quarta-feira, 23 de abril de 2014

SOMOS TODOS FRUTOS DA GRANDE MÃE


Ser uma Bruxa significa que você nunca está sozinha...
Quando eu ando sobre a terra, ela é meu caminho e eu não me sinto sozinha....
Os espíritos das árvores me cumprimentam quando eu passo e eu não me sinto sozinha.
Os sussurros do vento em meu ouvido e eu nunca estou sozinha.
A chuva lava minhas lágrimas e eu nunca estou sozinha.
A lua me deseja uma boa noite e eu não me sinto sozinha.
Deus e a Deusa, Senhor e a Senhora, com Eles, nunca estamos sozinhos...

Vanessa Siebel



Não acreditar em alguma coisa não a faz deixar de existir, independentemente da crença das pessoas. 

Lembre-se das palavras da Deusa...
"Eu não o carreguei no colo, não o impedirei, nem o privarei de ter as mesmas oportunidades que são dadas aos meus outros filhos. Você é livre e não deve ser carregado no colo como um bebê. Se você tiver dentro de si devoção e desejos verdadeiros, todos os obstáculos, serão então, superados!!

A Magia é a ciência dos segredos da Natureza. Para que ela funcione apropriadamente, uma(o) Bruxa(a) deve trabalhar sempre em perfeita harmonia com as Leis da Natureza e da psique. Magia é a ciência e a Arte, por isto quem procura evitar seu destino ou retardar o sofrimento apenas se condena a sofrer duplamente, em outra vida.

Numa teia onde todos estão interligados, cada novo ser que chega ao mundo recebe a oportunidade de ser inspirado por seus antepassados, pois a flor e até mesmo o fruto são apenas o começo. Na semente está a vida e o futuro. 


Tudo flui do Passado originando para o Futuro e Retornando a Origem.
Assim ao passar adiante para a próxima geração o conhecimento se renova e a consciência se amplia.

Toda Bruxa e Bruxo parece uma árvore pois aprendemos o equilíbrio entre olhar para dentro e agir para fora, aprendemos que nas camadas mais profundas de sua alma abrigamos raízes vitais que puxam a energia das profundezas para cima, para nutrir suas folhas, flores e frutos.

Entendemos que o útero da Mãe Terra é o lugar de morrer para renascer. Da nutrição e da proteção. Do mundo subterrâneo e da escuridão. É o tempo para se encontrar consigo mesmo, meditar profundamente. Para ser nutrido com maior energia física, colocar os pés no chão e conseguir o silêncio interior.

Muitos que vivem merecem morrer. Alguns que morrem merecem viver. Você pode lhes dar a vida? Então não seja tão ávido para julgar e condenar alguém a morte, pois mesmo os mais sábios não podem ver os dois lados.

Tudo emana energia e nossa alma é energia. Toda energia é sagrada e deve ser respeitada e honrada. Assim como todas as formas de vida sem exceção. A Bruxaria é a forma de amor e contato com a verdadeira criação do ser humano.



Na Bruxaria aprendemos a respeitar todas as nossas relações com todos os nossos ciclos, celebrando cada passagem na vida de uma Bruxa (o) através de ritos sagrados adaptados ao mundo contemporâneo onde temos a oportunidade de encontrarmos as deusas interiores que habitam em cada uma de nós.

Sofrer pelas coisas passadas é como tentar manter o cadáver de um ser querido em nossa casa, repetindo-nos constantemente que não morreu, voltando mil vezes os olhos à irrealidade de um corpo que não existe e ignorando a outra realidade espiritual que sim, existe.
Tanto que a dor do presente é apenas uma pontada que logo mergulha no passado para dar lugar ao futuro.


Por isso dizia um sábio que a humanidade é capazes de sofrer três vezes pela mesma coisa, mas que por de trás de todo sofrimento se esconde uma felicidade desconhecida: a plenitude da semente, da água, da alma Humana que descobrem no meio das trevas, a luz segura de seu próprio Destino.

Abençoada seja à noite, que trás a Deusa Lua em todo seu esplendor
Porque se não for por amor, qual seria o motivo de existir?

terça-feira, 22 de abril de 2014

Morgana fala… .( Sobre o país das fadas )


Morgana fala…

Até hoje nunca soube quantas noites e dias passei no país das fadas – até hoje minha mente se torna confusa quando tento fazer a conta. Por mais que me esforce, não acredito que fosse menos de cinco, nem mais de treze.

Tampouco tenho certeza do tempo que transcorreu fora dali, nem em Avalon, enquanto estive lá, mas como a humanidade registra melhor a passagem do tempo do que no país das fadas, sei que cerca de cinco anos se passaram.

À medida que envelheço, penso cada vez mais que talvez o que consideramos como o passar do tempo só acontece porque adquirimos o hábito, terrivelmente arraigado, de contar as coisas – os dedos de um recém-nascido, o nascer e o pôr do sol -, e por isso pensamos com muita freqüência no número de dias ou de estações que devem transcorrer antes que o grão amadureça, ou nosso filho cresça no ventre e seja dado à luz, ou que algum encontro muito desejado se concretize.

E o registramos de acordo com o passar do ano e do sol, como o primeiro dos segredos sacerdotais. No país encantado, eu nada sabia do tempo, e portanto para mim ele não passava.

Quando dele sai, descobri que já havia mais marcas no rosto de Gwenhwyfar e que a deliciosa juventude de Elaine começava a desaparecer.

Minhas mãos, porém, não estava mais magras, meu rosto continuava intocado pelas marcas ou rugas, e embora em nossa família os cabelos embranqueçam cedo – aos dezenove anos Lancelote já tinha alguns cabelos brancos -, o meu estava tão negro e intocado pelo tempo quanto à asa de um corvo.

Cheguei a pensar que quando os druidas retiraram Avalon do mundo da contagem e do registro constantes, isso também começou a acontecer ali.

O tempo não flui sem medida em Avalon como num sonho, ou como no país das fadas.

Não obstante, o tempo começou a correr ali mais devagar. Vemos a lua e o sol da Deusa e registramos os ritos nas pedras circulares, de modo que o tempo nunca nos abandona totalmente.

Mas não corre paralelo ao tempo de outros lugares, embora se possa pensar que se os movimentos do sol e da lua fossem conhecidos de todos, o tempo em Avalon teria de passar do mesmo modo que no mundo lá fora… Mas não é assim.

Nestes últimos anos, eu podia passar um mês em Avalon e descobrir, quando saia de lá, que toda uma estação ocorrera lá fora.

E ao final daqueles anos, isso sucedeu mais amiúde, pois eu não tinha paciência para ver o que acontecia no mundo exterior.

E quando as pessoas viam que eu continuava sempre jovem, então me consideravam, mais do que nunca, uma fada ou uma feiticeira.

Mas isso foi muito, muito tempo depois.

Pois quando ouvi a Raven dar aquele grito aterrorizador que varou os espaços entre os dois mundos e chegou até mim, onde eu estava, no sono intemporal do mundo encantado, eu parti… mas não para Avalon.

FONTE: Retirado de As Brumas de Avalon – A Grande Rainha, pág. 229 - 230

A AGUIA

Sendo o símbolo universal e primitivo da paternidade, a águia faz parte da mitologia de deuses e heróis. Desde Zeus, Cristo, Nero ou Napoleão, todos os grandes líderes, chefes, imperadores, reis ou heróis se sentiram na necessidade de associarem a sua imagem aos atributos da águia. Sendo por vezes também considerada a senhora do raio e do trovão, tanto na Ásia como entre os índios da América, a águia é comparada ao Sol, sendo mesmo por vezes o seu substituto. 

Entre os astecas ou no Japão, a analogia é a mesma e por isso as penas e os ossos de águia são utilizados nos rituais sagrados. Na Bíblia, as águias são equiparadas aos anjos, já que o rosto dos anjos são descritos por Ezequiel como tendo "face de águia". 

Por olhar o Sol de frente, a águia é também o símbolo da percepção e da contemplação, e nesse sentido é representada juntamente com S. João Evangelista. Na iconografia cristã medieval, a águia é associada a Cristo, já que este é rei e também se eleva nos céus. Nos tempos feudais europeus a águia começou a ser relacionada com o leão, assim como entre os índios astecas surgem os cavaleiros-águias, os cavaleiros-jaguares. 


Também entre os astecas, o coração dos guerreiros mortos em glória, os homens-águias, era oferecido à águia solar. O rei dos astecas ornamentava a sua coroa real com penas de águia e forrava o seu trono com pele de jaguar. Nos textos védicos indianos, a águia surge em antagonismo com a serpente Naga, sendo invocada como a inimiga ou destruidora de serpentes.

Na Ásia e na América, a águia é responsável por transportar a alma dos homens para o além, tanto na morte como no transe dos feiticeiros ou xamanes. Entre os celtas, a águia é o pássaro iniciador e mensageiro dos deuses. 

Nos povos da antiguidade mediterrânica, o voo da águia era interpretado para adivinhar o futuro, já que era a mensageira divina e a rainha dos céus onde se escrevia o destino. Entre os persas e os assírios, a águia era considerada a ave da vitória, e a sua aparição em campo de batalha era considerada um feliz presságio. 

O sangue de águia era suposto ter poderes sobrenaturais entre os antigos que acreditavam que este concedia vigor e coragem. Os excrementos de águia eram considerados um excelente remédio contra a esterilidade.


A ÁGUIA VAI POR CIMA...

Uma Águia voou. Seus olhos olhavam para o infinito Voou, cresceu, aprendeu Que o infinito é muito longe E que o importante mesmo. É continuar voando E voando rumo ao Retorno Rumo ao Ponto de Transição Em harmonia com o tempo. Seguindo o curso da natureza O caminho se completando em si mesmo. Tudo espontâneo e no devido tempo. Como o sentido do Céu e da Terra. O repouso dá lugar ao movimento Com suavidade e amor E que o Retorno traga a beleza. 


Inspirado nos estudos do I Ching, num momento de transição.

FONTE: XAMANISMO

sexta-feira, 18 de abril de 2014

AS BRUXAS DA GRANDE MÃE


" Não penses que me conhece...
Eu me mostrei, me doei, e te indiquei o caminho...
Mas, você não conseguiu me decifrar e muito menos me encontrar!
Talvez, somente os puros de coração conseguirão!!!!"

Andréia Hermann



O útero da Mãe é representado pela Terra. É o lugar de morrer para renascer. Da nutrição e da proteção. Do mundo subterrâneo e da escuridão, o Feminino Profundo. É o tempo para se encontrar consigo mesmo e meditar profundamente.

Que eu sempre me lembre que todos os alimentos com que me nutro, as frutas, as ervas, as sementes e os vegetais, o leite e o pão, os animais que lavram a terra e os seres que voam provem do Útero da Mãe e como tal sejam sempre louvados e abençoados para que a colheita da minha vida, da minha alma seja sempre farta.

É na escuridão que a nossa luz brilha mais é neste momento que devemos refletir, agradecer e colher. É o momento para honrar aqueles que já foram antes de nós, nossos antepassados. De agradecer nossos parentes para examinar nossas próprias vidas. É também um momento de aceitar o que somos . É o lugar de morrer para renascer de resignificar o propósito da vida.

Ser pagão não é sinônimo de "não ter religião" ou de ser " devoto de entidades do mal como demônios, e coisas semelhantes". Isto é uma criação do imaginário das pessoas que no surgimento das "Novas Religiões" ( dentre elas o Cristianismo) que se colocaram em oposição às Antigas Religiões - pagãs - que eram voltadas ao culto da Terra, e da Natureza.



Somos pessoas que se dão ao direito de viver livremente, sorrir, cantar e dançar. Não nos permitimos viver de mau humor, nem presas a conceitos. Temos fé em nossos caminhos que temos a liberdade de escolher .

Somos estranhas por nossa magia, usamos nossas vassouras e caldeirões, e assim as pessoas na sua ignorância ou nos temem, ou se encantam...
Você não vai encontrar uma só Bruxa que tenha vergonha de ser o que é, mas vai encontrar pessoas que morrem de vergonha de andar com uma Bruxa.

Conversamos com o vento, com a chuva, e com o fogo, dançamos ao redor de uma fogueira... ou simplesmente sentamos em silêncio.

Minha espiritualidade vai até onde esta encarnação me permitir... nem a mais nem a menos... Não vim a este mundo para medir minha espiritualidade ela me basta.
Tenho sabedoria suficiente para nossos caminhos, mas procuramos melhorar, sempre, estamos em eterno aprendizado, não só por caminhos traçados, mas também através dos livros deixados por nossas ancestrais.

A Bruxaria vive em nós e em tudo, não precisamos gesticular igual, vestir roupa igual e pensar igualmente, cada ser humano é um ser único, com pensamentos próprios, gestos próprios e gostos próprios, e isso deve ser preservado em sua individualidade.

O legado deixado pelas nossas ancestrais , é a semente que se encontra hoje em nós, por isto somos Sacerdotisas, Bruxas, Bruxos e Guardiões Tradicionais.



Cremos que tudo na Natureza está eternamente entrelaçado e ligado, e que ela é nossa grande mestra. Cremos que tudo na Natureza é de igual importância, e que tanto o masculino quanto o feminino são iguais e não existem um sem o outro, como a própria Natureza nos mostra.

Nossa marca é visível aos olhos de nossos iguais. Quem não enxerga ela, não pode provar que ela não existe, e podemos facilmente desmascarar alguém que se passe por um de nós, principalmente por aquilo que ele escreve e pensa.

Nascer Bruxa é reconhecer-se Bruxa desde cedo e deixar seu dom fluir como as águas, independente do berço, da bandeira religiosa, e do sexo.

Nós cremos que cada ser tem suas missões no Universo. Uns nascem para um certo tipo de missão enquanto outros nascem para outro tipo. Por isso cremos que o Caminho da Bruxaria não é feito para todas as pessoas, assim como nem todos nasceram para serem guerreiros, ou músicos, e assim por diante.

Uma vez aberta as comportas de uma represa, não tem como voltar a água para traz! Assim é o dom das Sacerdotisas, Bruxas, Bruxos e Guardiões.

Acreditamos que os Mistérios Antigos devem ser transmitidos de geração em geração, afinal, quem pode passar para alguém aquilo que não recebeu. Aceitamos o fato de que, uma Bruxa possa “se fazer sozinha” – como está dito, em casos “extremamente raros”, pois a verdadeira Bruxa contém em seu Sangue a Semente do Poder.

Somos Filhas e Filhos do Velho Espírito, Deusa da terra feita de pó, fogo,água e do ar que circunda, Abençoada com dons e sabedoria dos antigos.

Por tudo isto somos Sacerdotisas, Bruxas, Bruxos e Guardiões da Grande Mãe


quarta-feira, 16 de abril de 2014

LUA DE SANGUE

Foto

Temida por alguns, admirada por outros... A Lua Sangrenta
acontece no eclipse lunar (que geralmente ocorrem quatro vezes por ano). Ela recebe esse nome porque a Lua adquire uma coloração avermelhada, geralmente enevoada, lembrando um sangue escorrendo dela. Essa é a imagem da menstruação feminina que desce após a plenitude do ciclo da mulher quando ela não é contemplada com a gravidez.


Assim sendo, a Lua Sangrenta nos remete a acontecimentos que não deveriam acontecer se a contemplação fosse total, ela nos fala de um evento natural, sim, mas passível de ser evitado. Desse modo, ela nos indica energias de renovação e de finalização. É um ciclo que se finaliza, que se rompe, incompleto, mas terminado.

Entender essa Lua também perpassa pela compreensão dos eventos que a antecederam, por isso é um momento de grande reflexão e auto reflexão. É preciso entender os acontecimentos para compreender a plenitude do poder dessa Lua.

Perversa, sim. Negativa, não! A Lua Sangrenta, apesar de muito bela, é sim perversa. Ela vem com a ideia de rompimento, renovação mesmo que forçada. Mas seus frutos a curto, médio e longo prazos poderão ser muito positivos, afinal essa Lua trás um rompimento natural, que precisa ser feito, uma renovação necessária.

Mas nesse momento precisamos tomar cuidado com os sentimentos negativos em nossos corações, eles se amplificam e essa Lua também trás consigo a regência da Lua Plena. Se relacionarmos esses eventos, entendemos o poder dessa Lua. Ela pode nos trazer uma renovação incrível, mas também tem um poder de destruição irremediável. É preciso tomar cuidado com o que se deseja nesse dia e nutrir-se dessa Lua apenas o necessário para prosseguir bem, com equilíbrio e harmonia.


Bons conselhos para celebrar essa Lua é uma boa meditação, avaliação e autoavaliação de tudo. Queimar coisas que você quer ou precisa serem deixadas no passado também é uma forma poderosa de se comemorar essa energia. Banhos de descarrego e limpeza são muito bem-vindos, e práticas de adivinhação, quando realizadas de forma delicada e buscando compreensão também são muito indicadas. Mas evite o scrying... E, se for conversar com a Lua, lembre-se que não é um bom momento para se fazer pedidos, apenas para deixar o passado no passado.

Tome um banho de ervas com sal (Comigo-Ninguém-Pode, Arruda, Alecrim, Benjoim e Losna são as mais indicadas). Prepare um espaço para meditação. Faça um Círculo de Sal em volta desse espaço e no centro coloque um Caldeirão de Fogo, uma vela vinho (ou preta), os materiais que desejar queimar (podem ser papéis escritos), um punhado de sal, e os instrumentos de adivinhação, se achar pertinente.

De preferência a meia noite, entre no Círculo, medite, reflita sobre a vida e sobre você mesmo e fixe-se nas coisas que quer deixar para trás. Invoque essas energias:

"Lua que de sangue se enche,
seu Ciclo precisa continuar.
Por essa razão tu derramas
essas energias que a tudo vem renovar!
Que essas energias,
Que teu sangue que escorre
também penetrem em mim.
Que eu possa ser limpo(a)
De tudo que no passado devo deixar.
Que saiam de mim agora
tudo aquilo que me impedir de continuar!
Lua que de sangue se enche,
Venha, venha me purificar!
Lua que de sangue se enche,
Venha, venha me renovar!
Lua que de sangue se enche,
Venha, venha fazer meu ciclo andar!"


Então, olhe para a Lua, fixamente, e sinta ela te limpando e purificando, levando de você tudo o que tem que ser levado. Acenda o caldeirão e queime tudo o que tem que queimar. Medite mais um pouco, sinta e tenha certeza da Lua te limpando. Evite pensamentos tristes, negativos ou rancorosos. Faça as atividades de adivinhação, ou o que mais se propôs. Então finalize tudo, deixe a vela e o caldeirão apagarem, tome o banho com ervas e durma. Jogue os restos fora em água corrente até o próximo pôr-do-sol. Evite lembrar do ritual, deixe com que ele aja em você e renove você mesmo sua vida.

Para os que se interessam, esse é um momento ideal para exorcismos, apesar de que, a energia negativa presente na pessoa terá mais força para lutar também. Mas o que for mandado embora quando a lua sangra dificilmente volta.

Na madrugada de 15 de abril ocorreu um eclipse lunar total que foi visível em todo o Brasil, mas, os moradores das ilhas continentais só observarão por algum tempo a fase em que a Lua fica obscurecida.


segunda-feira, 14 de abril de 2014

A BRUXA NÃO PRECISA SER ELA É


A MULHER DESPERTADA PARA SUA DEUSA NO SEU INTERIOR, CAMINHA SERENAMENTE ENTRE A DOR E AS VERDADES DA ALMA, CONSCIENTE DA META ESTABELECIDA E DA PLENITUDE A SER ALCANÇADA.


Alguns caminhos são mais curtos, outros mais longos.
O que importa realmente não é a chegada, mas sim o trajeto, o conhecimento adquirido nesse percurso.

E nesse caminhar religioso, muitos se perdem, sem ao menos entender a necessidade do real conhecimento das divindades e dos poderes mágicos da natureza.

Ser bruxa é muito mais do que acender velas , incensos ou fazer rituais , ser bruxa , é um sacerdócio individual , é entregar-se de corpo e alma a essência cósmica é vibrar em conjunto com as forças da natureza e respeita-la em todas as suas manifestações.

Pois é assim que somos, nos reunimos ao redor de uma fogueira, procurando de alguma forma entrar em sintonia com as forças universais que nos cercam silenciosas, que com a nossa sensibilidade mais afinada, entrar em contato com a Deusa. 


O tempo vai nos tornando poderosas, pois a experiência é adquirida com nossas atuações mágicas.

Manipulamos ervas, poções mágicas, e rituais sagrados...

De uma coisa podemos ter certeza:
De nada adianta querer apressar as coisas; tudo vem ao seu tempo, dentro do prazo que lhe foi previsto.

Abraçar totalmente a ideia de que quando se é, é, e não poderia ser de outra maneira., quantas pessoas vemos por ai andando como bruxas, vestindo-se como bruxas e falando como bruxas mas que sabemos que não o são? Quantas pessoas que vemos por ai, dos tipos mais variados, do mais variados credos e etnias, mas que carregam consigo um olhar diferente.

Um nome não faz uma bruxa. Um título não nomeia uma alma.

Nós Bruxas usamos e vivemos da Mãe Terra, a natureza.
Nos utilizamos "energia pura" para o nosso caminhar.
Sabemos que a energia não pode ser criada e nem extinta apenas transformada.


É exatamente isto o que esta vivência se propõe, trocar (transformar) as energias maléficas e que nos atrapalham, por outras mais positivas e que colaborarão em favor do nosso crescimento físico, mental e espiritual.

Ser bruxa é reconhecer o seu próprio valor , é respeitar o próximo e seu livre arbítrio. É compreender que todos os nossos atos e gestos estão regidos pela lei triplice , portanto todo o bem ou mal que fizermos (principalmente usando a magia) retornarão para nós em triplo.

O objetivo do Ofício da Bruxa é dar condições de reverter situações consideradas totalmente perdidas, alterar quadros extremamente negativos, vencer obstáculos intransponíveis, fazendo com que o impossível passe a ser possível.

Na Bruxaria a medida do conhecimento não é feita pela idade, mas sim pelos anos de estudo, e o mais importante, é como você utilizou esses anos.

Conheci muitas Bruxas, Bruxos, Guardiões e Magos, velhos e novos, todos com suas verdades e muito conhecimento que se perderam no tempo.
O conhecimento é contínuo, e todos carregam fragmentos de verdades.



Somos conscientes de nosso poder de transmutar, mudar as coisas e atos. Poder este que vem de nossa dedicação, fé, e equilíbrio de pensamentos.
Adquirimos os sentidos, para decifrar os mistérios.
Temos uma visão mais ampla das atitudes, e suas consequências.
Somos movidas por pura magia de energia.

Na Bruxaria, é onde se começa o "Caminho". E todos possuímos nas mãos o aprendizado que não terminará mais, pois o caminhar das Bruxas, Bruxos, Guardiões e Magos não encerra a busca pelo conhecimento, mas o prepara para galgar novos rumos em direção da Luz de nossas antepassadas.

Pois acima de tudo Ser Bruxa é viver o amor. O amor pela vida e por tudo de bom que ela possui , é contribuir através das nossas ações e conselhos para a melhora e o crescimento daqueles que cruzam o nosso caminho. Ser Bruxa é viver a simplicidade da vida , admirar a beleza das flores, o encanto de seus aromas , a harmonia dos astros , saber apreciar uma boa música e partilhar todas essas coisas boas com aqueles que amamos.

Assim é meu caminhar...
Cheio de dedicação, amor e respeito ao meu Ofício.
Respeitando a todos que me procuram e a todos que convivem comigo.
Buscando na Natureza - Mãe Terra - A força, o equilíbrio, e as energias mágicas para o bem viver.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...