terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

O Silêncio



Os índios, conhecem o silêncio. Não tem medo dele. 
Na verdade, para os índios ele é mais poderoso do que as palavras. 
Nossos ancestrais foram educados nas maneiras do silêncio e eles
nos transmitiram esse conhecimento. 

"Observa, escuta, e logo atua", nos diziam. 

Esta é a maneira correta de viver.
Observa os animais para ver como cuidam se seus filhotes. 
Observa os anciões para ver como se comportam. 

Observa o homem branco para ver o que querem. 
Sempre observa primeiro, com o coração e a mente quietos,
e então aprenderás.

Quanto tiveres observado o suficiente, então poderás atuar.
Com vocês, brancos, é o contrário. Vocês aprendem falando. 
Dão prêmios às crianças que falam mais na escola. 
Em suas festas, todos tratam de falar.

No trabalho estão sempre tendo reuniões
nas quais todos interrompem a todos,
e todos falam cinco, dez, cem vezes. 

E chamam isso de "resolver um problema". 
Quando estão numa habitação e há silêncio, ficam nervosos. 
Precisam preencher o espaço com sons. 
Então, falam compulsivamente, mesmo antes de saber o que vão dizer.
Vocês gostam de discutir. 

Nem sequer permitem que o outro termine uma frase. 
Sempre interrompem.
Para os índios isso é muito desrespeitoso e muito estúpido, inclusive. 
Se começas a falar, eu não vou te interromper. 

Te escutarei. 
Talvez deixe de escutá-lo se não gostar do que estás dizendo. 
Mas não vou interromper-te.

Quando terminares, tomarei minha decisão sobre o que disseste,
mas não te direi se não estou de acordo, a menos que seja importante.
Do contrário, simplesmente ficarei calado e me afastarei. 

Terás dito o que preciso saber. 
Não há mais nada a dizer. 

Mas isso não é suficiente para a maioria de vocês.
Deveríamos pensar nas suas palavras como se fossem sementes. 
Deveriam plantá-las, e permiti-las crescer em silêncio. 

Nossos ancestrais nos ensinaram que a terra está sempre nos falando,
e que devemos ficar em silêncio para escutá-la.
Existem muitas vozes além das nossas. 
Muitas vozes.
Só vamos escutá-las em silêncio.

                                                                                
APRENDAMOS COM ELES..


Texto traduzido por Leela, Porto Alegre: 
"Neither Wolf nor Dog. On Forgotten Roads with an Indian Elder" - Kent Nerburn

10 comentários:

  1. Que delícia de texto!

    Oscar Wilde disse:

    “Se você não consegue entender o meu silêncio de nada irá adiantar as palavras, pois é no silêncio das minhas palavras que estão todos os meus maiores sentimentos.”

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  2. qué lindo
    ¡qué hermoso
    He venido a visitar, por favor visite mi sitio que mi
    Quiero echar un vistazo a em he terminado con este artículo en lugar

    http://www.cicileydi.com/2012/06/dondurma-kutusunun-sevimli-geri.html

    ResponderExcluir
  3. Mi querida Selma, paso de a poquito a ponerme al día con la lectura y llego para leer tus fantásticas entradas que tanto me gustan.
    Bellísimo leerte, te dejo un fuerte abrazo y te deseo un hermoso fin de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que felicidade cristina de vc estar aqui bjs

      Excluir
  4. Show de postagem!
    Li um livro sobre linguagem do corpo que segue essa linha.
    Antes, o homem se comunicava por gestos e sabia ver no outro o que este sentia e queria dizer. Com a palavra e sempre querendo falar mais do que ver e ouvir, o homem deixou de prestar atenção a essas coisas e realmente só ouve o que quer e qdo quer.
    Muitos, nem sabem mais apreciar o silêncio, este incomoda.
    Adorei o texto!

    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que bom que veio ao meu cantinho volte mas vzs

      Excluir
  5. Julgo que a maioria das pessoas não valorizam o quanto se pode aprender com o silêncio. Muito belo este poste.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...