terça-feira, 22 de abril de 2014

A AGUIA

Sendo o símbolo universal e primitivo da paternidade, a águia faz parte da mitologia de deuses e heróis. Desde Zeus, Cristo, Nero ou Napoleão, todos os grandes líderes, chefes, imperadores, reis ou heróis se sentiram na necessidade de associarem a sua imagem aos atributos da águia. Sendo por vezes também considerada a senhora do raio e do trovão, tanto na Ásia como entre os índios da América, a águia é comparada ao Sol, sendo mesmo por vezes o seu substituto. 

Entre os astecas ou no Japão, a analogia é a mesma e por isso as penas e os ossos de águia são utilizados nos rituais sagrados. Na Bíblia, as águias são equiparadas aos anjos, já que o rosto dos anjos são descritos por Ezequiel como tendo "face de águia". 

Por olhar o Sol de frente, a águia é também o símbolo da percepção e da contemplação, e nesse sentido é representada juntamente com S. João Evangelista. Na iconografia cristã medieval, a águia é associada a Cristo, já que este é rei e também se eleva nos céus. Nos tempos feudais europeus a águia começou a ser relacionada com o leão, assim como entre os índios astecas surgem os cavaleiros-águias, os cavaleiros-jaguares. 


Também entre os astecas, o coração dos guerreiros mortos em glória, os homens-águias, era oferecido à águia solar. O rei dos astecas ornamentava a sua coroa real com penas de águia e forrava o seu trono com pele de jaguar. Nos textos védicos indianos, a águia surge em antagonismo com a serpente Naga, sendo invocada como a inimiga ou destruidora de serpentes.

Na Ásia e na América, a águia é responsável por transportar a alma dos homens para o além, tanto na morte como no transe dos feiticeiros ou xamanes. Entre os celtas, a águia é o pássaro iniciador e mensageiro dos deuses. 

Nos povos da antiguidade mediterrânica, o voo da águia era interpretado para adivinhar o futuro, já que era a mensageira divina e a rainha dos céus onde se escrevia o destino. Entre os persas e os assírios, a águia era considerada a ave da vitória, e a sua aparição em campo de batalha era considerada um feliz presságio. 

O sangue de águia era suposto ter poderes sobrenaturais entre os antigos que acreditavam que este concedia vigor e coragem. Os excrementos de águia eram considerados um excelente remédio contra a esterilidade.


A ÁGUIA VAI POR CIMA...

Uma Águia voou. Seus olhos olhavam para o infinito Voou, cresceu, aprendeu Que o infinito é muito longe E que o importante mesmo. É continuar voando E voando rumo ao Retorno Rumo ao Ponto de Transição Em harmonia com o tempo. Seguindo o curso da natureza O caminho se completando em si mesmo. Tudo espontâneo e no devido tempo. Como o sentido do Céu e da Terra. O repouso dá lugar ao movimento Com suavidade e amor E que o Retorno traga a beleza. 


Inspirado nos estudos do I Ching, num momento de transição.

FONTE: XAMANISMO

Um comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...