mas a criança não ouviu.
Assim, a criança gritou:

"Deusa, fale comigo!"

E o trovão rolou pelo céu...
Mas a criança não ouviu. 
A criança olhou ao redor e disse:

"Deusa, deixe-me ver você."

E uma estrela brilhou
Mas a criança não percebeu.
E a criança gritou:

"Deusa, mostre-me um milagre!"

E uma vida nasceu...
Mas a criança não sabia.
Assim, a criança chorou em desespero,

"Toque-me Deusa, e deixe-me saber que você está aqui!"

Então a Deusa desceu
E tocou na criança.
Mas a criança espantou a borboleta
E afastou-se sem saber.

Selma - 3fasesdalua


A vassoura e a Bruxa


A mulher sempre foi vista como um símbolo de fertilidade, e antigamente, acreditava-se também que a vassoura representava um forte simbolismo sexual, onde o cabo simbolizava o órgão sexual masculino e os pêlos da vassoura, o feminino. Uma vassoura então, representaria simbolicamente uma união sexual.

Nos rituais de fertilidade, algumas mulheres em vilarejos isolados insistiam em correr por suas plantações, muitas vezes nuas, montadas em suas vassouras e pulando em cima do plantio, praticando assim, "o ritual da vassoura" ou "ritual da fertilidade" . Esta prática era feita para que o plantio crescesse depressa e trouxesse bons frutos. A crença comum era de que quanto mais alto fosse o pulo, mais alto as colheitas cresceriam.

Outras bruxas, escondiam ervas alucinógenas nas palhas de sua vassoura para chegar mais rápido a um estado de consciência alterado em seus rituais. Ao fazer isto elas diziam: " Vou pegar a minha vassoura que agora eu vou voar". Isso tudo era mais que suficiente para se acreditar que bruxas voavam em vassouras.


Hoje usamos a vassoura para purificar um local onde realizaremos um determinado rito. E ainda é usada em rituais Handfasting (cerimônias de casamento).

"Voar na vassoura" na atualidade se tornou uma expressão de banir algo, "limpar" ou purificar certa situação.


Selma - 3fasesdalua


A Bruxa


''Me libertei das fogueiras da inquisição e hoje em meu peito trago a honra da minha alma pagã fui apontada, julgada e queimada por carregar a minha própria sabedoria.

Neguei-me a assumir o papel de ruim, não me considerava a mulher má à qual tinha o pacto com o diabo...

Considerava-me a mulher conhecedora das ervas curativas, dos banhos, dos chás, dos cristais, das essências... Meus feitiços, minha magia, era o conhecimento e a poção principal era o amor.

Considerava-me a mulher sábia, filha e sacerdotisa da Grande Mãe, senhora dos ventos, das águas, da terra, do fogo.

Conhecia meus ciclos e notava que os mesmos eram iguais os ciclos da natureza, assim observando em silêncio suas manifestações aprendi que os seus ciclos eram os meus ciclos, na qual se alinhavam com o céu e a terra .

Observava a lua e a tinha como uma grande estrela guia, sentia o pulsar da Grande Mãe em meu peito.

Não me julgava, não me aniquilava e carregava comigo o legado de minhas ancestrais.

As mulheres eram minhas aliadas, e juntas compartilhávamos da mesma energia, e da mesma
sabedoria.

A sexualidade era sagrada e não me sentia culpada por sentir prazer e pela minha sensualidade feminina.

Eu era mulher e fui considerada bruxa por carregar uma sacralidade que o patriarcado não entendeu e nunca entenderá.

E hoje liberta das fogueiras da inquisição, se essas caraterísticas da mulher eram os motivos de ser chamada de Bruxa...

Em reverência, em honra ao meu passado, resgato o que eu fui e o que eu sou, acesso a minha sabedoria ancestral e dou meu grito de liberdade à uma sociedade que reprimi o que é natural...

Sou Mulher, Sou Bruxa!"

FONTE - Carol Shanti



ALTA MAGIA E BAIXA MAGIA Qual a diferença?


Algumas pessoas usam o termo alta magia como se fosse um status e baixa magia como se cuspissem ao dizer.

A magia, volto a lembrar, é uma só, mas ela tem sim algumas divisões que explicam formas de se praticar.

Essas formas são divididas entre alta magia e baixa magia.
Esses termos alta e baixa remetem a "fonte de onde a energia vem"
Alta magia seria a energia vindo dos seres etéreos, dos deuses, dos espíritos, dos astros, de tudo o que é "do alto". 


Já a baixa magia é feita com a energia transmutada aqui na terra, então tudo o que é palpável. As ervas, pedras, plantas...

A Baixa magia está ligada aos ensinamentos populares, os feitiços ensinados por velhos, crendices, cura pelas ervas, comemorações sobre fases da natureza, feitas de formas mais rudimentares e espontâneas, etc. O conhecimento, neste caso, é popular, nem sempre o praticante da baixa magia procura as causas daquilo, ele apenas executa tais processos, ligando-se a ancestralidade e ao ato em si.

A Alta magia, por sua vez, está ligada ao intelecto, aos intelectuais que estudam as ligações entre magia e manifestação da mente, o procedimento é mais cerimonial, ritualístico, possui uma explicação do mecanismo de funcionamento. A alta magia absorve a energia que não está transmutada ainda na terra e a transmuta. Como por exemplo, rituais de cura com divindades ou energias. O ritual na alta magia possui procedimentos, é menos espontâneo.

Quando uma bruxa faz um feitiço com uma pena para afastar um mal espirito que aprendeu numa receita popular, ou algo com moedas que sua avó ensinou para atrair dinheiro, está praticando a Baixa Magia.

Quando ela está fazendo um ritual para uma entidade ou deus, que possui técnicas ritualísticas, procedimentos, ou ainda um feitiço com sigilos, numerologia, uso de astros, etc, está na verdade praticando a Alta Magia.

Essas definições podem estar de acordo com a visão de algumas pessoas, mas obviamente, podem haver outras visões sobre isso.

Em resumo, antigamente, essa denominação era usada para explicar a magia do povo e a magia praticada pelos integrantes de ordens etc, ou seja pessoas de classe social mais elevada.

Independente da alta ou baixa magia, toda magia é igual e tem a mesma importância!
Essa explicação é só para que haja um maior entendimento da forma de pratica da alta e baixa magia. 

E Não para desmerecer nenhum tipo de prática.

Selma - 3fasesdalua

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...