sábado, 22 de abril de 2017

SER SACERDOTISA E BRUXA DA BRUXARIA TRADICIONAL É ASSIM.


"Tudo que você semeia, cedo ou tarde terá que colher... a vida é plantio. Escolha as sementes com sabedoria." 
Renata Fagundes


Acreditava-se antigamente que existiam os destinos; O passado era uma senhora idosa. O presente uma bela donzela e o futuro uma criança e ambas teciam os destinos. Todos passavam pelas mãos delas e quando alguém modificava seu destino, um fio dele era cortado e começava-se criar um novo. Esse novo era unido ao outros. Acreditava-se também que cada fio brilhava como se fossem fios de ouro, pois cada vida era preciosa e cada escolha também.

Eu Selma sou uma Sacerdotisa e nunca vou deixar de ser chamada de Bruxa da Bruxaria Tradicional, Eu sou a filha da lua, as lembranças de estrelas esquecidas. Eu caminho sobre esta terra, vestida de carne e sangue, envolto em desejos matérias e intuições sábias. 

Na Bruxaria Tradicional Eu aprendi a andar no meio do fogo e da água, a terra e o céu. 

A névoa me revela infinitos caminhos para Eu seguir a minha jornada, pois ela, é uma dança ao silêncio de música das estações.

A verdadeira Bruxa quando observa o pôr do sol, fecha os olhos e sente a alma expandir, ela sente que é tudo, que entende tudo e consegue traduzir o canto dos Mistérios universal, esse misterioso chamado que nos proporciona tão grande bem estar e plenitude de ser.

Quando as Sacerdotisas e as Bruxas vê a lua, sente que entre elas existe uma ligação muito íntima, pois ambas possuem ciclos, fases, ser uma Sacerdotisa ou Bruxa também é isso, é identificar as analogias entre a natureza e o "Eu" e ver que o que está em cima, é o que está embaixo.

As Sacerdotisas e Bruxas possui a sabedoria conseguida através da maturidade e das muitas experiências, sem com tudo perder o coração doce da criança que descobre o mundo.


As vezes muitas pessoas me pergunta quando me tornei Bruxa, não me tornei Eu nasci Bruxa, todas as mulheres da minha família são e foram Sacerdotisas e Bruxas da Bruxaria Tradicional.

Eu nasci com este dom nunca fiz nada para ser assim. Consigo sempre ver nas coisas e nas pessoas algo mais do que coisas e do que pessoas. É fácil para Eu responder-lhes e brincar com as suas energias, pois de minhas mãos brotam a Arte em todos os sentidos.


Nós temos amor por tudo que fazemos, temos o toque delicado que acaricia as flores, que tenta tocar as estrelas, que tenta tocar o infinito. Todas sabemos que a natureza é uma Mãe sábia, ela nos dá, mas também tira, e que devemos ser sagazes, fortes, e que um dia, todos, sem exceção, voltaremos para ela, para o grande Útero Universal.

Na Bruxaria Tradicional aprendemos que a magia é a capacidade que o ser humano tem de ver na natureza algo novo, um encontro com a natureza. Então toda vez que você olha para a natureza e a vê de uma maneira nova, reformulada, isso é magia.

Na Bruxaria Tradicional entendemos desde, pequenas que ser Sacerdotisa e Bruxa é ser livre. Mas que essa liberdade não seja confundida com libertinagem. 

Liberdade é ser livre para acreditar no que você quiser, sem a necessidade de obedecer a dogmas, coisas impostas mas é importante ter alguns pilares, ser uma pensadora e estar sempre procurando o melhor para a sociedade, para aqueles que estão ao seu redor.

A minha Grã Sacerdotisa Viviane em um dos seus muitos ensinamentos me falou : “Que o seu caminho minha menina Selma seja brando a teus pés, que o vento sopre leve em teus ombros. Que o sol brilhe cálido sobre tua face, que as chuvas caiam serenas em teus campos. E até que eu de novo te veja,que os Deuses te guardem nas palmas de Suas mãos”.


Entendendo tudo Isto e assim Eu vou seguindo o meu caminho a minha jornada e se por tudo isto Eu sou chamada de Bruxa então sou Bruxa. Rio-me disso, acho engraçada a maneira como me vêem. Olho-os e lá está a cor mágica que os define. 

Ninguém entende a vida que levo. Acham-me no mínimo estranha, rio-me. Sou apenas, uma mera mortal que quer ser feliz. Mas a minha felicidade vem sempre por acréscimo da felicidade que tento plantar nos outros. Vê-los sorrir é o meu alimento. Gosto de falar com as plantas e com os animais e por mais estranho que seja eles dão-me algumas das respostas que preciso para continuar a sorrir. 

Tenho também as minhas asas, que me acompanham sempre, em todas as horas da minha vida e por mais que as pessoas ignorantes que estão coberta com o preconceito teimam em falar Eu não tenho pintas e nem verrugas no rosto. O meu queixo não é pontudo como a figura dos contos de fada. Tenho uma vassoura sim, mas não voa por aí. 

Acredito na magia, rodeio-me dela e sinto ela dentro de mim. Sei que todas as minhas respostas estão no que não se explica mas que se sente. Vivo assim e gosto muito. Não penso muito sobre as coisas, pois elas acontecem e pronto. Não ambiciono ser famosa ou rica ou mesmo poderosa. Quero continuar a viver desta calma, desta paz interior que me faz olhar sempre em frente e continuar a ser o que sou.

Todas as Bruxas, Sacerdotisas e Grã Sacerdotisa Tradicionais sabe que acima de tudo que o Bem é a aquilo que você traz no olhar, no abraço, no aperto de mão, no beijo na testa, no carinho nas costas. É aquilo que leva pra sempre tatuado na alma e faz questão de compartilhar, dar, retribuir com quem te faz bem e também com quem você, mesmo sem conhecer, quer o bem.

Me sinto honrada em pertencer a BRUXARIA TRADICIONAL e mais ainda por ser um SACERDOTISA DA BRUXARIA TRADICIONAL.

SELMA – 3FASESDALUA


domingo, 19 de março de 2017

IRMÃS E IRMÃOS DE ALMA E CORAÇÃO


A inteligência e a sabedoria são irmãs muito amigas, mas não gêmeas. Uma ajuda a outra. Enquanto a inteligência provê à sabedoria conhecimento prático para entender o significado das coisas, a sabedoria devolve à inteligência a sensibilidade para entender as coisas com o coração.
Helena Bresolin



A vida é assim quando menos esperamos ela nos reserva cada surpresa... E não poderia ser diferente comigo, pois sempre nos meus ensinamentos aprendi que nem sempre o sangue fala mais alto, às vezes quase sempre me perguntei por que sou filha única e agora sei que a minha Deusa e o meu Deus não fez única ele simplesmente espalhou as minhas irmãs e irmãos de alma e coração.

Dentro da pouca sabedoria que tenho entendi que Amigas e Amigos são para sempre, mesmo que o para sempre não exista! Pois o destino nos fez amiga (os), mas o coração nos tornou irmãs e irmãos, pois sei que uma amiga (o) é fruto de uma escolha.
É uma opção de amor, É a descoberta da alma irmã.
É a consciência clara e permanente de algo sublime que não está na natureza das coisas perecíveis.


É um tesouro sem preço, um gostar sem distância, de alguém presente em nosso caminho, nas horas de dúvida, de alegria, demais para ser perdido, importante para ser esquecido, pois entre as minhas Irmãs (os) de Alma e coração não existe distância. Pode não haver toque físico, mas tocamos á alma um do outro.


Eu sei que com o tempo esquecemos muitas coisas, mas, jamais quero esquecer o amor que recebi da vida, e abraços que me fizeram forte me deram suporte para
enfrentar a dor. O carinho, recebido quando precisava para acalmar a alma e pensar com calma.

Amiga... Pessoas que reflete nossa alma, que ilumina o nosso coração, que sempre tem uma palavra amiga que me fez entender mais da vida para me sentir acolhida.
O olhar que me sorria me deixou feliz mesmo quando não percebia.

A raiva, o ódio e a inveja são doenças que podem matar...
Matam tudo de bom ao redor, por isto sempre falo e acredito que o melhor caminho é seguir a sua intuição, por isto Eu escolhi todas as minhas irmãs e irmãos de alma e coração.

Nesta minha vida de alguns anos também a vida me ensinou que o que temos de mais precioso é nossa essência, pois nela está contida nossa personalidade, nosso jeito de amar, viver e acarinhar pessoas que ainda não aprenderam amar.
E que precisamos nos afastar de pessoas vazias, que são incapazes de reconhecer
de demonstrar paz, amor e gratidão, pois é apenas esses sentimentos que tocam a alma e nos dão a capacidade de demonstrar quem tem bom coração.

Agradeço todos os dias a minha Deusa e o meu Deus por ter me dado tantas irmãs e irmãos que se tornaram de Alma e de Coração.


Selma = 3fasesdalua


quinta-feira, 9 de março de 2017

BRUXARIA TRADICIONAL É ÚNICA ELA É RAIZ



Nada tenho contra o Cristo, apenas contra os seus sacerdotes, que chamam a Grande Deusa de demônio e negam o seu poder no mundo. - Marion Zimmer 



Hoje em dia no mundo pagão existe uma verdadeira guerra de ignorância com muitas pessoas que sabem muito pouco e adoram falar desse pouco que sabem.

A Bruxaria Tradicional é uma Religião muito antiga, não sendo ligado a nenhum tipo de outras religiões de forma geral. A Bruxaria é Hereditária e não conhece nenhuma autoridade religiosa além da sua Sacerdotisa e do seu clã (se possuir algum).

A Bruxaria Tradicional vivia no campo, na cozinha, nos segredos que estavam nas sombras e que povoava o imaginário popular como algo pernicioso. No Império Romano (cristão), não foi diferente, pagãos foram convertidos ao cristianismo e a Bruxaria permaneceu clandestina - e sobreviveu de forma clandestina, mas, contudo o povo Pagão sempre permaneceu fiel deixando que a Deusa renasça, se expresse em nossas intenções, vontades e desejos, para que possamos extrair do nosso corpo os movimentos sagrados de sua dança e deixar que embale nossos sonhos, pois assim entendemos que nenhum conhecimento pode ser declarado conhecimento se não houver ação.

Temos que sempre nos questionar antes de darmos um conselho, pois quando aconselhamos alguém com o nosso ponto de vista na intenção de dizer o que você faria em vez de entender o que o outro deveria fazer do ponto de vista dele, cometemos um dos maiores erros contra a vontade humana.

A Bruxa opera com os poderes da terra e das estrelas, dos mortos da terra e seus ancestrais. Podemos dizer num nível mais metafísico que a Bruxaria é o Dom ou Poder inato em certos indivíduos, que os capacita a interagir dentro dos "outros mundos" e seres que lá habitam. E, mais, digo que Bruxaria e Feitiçaria são sinônimos, pois a Arte primordial da Bruxa, independente de seus cultos particulares, é e sempre foi a Arte de fazer feitiços, ou bruxedos.

Usar Magia ou Bruxaria é simplesmente direcionar sua vontade para uma religião da natureza. Digo religião por ser uma crença ou fé em algo que irá desejar, e da natureza porque sou instintivo e natural à energia que é utilizada, por isto Eu sempre falo que se engana aquele que acha que tudo é simples. Na realidade a simplicidade das coisas está na complexidade do que é, pois somente com predisposição de aprender e humildade poderá, então, seguir adiante caminhando pela Senda Mística.



É importante não tentar entender ou julgar os outros pelo seu ponto de vista, pois aquele que caminha sob a Senda Mística pode ser acusado de fugir ao problema no que se refere à verdade, ainda que não descubra a “verdade em si”, irá descobrir que tudo possui uma questão cultural, uma falsa consciência e muitas circunstâncias desconhecidas, relevantes para sua descoberta.

Na Bruxaria Tradicional não traçamos círculos em todos os rituais, o ambiente dentro de casa é tido como sagrado e puro, bem como toda a Terra é, considerando que a família sabe cuidar do lar melhor do que ninguém, o Lar se torna nosso Templo. A Terra é sagrada para nós, assim como nossa casa, pois ela é nosso habitat, e uma vez que somos íntimos dos espíritos e da própria natureza, nos sentimos parte do todo sagrado que habita nossa morada. O círculo ou muralha servem para conter a energia em ritos grandes e pesados.

Trocando em miúdos, a Bruxaria Tradicional são tradições hereditárias, passadas de geração para geração, não sendo apenas familiar, mas, também iniciática.

As Bruxas Tradicionais acreditam que a Bruxaria não é um caminho de todos e que deve ser tomado com seriedade e lógica, coisa que muitos grupos não parecem ter de fato. “Não que alguém seja melhor ou pior por isso, mas simplesmente não é um caminho de todos. É estupidez achar que todo mundo vai se dar bem ou se encaixar em algo. Pintura é para todos? Política? Sociologia? Medicina? Cristianismo? Budismo? Por que Bruxaria Tradicional seria?”



A Bruxaria Tradicional NUNCA morreu, pois ela se refere às crenças e práticas de famílias e organizações secretas da Arte que antecedem o século vinte. Normalmente, apesar de a doutrina e as práticas da Bruxaria Tradicional ter raízes em tempos muito antigos, o tempo mais longínquo que a maior parte das organizações tradicionais podem se datar com alguma exatidão é o século 17. Entretanto, o folclore e a história do século 11 em diante testemunham práticas similares àquelas transmitidas hoje pelas Bruxas Tradicionais.

Como diz o ditado: "Parece que a gratidão se auto justifica, tanto, que nem precisa de reconhecimento, mas a ingratidão bate tão forte que é preciso gritar nas orelhas de todos para que reconheçam".

Nascer Bruxa é reconhecer-se Bruxa desde cedo e deixar seu dom fluir, pois sabemos que algumas pessoas se aproveitam das buscas incessantes das pessoas porque as pessoas não cessam sua busca, sua fome de conhecimento. Contudo, a maioria delas busca nos "galhos" (ou quebra-galhos), o que já temos nas raízes.



Selma – 3fasesdalua



sábado, 4 de março de 2017

SOU BRUXA, SACERDOTISA E POR QUE NÃO CURANDEIRA, SOU DA BRUXARIA TRADICIONAL.


No passado, quando todos os bebês nasciam em casa com a ajuda de uma parteira, muitas dessas mulheres tinham a habilidade para ler sinais e presságios, enquanto ajudavam os bebês, essas Bruxas sempre foram vistas como curandeiras do povo, sempre beneficiando as comunidades em que viviam. Eram as parteiras, as curandeiras, enfim, as médicas dos vilarejos, onde seus moradores confiavam e acreditavam.

A Bruxaria Tradicional, conhecida também como a Velha Religião, descendeu da utilização da natureza como sobrevivência, isso equivale ao início dos tempos. Mas, mesmo com os preconceitos da igreja e as modernizações, os conceitos sobreviveram e atraem pessoas do mundo inteiro, hoje, onde não se aguenta mais viver de tecnologia somente.

Bruxaria Tradicional nada mais é, do que usar a natureza com respeito, seguir os costumes dos seus antepassados e amar seu semelhante…Todas nós temos conhecimento de que durante a idade média, mulheres que faziam ungentos e simpatias, chamadas de feiticeiras ou curandeiras ou até mesmo Bruxas foram perseguidas pela Igreja Católica. Entretanto, acusá-las de fazer curativos e bebidas com ervas não seria plausível. Essas mulheres foram consideradas maléficas, sendo relacionadas com o diabo e com todas as pragas existentes na região. A Inquisição perseguiu milhares de mulheres consideradas Bruxas, pela Europa. Todos entregavam seus vizinhos e parentes quando, na maior parte das vezes, estes não tinham provas concretas ou as mulheres nem ao menos pagas ou curandeiras eram. O episódio de perseguição às Bruxas mais marcante foi o da cidade americana de Salém.



Como disse Clarissa Pinkola, toda mulher parece com uma árvore. Nas camadas mais profundas de sua alma ela abriga raízes vitais que puxam a energia das profundezas para cima, para nutrir suas folhas, flores e frutos. Ninguém compreende de onde uma mulher retira tanta força, tanta esperança, tanta vida. Mesmo quando são cortadas, tolhidas, retalhadas, de suas raízes ainda nascem brotos que vão trazer tudo de volta à vida outra vez.

Não existe nenhuma coisa na natureza, criada ou dada à luz, que não revele exteriormente a sua forma interior, porque tudo o que é íntimo tende sempre a manifestar-se dentro de nós, por isso entendem as mulheres de plantas que curam, dos ciclos da lua, das estações que vão e vem ao longo da roda do sol pelo céu. Elas tem um pacto com essa fonte sábia e misteriosa que é a natureza,. Prova disso é que sempre se encontra mulheres nos bancos das salas de aula, prontas para aprender, para recomeçar, para ampliar sua visão interior. Elas não param de voltar a crescer…

Minha mãe dizia que as árvores são passagens para os mundos místicos, e que suas raízes são como antenas que dão acesso aos mundos subterrâneos. Por isso ela mantinha em nossa casa algumas árvores que tinham tratamento especial e era vista como fonte de cura, de força e energia.

As Bruxas Tradicionais encaram a vida como atravessar uma ponte. Nem sempre as pessoas com quem iniciamos a travessia são as mesmas que nos cercam agora ou com quem chegaremos do outro lado, por este motivo nós Bruxas somos criaturas humana, encarnada. Que ri, que chora, que sangra... e tem que saber viver no mundo como ser humano responsável, para poder ser Bruxa responsável. Há que aprender a respeitar os anciãos que têm muito a ensinar, como: a semear, a colher, a ouvir o próprio interior, a conhecer e acima de tudo, observar que a Terra (Gaia ou Pacha Mama) é nosso Lar, mas não é apenas nosso, é de todo ser vivo que tem direito à vida tanto quanto nós. Bruxa é criatura humana, encarnada. Que ri, que chora, que sangra... e tem que saber viver no mundo como ser humano responsável, para poder ser Bruxa responsável. Há que aprender a respeitar os anciãos que têm muito a ensinar, como: a semear, a colher, a ouvir o próprio interior, a conhecer e acima de tudo, observar que a Terra (Gaia ou Pacha Mama) é nosso Lar, mas não é apenas nosso, é de todo ser vivo que tem direito à vida tanto quanto nós.



As “curadoras’ afirmam que podemos atrair seres encantados para nossos jardins! Como? Plantando flores e plantas que atraiam abelhas e borboletas, gaiolas abertas para passarinhos e bebedouros para beija-flores.

Algumas plantas ‘convidam’ lindas borboletas para seu jardim, como milefólio, lavanda, hortelã silvestre, alecrim, tomilho, verbena, petúnia e outras. Deixe em seu jardim uma área levemente selvagem, sem grama, os seres elementais gostam disso. Convide fadas e elfos para viverem lá.

Como Eu sempre falo as Bruxas são pessoas mas do que especial, são pessoas que tem um coração grande, que fala com plantas, que corre com os bichos, que sabe que sua melhor amiga é a lua, dança com os ventos e se banha com a chuva.

A magia das Bruxas é coisa tão natural quanto o ar que se respira, e o universo inteiro, dentro e fora de nós, faz vibrar constantemente o seu misterioso poder mágico. A natureza é mágica, e a mulher e o homem, seres que sintetizam todo o microcosmo natural, são também reservatórios do poder mágico.

SOU BRUXA, SACERDOTISA E POR QUE NÃO CURANDEIRA, SOU DA BRUXARIA TRADICIONAL.



Selma – 3fasesdalua


quarta-feira, 1 de março de 2017

Hécate, a deusa dos caminhos

Resultado de imagem para Hécate, a deusa dos caminhos EM GIFS


HÉCATE NA BRUXARIA TRADICIONAL

Hécate, a misteriosa Deusa das Trevas e protetora de todos os Bruxos, é a personificação da lua e do lado escuro do princípio feminino. Seu nome é grego e significa "aquela que tem êxito de longe", o que a liga a Diana (Artemis), a virgem caçadora da lua.

Hécate era uma divindade nocturna, da vida e da morte. Era chamada de “A Mais Amável”, “Rainha do Mundo dos Espíritos”, “Deusa da Bruxaria”.
Era a mais antiga forma grega da Deusa Tríplice, que controlava o Paraíso, o Submundo e a Terra.

É uma Deusa tricéfala grega, Deusa da Lua Minguante, guardiã das encruzilhadas, senhora dos mortos e rainha da noite. Ela era homenageada com procissões em que se carregavam tochas e oferendas para as conhecidas "ceias de Hécate".
É conhecida como uma Deusa "escura" por seu poder de afastar os espíritos maléficos, encaminhar as almas e usar sua magia para a regeneração. Invocava-se a sua ajuda em seu dia (13 de Agosto) para afastar as tempestades que poderiam prejudicar as colheitas.

Especialmente para os trácios, Hécate era a Deusa da Lua, das horas de escuridão e do submundo. Parteiras eram ligadas a ela. Era conhecida entre as Amazonas como a Deusa da Lua Nova, uma das três faces da Lua e regente do Submundo.
A lenda não é clara quanto à sua origem. Alguns mitos dizem que Hécate era filha dos titãs Tártaros e Noite; outras versões dizem ser de Perseus e Astéria (Noite-Estrelada), ou de Zeus e Hera. Sabemos que seu culto não se originou na Grécia. Lendas de Hécate eram contadas por todo o Mediterrâneo.

No início, Hécate não era uma Deusa ruim. Após a queda do matriarcado, os gregos a cultuavam como uma das rainhas do Submundo e governante da encruzilhada de três caminhos.

Um de seus animais sagrados era a rã, um símbolo da concepção. Era chamada de A Deusa das Transformações, pois regia várias passagens da vida, e podia alterar formas e idades. Outro animal sagrado era o cão.

Hécate era considerada como o terceiro aspecto da Lua, a Megera ou a Anciã (Portadora da Sabedoria). Os gregos chamavam-na de A Megera dos Mortos. Aliada de Zeus, ela era acompanhada por uma matilha de lobos.

Como aspecto da deusa Amazona, a carruagem de Hécate era puxada por dragões. Outros de seus símbolos eram a chave e o caldeirão. As mulheres que a cultuavam normalmente tingiam as palmas de suas mãos e as solas dos pés com hena. Seus festivais aconteciam durante a noite, à luz de tochas. Anualmente, na ilha de Aegina no golfo Sarônico, acontecia um misterioso festival em sua honra.

Essa era uma Deusa caçadora que sabia de seu papel no reino dos espíritos; todas as forças secretas da Natureza estavam sob o seu controle. Os gregos e trácios diziam que ela controlava o nascimento, a vida e a morte.

Hécate era considerada a patrona das sacerdotisas, Deusa das feiticeiras. Estava associada à cura, profecias, visões, magia, Lua Minguante, encantamentos, vingança, livrar-se do mal, riqueza, vitória, sabedoria, transformação, purificação, escolhas, renovação e regeneração.

Como Senhora da Caçada Selvagem e da feitiçaria, Hécate era a princípio uma divindade das mulheres, tanto para cultuar como para pedir auxílio, e também para temer caso alguém não estivesse com sua vida espiritual em ordem.

Resultado de imagem para Hécate, a deusa dos caminhos EM GIFS

HÉCATE NA MITOLOGIA GREGA

Hécate, também chamada de Perséia, era filha dos titãs Astéria - a noite estrelada e Perses - o deus da luxúria e da destruição, mas foi criada por Perséfone - a rainha dos infernos, onde ela vivia. Antes Hécate morava no Olimpo, mas despertou a ira de sua mãe quando roubou-lhe um pote de carmim. Ela fugiu para a terra e tornando-se impura foi levada às trevas para ser purificada. Vivendo no Hades, ela passou a presidir as cerimônias e rituais de purificação e expiação. Hécate em grego significa "a distante".

Tinha características diferentes dos outros deuses mas Zeus atribuiu-lhe prestígio. Após a vitória dos deuses olímpicos contra os titãs, a titânomaquia, Zeus, Poseidon e Hades partilharam entre sí o universo. A Zeus coube o céu e a terra, a Poseidon coube os oceanos e Hades recebeu o mundo das trevas e dos mortos. Hécate manteve os seus domínios sobre a terra, os céus, os mares e sobre o submundo, continuando a ser honrada pelos deuses que a respeitavam e mantiveram seu poder sobre o mundo e o submundo.

Ela é representada ora com três corpos ora com um corpo e três cabeças, levando sobre a testa uma tiara com a crescente lunar, uma ou duas tochas nas mãos e serpentes enroladas em seu pescoço. Suas três faces simbolizam a virgem, a mãe e a velha senhora. Tendo o poder de olhar para três direções ao mesmo tempo, ela podia ver o destino, o passado que interferia no presente e que poderia prejudicar o futuro. As três faces passaram a simbolizar seu poder sobre o mundo subterrâneo, ajudando à deusa Perséfone a julgar os mortos.

Para os romanos era considerada Trívia - a deusa das encruzilhadas. Associada ao cipreste, Hécate se fazia acompanhar de seus cães, lobos e ovelhas negras. Por sua relação com os encantamentos, feitiços e a obscuridade, os magos e bruxas da antiga Grécia lhe faziam oferendas com cães e cordeiros negros no final de cada lua nova. Também combateu Hércules quando ele tentou enfrentar Cérbero, o cão guardião do inferno com três cabeças que sempre lhe acompanhava.

O tríplice poder de Hécate se estendia do inferno, à terra e ao mar. Ela rondava a terra nas noites da lua nova e no mar tinha seus casos de amor. Considerada uma divindade tripla: lunar, infernal e marinha, os marinheiros consideravam-na sua deusa titular e pediam-lhe que lhes assegurasse boas travessias. O próprio Zeus lhe deu o poder de conceder ou negar qualquer desejo aos mortais e aos imortais. Foi Hécate quem ajudou Deméter quando ela peregrinou pelo mundo em busca de sua filha Perséfone.

Quando Perséfone, a amada filha de Deméter foi raptada por Hades - o senhor do submundo - quando colhia flores, sua mãe perambulou em desespero por toda a Terra. Senhora dos cereais e alimento, a grande mãe Deméter mortificada pela tristeza, privou todos os seres de alimento. Nada nascia na terra e Hécate, sendo sábia e observando o que acontecia, contou a Deméter o que havia sucedido a Perséfone.

Zeus decidiu interferir e ordenou que Perséfone regressasse para junto de sua mãe, desde que não tivesse ingerido nenhum alimento nos infernos. Porém, antes de retornar, Perséfone comeu algumas sementes de romã, o fruto associado às travessias do espírito. Assim ele podia passar duas partes do ano na superficie junto da Mãe, era quando a terra florescia. Mas Perséfone devia retornar para junto de Hades uma parte, era quando a terra cessava de florescer.

Hécate espalhava sua benevolência para os homens, concedendo graças a quem as pedia. Dava prosperidade material, o dom da eloquência na política, a vitória nas batalhas e nos jogos. Proporcionava peixe abundante aos pescadores e fazia prosperar ou definhar o gado. Seus privilégios se estendiam a todos os campos e era invocada como a deusa que nutria a juventude, protetora das crianças, enfermeira e curandeira de jovens e mulheres.

Acreditava-se que ela aparecia nas noites de Lua Nova com sua horrível matilha diante dos viajantes que cruzavam as estradas. Ela era considerada a deusa da magia e da noite em suas vertentes mais terríveis e obscuras. Com seu poder de encantamento, também enviava os terrores noturnos e espectros para atormentar os mortais. Frequentava as encruzilhadas, os cemitérios e locais de crimes e orgias, tornando-se assim a senhora dos ritos e da magia negra. Senhora dos portões entre o mundo dos vivos e o mundo subterrâneo das sombras, Hécate é a condutora de almas e as Lâmpades, ninfas do Subterrâneo, são suas companheiras.

Com Eetes, Hécate gerou a feiticeira Circe - a Deusa da noite que se tornou uma famosa feiticeira com imenso poder da alquimía. Segundo a lenda, a filha de Hécate elaborava venenos, poções mágicas e podia transformar os homens em animais. Vivendo em um palácio cheio de artifícios na Ilha Ea ou Eana, no litoral da Italia, Circe se tornou a deusa da Lua Nova ou Lua Negra, sendo relacionada à morte horrenda, à feitiçaria, maldições, vinganças, sonhos precognitivos, magia negra e aos encantamentos que ela preparava em seus grandes caldeirões.

Resultado de imagem para Hécate, a deusa dos caminhos EM GIFS

NOTA

Descendente dos Titãs, Hécate não tem um mito próprio e foi uma das divindades mais ignoradas da mitologia grega, mencionada apenas em outros mitos, tal como o mito de Perséfone e Deméter. Hécate é Deusa dos caminhos e seu poder de olhar para três direções ao mesmo tempo sugere que algo no passado pode interferir no presente e prejudicar planos futuros.

A Deusa grega nos lembra da importância da mudança, ajudando-nos a libertar do passado, especialmente do que atrapalha nosso crescimento e evolução, para aceitar as mudanças e transições. Às vezes ela nos pede para deixar o que é familiar e seguro para viajarmos para os lugares assustadores da alma. Novos começos, seja espiritual ou mundano, nem sempre são fáceis mas Hécate está lá para apoiar e mostrar o caminho.

Ela empresta sua clarividência para vermos o que está profundamente esquecido ou até mesmo escondido de nós mesmos, ajudando a encontrarmos e escolhermos um caminho na vida. Com suas tochas, ela nos guia e pode nos levar a ver as coisas de forma diferente, inclusive vermos a nós mesmos, ajudando-nos a encontrar uma maior compreensão de nós mesmos e dos outros.

Hécate nos ensina a sermos justos e tolerantes com aqueles que são diferentes e com aqueles que tem menos sorte, mas ela não é demasiadamente vulnerável, pois Hecate dispensa justiça cega e de forma igual. Apesar de seu nome significar "a distante", Hécate está presente nos momentos de necessidade. Quando liberamos o passado e o que nos é familiar, Hécate nos ajuda a encontrar um novo caminho através de novos começos, apesar da confusão das ideias, da flutuação dos nossos humores e às incertezas quando enfrentamos as inevitáveis mudanças de vida.

A poderosa deusa possuia todos aspectos e qualidades femininos, tendo sob seu controle as forças secretas da natureza. Considerada a patrona das sacerdotisas, deusa das feiticeiras e senhora das encruzilhadas, Hécate transita pelos três reinos, a todos conhece mas nenhum domina. Os três reinos são posses de figuras masculinas, mas ela está além da posse ou do ego, ela é a sábia, a anciã. A senhora do visível e do invisível, aguarda na encruzilhada e observa: o passado, o presente e o futuro. Ela não se precipita, aguarda o tempo que for preciso até uma direção ser tomada. Ela não escolhe a direção, nós escolhemos. Ela oferece apenas a sua sabedoria e profunda visão, acima das ilusões.

Os gregos sempre viam Hécate como uma jovem donzela. Acompanhada frequentemente em suas viagens por uma coruja, símbolo da sabedoria, a ela se atribuia a invenção da magia e da feitiçaria, tendo sido incorporada à família das deusas feiticeiras. Dizia-se que Medéia seria a sacerdotisa de Hécate. Ela praticava a bruxaria para manipular com destreza ervas mágicas, venenos e ainda para poder deter o curso dos rios e comprovar as trajetórias da lua e das estrelas.

Como deusa dos encantamentos, acreditava-se que Hécate vagava à noite pela Terra, sempre acompanhada por seu espíritos e fantasmas. Suas lendas contam que ela passava pela Terra ao pôr do Sol, para recolher os mortos daquele dia. Como feiticeira, não podia ser vista e sua presença era anunciada apenas pelos latidos dos cães. Na verdade, as imagens horrendas e chocantes são projeções dos medos inconscientes masculinos perante os poderes da deusa, protetora da independência feminina, defensora contra a violência e opressão das mulheres, regente dos seus rituais de proteção, transformação e afirmação.

Em função dessas memórias de repressão e dos medos impregnados no inconsciente coletivo, o contato com a deusa escura pode ser atemorizador por acessar a programação negativa que associa escuridão com mal, perigo, morte. Para resgatar as qualidades regeneradoras, fortalecedoras e curadoras de Hécate precisamos reconhecer que as imagens distorcidas não são reais nem verdadeiras. Elas foram incutidas pela proibição de mergulhar no nosso inconsciente, descobrir e usar nosso verdadeiro poder.

Para receber seus dons visionários, criativos ou proféticos, precisamos mergulhar nas profundezas do nosso mundo interior, encarar o reflexo da deusa escura dentro de nós, honrando seu poder e lhe entregando a guarda do nosso inconsciente. Ao reconhecermos e integrarmos sua presença em nós, ela irá nos guiar. Porém, devemos sacrificar ou deixar morrer o velho, encarar e superar medos e limitações. Somente assim poderemos flutuar sobre as escuras e revoltas águas dos nossos conflitos e lembranças dolorosas e emergir para o novo.

A conexão com Hécate representa um valioso meio para acessar a intuição e o conhecimento, aceitar a passagem inexorável do tempo e transmutar nossos medos perante o envelhecimento e a morte. Hécate nos ensina que o caminho que leva à visão sagrada e que inspira a renovação passa pela escuridão, o desapego e transmutação. Ela detém a chave que abre a porta dos mistérios e do lado oculto da psique. Sua tocha ilumina tanto as riquezas, quanto os terrores do inconsciente, que precisam ser reconhecidos e transmutados. Ela nos conduz pela escuridão e nos revela o caminho da renovação.

As Moiras teciam, mediam e cortavam o fio da vida dos mortais, mas Hécate podia intervir nos fios do destino. Muitas vezes foi representada com uma foice ou punhal para cortar as ligações com o mundo dos vivos. O cipreste está associado à imortalidade, intemporalidade e eterna juventude. Sendo a morte encarada como passagem transformadora e não o fim assustador e definitivo, essa significação tem origem na própria terra que dá vida, dá a morte e transforma os frutos em novas sementes que irão renascer.

Selma - 3fasesdalua


Deméter




A Deusa Deméter ou Ceres, soberana da natureza e protetora das criaturas jovens e indefesas, era a responsável pelo amadurecimento anual do grão e ao final do verão todos lhe agradeciam pela fatura. Ela regia os ciclos da natureza e de todas as coisas vivas, usando suas múltiplas cores. Presidia a gestação, o nascimento e abençoava os ritos do matrimônio como perpetuação da natureza. Deméter é a deusa matriarcal, que ensinou aos homens as artes de arar, plantar e colher, e ensinou às mulheres a arte de fazer o pão.

Deméter vivia em harmonia com sua filha Perséfone, que gostava de passear pelos campos. Mas um dia Perséfone saiu e não retornou. Depois de muitos anos de busca, Deméter descobriu que Hades, o senhor das trevas, havia raptado sua filha e a tinha levado ao mundo subterrãneo. Enfurecida Deméter ordenou que a terra secasse e recusou a devolver a abundância.

Embora sua filha Perséfone tenha se tornado a rainha das trevas e era bem tratada por Hades, Deméter não se conformava e queria a filha de volta. Hermes, o mensageiro dos deuses, foi incumbido de intervir para resolver a questão e fizeram um acordo. Durante nove meses do ano Perséfone viveria com sua mãe mas durante três meses deveria retornar para o marido.

Embora mantivesse o acordo, Deméter nunca se conformou. Em todos os anos, durante a ausência da filha, Deméter chorava e se lamentava; a terra se tornava fria, as folhas caiam e nada produzia, dando origem ao inverno. Mas logo quando a filha retornava, Demeter fazia florescer as flores, iniciando a primavera.

Deméter reflete a experiência da maternidade que não está restrita à gestação, nascimento e aleitamento mas também à descoberta do corpo como algo precioso e que merece cuidados e atenção. É a conscientização de sermos parte da natureza, de estarmos ligados à vida natural e apreciar os prazeres da vida diária. Se não temos Deméter dentro de nós não podemos gerar, dar frutos, pois esse é o aspecto que nos faz ter paciência para esperar que as coisas amadureçam e assim podemos agir. É saber respeitar os limites da realidade.

Deméter é sábia e sua sabedoria vem da natureza que se movimenta em ciclos e sabe que deve esperar pois tudo amadurece na hora certa. No entanto, Deméter mostra seu lado sombrio, apático e enlutada que não consegue abrir mão do que julga possuir e se rebela contra qualquer invasão ao seu mundo harmônico. Então quando ocorre alguma intromissão, ela se torna rancorosa e magoada, mesmo sabendo que a vida é cheia de separações e mudanças.

FONTE: LENDAS DA MITOLOGIA GREGA

Narciso, a paixão por si mesmo

Imagem relacionada

Narciso, um jovem de extrema beleza, era filho do deus-rio Cephisus e da ninfa Liriope. No entanto, apesar de atrair e despertar cobiça nas ninfas e donzelas, Narciso preferia viver só, pois não havia encontrado ninguém que julgasse merecer seu amor. E foi o seu desprezo pelos outros que o derrotou.

Quando Narciso nasceu, sua mãe consultou o adivinho Tirésias que lhe predisse que Narciso viveria muitos anos desde que nunca conhecesse a si mesmo. Narciso cresceu tornando-se cada vez mais belo e todas as moças e ninfas queriam seu amor, mas ele desprezava a todas. Certo dia, enquanto Narciso descansava sob as sombras do bosque, a ninfa Eco se apaixonou por ele. Porém tendo-a rejeitado, as ninfas jogaram-lhe uma maldição: - Que Narciso ame com a mesma intensidade, sem poder possuir a pessoa amada. Nêmesis, a divindade punidora, escutou e atendeu ao pedido.

Naquela região havia uma fonte límpida de águas cristalinas da qual ninguém havia se aproximado. Ao se inclinar para beber água da fonte, Narciso viu sua própria imagem refletida e encantou-se com sua visão. Fascinado, Narciso ficou a contemplar o lindo rosto, com aqueles belos olhos e a beleza dos lábios, apaixonou-se pela imagem sem saber que era a sua própria imagem refletida no espelho das águas.

Por várias vezes Narciso tentou alcançar aquela imagem dentro da água mas inutilmente; não conseguia reter com um abraço aquele ser encantador. Esgotado, Narciso deitou na relva e aos poucos seu corpo foi desaparecendo. No seu lugar, surgiu uma flor amarela com pétalas brancas no centro que passou a se chamar, Narciso.

Imagem relacionada

Na cultura grega e em muitas outras, tudo o que excedia e estivesse acima dos limites e da medida (métron) acabava se transformando em algo assustador porque poderia levar à hybris, que é descomendimento e desequilibrio. O excesso de beleza não era bem aceito pois somente aos deuses era permitido o exagero, e a excessiva beleza de Narciso desafiava a supremacia dos deuses.

O mito de narciso parece uma triste história infantil para ensinar às crianças a não serem egoistas, que pensem nos outros, que não sejam presunçosas, porém encerra uma verdade profunda e atual. Os mitos não são tolos, e por mais que tentássemos dizer que sabemos a moral da história, o mito de Narciso está presente em todos nós.

Narciso foi transformado numa flor e a ela são creditadas propriedades entorpecentes devido a substâncias químicas que exalam. Os Narcisos plantados nos tumulos simbolizavam a morte apenas como um sono, que floresceria na primavera. O narcisismo, que tem o seu nome derivado de Narciso, ambos derivam da palavra grega narke, entorpecido, de onde também vem a palavra narcótico. Assim, para os gregos, Narciso simbolizava a vaidade e a insensibilidade, pois Narciso era emocionalmente entorpecido às solicitações daqueles que se apaixonaram pela sua beleza.

O mito de Narciso leva ao tema da transitoriedade da beleza e dos laços que unem o narcisismo à inveja e à morte. O dilema do narcisismo é resumido naquele que está condenado a permanecer prisioneiro do mundo das sombras, do seu amor por si mesmo ou libertar-se através do autoconhecimento e da capacidade de conhecer os outros, mas o preço é a morte simbólica do ego, para que possa nascer novamente para um novo Eu superior, profundo e sagrado, que em si oculta.

Narciso morre porque olha só para si mesmo, esse é o perigo de quem dedica toda vida a satisfazer necessidades que não atendem ao verdadeiro anseio humano de se realizar. Eco morre porque só olha narciso, esse é o perigo de projetar no outro a nossa razão de viver. Narciso simboliza a capacidade de olharmos para nós mesmos; Eco simboliza a capacidade de olhar o outro. É o olhar em si que encontra o outro; é o olhar no outro que encontra a si mesmo.

Embora o narcisista pense apenas em si, nunca poderá conhecer a si mesmo se não tiver uma posição exterior para se ver como realmente é. Narciso é incapaz de ver o efeito que provoca nos outros; sabe que atrai aduladores e admiradores e Eco transforma-se no espelho do negligente Narciso. Ele se julga intocável; ela alimenta o desejo de estar em seus braços.

Eco é a repetição das ideias conhecidas sempre hostil ao novo. Ao se apaixonar por Narciso, Eco repetiu... repetiu... e foi perdendo força, impedida de viver e amar. Eco se refugiou nas grutas, assim como a mente que teima em repetir perdendo quotas do que é novo em suas vidas. O presente é a única instância onde a vida se processa; o futuro ainda não existe e o passado é repetição, um eco. O presente é a medida do novo e trazer Eco para o presente é fazê-lo mais velho, embora ainda pareça novo.

Imagem relacionada

Com seu egoismo implacável, Narciso pensa só em sí próprio e Eco só pensa em Narciso, então sua autoestima permanece frágil até a morte. Ele não se identifica com os outros e assim transforma as vozes na sua propria voz; ela não tem voz própria, está condenada à repetição da imitação. Enquanto ela agarra-se ao objeto amado, ele mantem-se à distancia. Tirésias sabia que para sobrevivermos temos de superar o narcisismo, pois temos de aceitar que somos transitórios e mortais, e só assim seremos capazes de nos transformar, nossa auto estima estará segura e teremos a beleza interior.

Quando Narciso vê o próprio reflexo, nos remete a "reflectere", de "re" novamente e "flectere" curvar-se, ou seja, um retorno que se faz curvando para o passado. Reflexão não é apenas um ato de pensar, mas é uma atitude de deter-se para procurar lembrar-se de algo que já foi visto antes e confrontar com o presente. Reflexos e sombras nos espelham de alguma maneira. Alguns povos ainda hoje não admitem que sua imagem seja refletida em água, espelho e fotografia; diz-se que a alma poderia ficar retida no reflexo permanecendo disponível às forças do mal.

A sombra representa o que não conhecemos de nós mesmos mas que podemos ainda conhecer, tal como as nossas potencialidades que ainda não desenvolvemos. Também faz parte da nossa sombra o que mais detestamos em nós mesmos, e por isso tentamos esquecer ou reprimir de alguma forma. Para negar o que não gostamos em nós mesmos, projetamos nos outros. Quando refletimos no Narciso que vive em nós, nos confrontamos com algo sombrio, o medo da sombra, do diferente, do desconhecido, do que nos incomoda e que não queremos ver no outro.

Nos sentimos mais confortáveis quando somos admirados e reconhecidos, e precisamos disso para saber o nosso valor, de que somos importantes para alguém. Assim continuamos procurando e nos apaixonando por nossos reflexos, por nossos semelhantes e iguais, enquanto tentamos afastar todos aqueles que que não tem a nossa cor, os nossos costumes, nossa raça, nosso nivel cultural ou poder economico, e convicções politicas e religiosas. E enquanto vamos em busca dos nossos reflexos, ampliamos mais nossa sombra, entorpecemos nossos sentidos.

Para evoluir temos de refletir, aprendendo a lidar com as diferenças e conflitos. Como num espelho, ao interargimos com o outro nos colocamos no lugar dele, sem perder nossa referencia. E o que mais nos fascina é a nossa imagem irreal, aquela que fazemos de nós mesmos. A pessoa fascinada parece estar em transe; o narcisista quer congelar a juventude e exorcizar a velhice. Idolatra o prazer e vive no espirito do encanto e da sedução.

O mito de Narciso pode servir de metáfora para muitos de nós, quando não conseguimos nos olhar com imparcialidade, e o nosso trabalho interior se torna um meio de projetar a vaidade humana na cantiga do eu sozinho: eu faço, eu sou, eu quero, eu posso. Narciso morreu embriagado pela propria beleza e encantamento, e os deuses o transformaram numa flor. A lição do mito é que o conhecimento só vinga se houver autoconhecimento, de potencialidades ou limitações, compartilhando o que sabe, eliminando vaidades que impede de aproveitar talentos e somá-los ao conhecimento dos demais. E assim escrever uma história de vida que reflita valores éticos, morais espirituais.

O conhecimento mal direcionado só alimenta o individualismo e a necessidade da ribalta. Quando nos deixamos levar pela excessiva vaidade e orgulho, tornamo-nos refens de nossa auto imagem. Magnetizado por ela, passamos a usar nossa luz de forma mesquinha e presos nessa miragem, perdemos a capacidade de irradiar nossa luz, afastando-nos da essencia, entusiasmamos pelo palco, pelo aplauso e pelo falso elogio. Somente a dura lição de cronos, o tempo, mostra-nos a verdade, muitas vezes, tardiamente.

Se Narciso se encontra com outro Narciso e um deles finge que ao outro admira, para sentir-se admirado, o outro pela mesma razão finge também e ambos acreditam na mentira. Para Narciso o olhar do outro, a voz do outro, o corpo é sempre o espelho em que ele a própria imagem mira. E se o outro é como ele outro Narciso, é espelho contra espelho: o olhar que mira reflete o que o admira num jogo multiplicado em que a mentira de Narciso a Narciso inventa o paraíso.

E se amam mentindo no fingimento que é necessidade e assim mais verdadeiro que a verdade. Mas exige o amor fingido, ser sincero o amor que como ele é fingimento. E fingem mais os dois com o mesmo esmero com mais e mais cuidado - e a mentira se torna desespero. Assim amam-se agora se odiando. O espelho embaçado, já que Narciso em Narciso não se mira: se torturam, se ferem, não se largam, que o inferno de Narciso, é ver que o admiravam de mentira...

FONTE: ESTUDO DA MITOLOGIA GREGA

PÃ, O DEUS DA FLORESTA

mitologia-grega-pa

Pã, antiga divindade, era o guardião dos rebanhos e tinha por missão fazê-los multiplicar. Deus dos bosques e dos pastos, protetor dos pastores, veio ao mundo com chifres e pernas de bode. Filho de Dríope, uma das Plêiades, e de Hermes, o mensageiro dos deuses, sendo considerado o deus intermediário, era natural que estabelecesse a transição entre os deuses de forma humana e os de forma animal.

Contudo Pã foi abandonado por sua mãe no nascimento, assustadíssima com sua esquisita conformação, com pés de bode e chifres na testa e barba espessa. Quando Hermes levou o filho ao templo, todos do Olimpo ridicularizaram a criança. Em vista disto, Hermes pediu que a criança nunca o chamasse de pai.

Era temido por todos aqueles que necessitavam atravessar as florestas à noite, pois as trevas e a solidão da travessia provocava pavores súbitos, desprovidos de qualquer causa aparente e que eram atribuídos a Pã; daí o nome pânico. Os latinos chamavam-no também de Fauno e Silvano.

As ninfas zombavam incessantemente de Pã em virtude do seu rosto repulsivo, ele tomou a decisão de nunca amar. Porém um dia desejando lutar corpo a corpo com Eros, foi vencido e abatido diante das ninfas que riam. Percorrendo os bosques encontrou a ninfa Syrinx que jamais quisera receber homenagens das divindades e só tinha uma paixão: a caça. Aproximou-se dela e, como nos costumes campestres, lhe cortejou. Porém Syrinx, pouco sensível às declarações de amor saiu correndo e vendo-se detida, rogou ajuda às suas irmãs ninfas.

Quando Pã quis abraçá-la, ela foi transformada em caniços. Suspirando sobre os caniços agitados, Pã ouviu um som e criou a flauta syrinx. O Cupido lhe anunciou que os sons amorosos da flauta atrairia, apesar de sua aparência grotesta, as belezas que o desdenhavam. Com efeito, em breve, os melodiosos acordes fatrairam de toda parte as ninfas que vinham dançar em volta do deus chifrudo. A ninfa Pítis mostrava-se tão enternecida, que Pã renascia com a esperança, crendo que o seu talento faria com que fosse esquecido o rosto.

Sempre tocando a flauta de sete tubos, começou a procurar lugares solitários e percebeu, finalmente, um rochedo escarpado no alto do qual resolveu sentar-se. Pítis segue-o e para melhor ouvi-lo, aproxima-se cada vez mais. Pã vendo-a tão perto, julga o momento oportuno para lhe falar. Pítis era amada por Bóreas, o terrível vento do norte, que naquele instante soprava com grande violência. Vendo a amada, teve um acesso de ciúme e não se contendo, soprou com tal impetuosidade que a ninfa caiu no precipício. Imediatamente o corpo de Pitis foi transformado em pinheiro. Pitis em grego significa pinheiro, consagrada a Pã. Por esse mesmo motivo, nas representações figuradas, a cabeça de Pã está coroada de ramos de pinheiro.

Mas o destino de Pã era amar sem que nunca conseguir se unir à criatura amada. Continuando a fazer música na montanha, ouviu no fundo do vale uma terna voz que parecia repetir-lhe os acordes. Era a voz da ninfa Eco, filha do Ar e da Terra. Embora a seguisse e ela respondesse, ele nunca conseguia alcança-la. Assim Pã residia em grutas e vagava pelos vales e pelas montanhas, caçando ou dançando com as ninfas, trazendo sempre consigo uma flauta.

Pã estava com outros deuses e surgiu Tífon, inimigo dos deuses. O medo transformou cada um dos deuses em animais e Pã assustado, mergulhou num rio e disfarçou assim metade de seu corpo, sobrando apenas a cabeça e a parte superior do corpo, que se assemelhava a uma cabra. Zeus considerou uma estratégia muito esperta e, como homenagem, transformou Pã na constelação de Capricórnio.

FONTE: MITOLOGIA CELTA

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

SELMA UMA BRUXA DA BRUXARIA TRADICIONAL


Na Bruxaria Tradicional aprendemos que o conhecimento da Arte não é sobre ganhar o poder. É sobre saber como usar o poder que você já tem, pois sabemos que as Bruxas Tradicionais têm como aprendizado os seus sentidos apurados, pois estamos em sintonia com a natureza, pois somos filhas da Deusa e do Deus, giramos com os elementos, na espiral da vida.

Ser Bruxa da Bruxaria Tradicional é buscar constantemente harmonizar-se com a infinita sabedoria da natureza, onde se aprende diariamente através da linguagem da Terra, do Céu e do Mar, além das folhas das árvores.

Nossa doutrina está sempre presente junto a nós, pois somos treinadas para estarmos em comunhão para respeitarmos todas as leis da natureza, em perfeito amor e perfeita confiança, pois assim estaremos levando para dentro de nós mesmas essas palavras de luz far-se-ão cumprir, para que não faças mal a ninguém, e ninguém faça mal à ti, pois toda Bruxa Tradicional da Velha Arte sabe que somos de onde o vento nos levar. Nós quatro cantos do mundo sempre vamos estar pois somente levamos para o amanhã, o que lhe nos faz bem hoje. Não criamos raízes nas coisas que não precisam ser eternas.

Temos que entender que não precisamos de tolerâncias porque existimos, ou por nossas crenças, mas sim, exigimos RESPEITO, pois a Lealdade das Bruxas Tradicionais é a melhor garantia de credibilidade a ética pessoal, e ao comprometimento com a Deusa Mãe.



Entendemos que não há no Mundo exagero mais Belo que a Gratidão e somente com o tempo nós vamos entender que a sabedoria se aprende quando conseguimos passar adiante o que aprendemos, pois somente assim conseguiremos acrescentar valor à vida de outros.

Eu tenho ciência que todos carregamos erros e acertos, alegrias e tristezas...
Não entendo seres destinados a degradação de outras pessoas, como se isso fosse mudar algo na sua vida, pois aprendi com as minhas irmãs mais velhas que colhemos apenas o que plantamos, e nossas ações, essas são as essenciais de fato e que nos determinarão o futuro e evolução.

A Magia faz parte de mim, está dentro de mim, no meu coração, Sou Bruxa não por escolha, nasci assim, está no meu sangue Eu sou da terra, do fogo, da água e do ar. Sou de antes e de agora. Sou flor e espinho. Sou a água e o vinho. A terra é meu lar, o céu é meu teto e a Bruxaria Tradicional é minha religião. A liberdade é minha melhor amiga. Assim Eu sou Bruxa da Bruxaria Tradicional.


Como sempre escrevo o bom de ser Bruxa é que não precisamos estampar quem somos... Os Deuses nos reconhecem em nossos pequenos detalhes, até mesmo por Sabermos que um dia vamos morrer! Mas nos outros dias não! Por isto VIVA Não desista! Viva, pois o importante é a caminhada. 

As Bruxas da Bruxaria Tradicional anda pelo mundo observando. Ela não pertence a tribos, clubes, grupos. Ela passa por eles, mas não pertence. Ela pertence a si mesma, a Bruxa Tradicional vive sua natureza Divina, assim sua humildade lhe confere autoridade pela sabedoria e Tradições. Nós Bruxas Tradicionais vivemos todas sob o mesmo céu, mas nem todas, temos o mesmo horizonte, Ignore o passado imperfeito, ignore o presente cheio de defeitos, pense, crie um amanhã do seu jeito. Siga sua felicidade, e o universo vai abrir portas para você onde só havia paredes. Como Eu sempre falo “A verdadeira missão da minha alma é servir de ponte para unir: Passado, presente e futuro, através do instrumento maior e mais complexo da humanidade: O AMOR”


Selma - 3FASESDALUA


A COZINHA DA BRUXA


As bruxas não diziam realmente o que usavam em seus “cozidos”, fervidos ou poções, para isso “codificavam” com outras palavras que faziam com que as pessoas se assustassem, se chocassem, e ficassem até enojadas dos “ ingredientes” utilizados, que nada mais eram que o que todo mundo usa no preparo de diversos pratos. Até os dias atuais as bruxas acreditam no poder de cozinhar como verdadeira alquimia, onde muito além dos ingredientes de uma receita que se vai preparar entram as intenções, a energia, orações para determinado fim e a forma como se mexe( sentido horário ou anti horário),Cozinhar em panela de barro atrai abundância financeira e saúde, a de vidro é apropriada para conquistas amorosas e a de ferro favorece os pedidos em geral e qualquer tipo de bruxaria. Nunca use colheres de alumínio, pois pode quebrar o feitiço. O importante é mentalizar o que desejamos enquanto preparamos os alimentos.… isso sim é a verdadeira magia. Ninguém realmente arranca olhos de sapos, nem asas de morcegos .
Magia da Consagração dos Alimentos

Como cozinhar e deixar os alimentos com uma energia boa e positiva, afinal você é o que você come…

Nunca cozinhe cansado(a) demais e muito menos nervoso(a). Avise aos “navegantes” para nunca assustar o(a) cozinheiro(a), o susto se transfere aos alimentos de forma negativa.

Faça uma imposição com as mãos sobre os alimentos que desejar energizar antes do preparo.



Na preparação ou cozimento dos alimentos, traçar um pantáculo com o dedo indicador dizendo:

“Assim como a água apaga o fogo,
A Luz sobrepuja as Trevas,
Para o mistério de uma só coisa.
O Poder do Alto através de mim,
E das Bruxas Ancestrais,
Protege este alimento e,
Todos que o consumirem
De todo o mal!
Assim eu digo, Assim se faça!”

Pronto, seus alimentos estarão consagrados e em perfeita harmonia.

Bom Apetite!

Vamos as traduções:

Asa de Morcego: Pimenta do reino
Asa De Morcego Moída: Pimenta Do Reino Moída
Barriga de Sapo: Pepino
Beijo Da Sereia: Sal
Besouros Secos: Lentilhas
Bolas De Sopro: Dente De Leão (flor)
Botões De Solteirão: Calêndula
Cabelo De Moça: Erva-Cidreira
Cabelo de duende : Chá Verde
Cauda De Raposa: Cavalinha
Chifres De Carneiro: Orquídea
Cifre De Rinoceronte: Nabo
Coração De Boi: Tomate
Dedos De Mortos: Orquídea
Dedos Sangrentos: Dedaleira (flor)
Dente de vampiro: Dentes de Alho
Elfos Negros: Chá Preto
Fibras De Coração De Dragão: Batata
Gordura De Criança Não Batizada: Toucinho De Porco
Lágrimas De Moça: Cebola
Língua De Serpente: Orquídea
Luar Do Arvoredo: Jasmim
Minhoca: Espaguete
Moscas Mortas: Uvas Passas
Nariz De Gnomo: Pimentão
Olho De Agamotto: Cravo Da Índia
Olho De Coruja: Pimenta Do Reino Inteira Sem Moer
Olho De Gato: Rabanete
Olho de Sapo: Azeitona
Ossos Moídos: Farinha De Trigo
Ovas De Sapo: Ervilha
Ovo de dinossauro: Ovo
Chifre De Dinossauro: Ovo
Patas De Urubu: Mandioca
Pêlos De Gato: Capim Cidreira
Pêlos De Unicórnio: Açúcar
Penas De Fênix: Louro
Pernas De Aranha: Alecrim
Pó De Asa De Morcego: Pimenta Do Reino
Pó De Cemitério: Pó De Patchouli
Poeira Doméstica: Farinha De Rosca
Rabo De Cavalo: Cavalinha
Rabo De Dragão: Gengibre Em Pó
Rabo De Escorpião: Salsa Ou Coentro
Raios De Sol: Fubá
Saliva De Dragão: Vinagre
Sangue De Dragão: Erva Homônima
Sangue De Moça Virgem: Vinho Tinto
Sêmen: Leite
Teia De Aranha: Algodão Doce
Terra De Túmulo: Chocolate em pó
Unhas Do Pé: Amêndoas

As bruxas também adoram um tempero natural já esses não costuma-se a troca de nomes , mais seus benefícios mágicos ,há esses sim elas não dizem;


Bora saber os temperos frescos :

As ervas aromáticas ajudam a reduzir a quantidade necessária de sal na comida, oferecendo diversas possibilidades de tempero para os mais variados tipos de alimentos. Saiba melhor sobre as suas propriedades e como utilizar cada uma delas:

Alecrim (Rosmarinum officinalis) tem sabor fresco e doce. Agrega aromas no preparo de carnes suínas, ovinas e caprinas; em batatas e manteigas aromatizadas. Seus raminhos são usados na decoração. Originário do mediterrâneo, o alecrim é símbolo da fertilidade e, na Idade Média, era usado para purificar o quarto de doentes. Como seu aroma é estimulante, os estudantes gregos usavam os ramos nos cabelos para alertar a memória durante os exames. O alecrim necessita de ambientes muito iluminados e de solo com granulação arenosa.

Endro ou Dill (Anethum graveolens) é usado em arroz, sopas, saladas e peixes na forma de folhas frescas ou de sementes. Nos países escandinavos, o endro tem a mesma importância que o orégano na culinária italiana. O endro é originário do Egito, mas foi amplamente usada pelos antigos romanos. Os gladiadores usavam a erva em sua alimentação para aumentar a força física. Na antiguidade os hebreus pagavam o dízimo religioso com o endro. O endro deve ser cultivado em local iluminado e não é recomendado ser plantado próxima à erva-doce.

Manjerona (Origanum majorana) é popular nas cozinhas grega e italiana. Usada no preparo de carnes, sopas, molhos de tomate e pizzas, e na aromatização de óleos e vinagres. Batatas, pratos com queijo e omeletes ganham um toque especial com esta erva. Uma das ervas favoritas de Afrodite, a deusa do amor, a manjerona simboliza a felicidade. Por isso é conhecida como a erva do amor eterno e usada em enfeites por noivos e amantes. No plantio exige espaço para crescer, pelo menos 20 cm de espaçamento entre a manjerona e outras ervas.

Orégano (Origanum vulgare) tem sabor forte e aromático, o orégano combina bem com tomate fresco, molhos à base de tomate, omeletes, assados e pratos de queijo. A erva fresca dá aos pratos um sabor completamente diferente da versão desidratada, que tem seu amargor mais acentuado. Os gregos antigos usavam o orégano muito mais em receitas de óleos pós-banho do que na culinária. O orégano tem ciclo perene e porte rasteiro.

Sálvia (Salvia officinalis) tem folhas aveludadas, sabor delicado e aroma de cânfora, a sálvia é muita usada nas cozinhas alemã e escandinava no preparo de salsichas e carnes ricas em gordura. Nas outras cozinhas, a erva dá um toque especial a pães, molhos, carne bovina e suína, aves, peixes, carneiro e caças, quebrando o sabor adocicado de algumas carnes. A sálvia possui grande capacidade terapêutica, daí o nome recebido (salvare, que significa salvar) e o ditado: “Quem pode adoecer quando possui um pé de sálvia plantado na horta?”. Na culinária, _use_ a erva com moderação, para que o prato não fique com um sabor amargo.

Tomilho (Thymus vulgaris) combina com ensopados, marinadas e molhos à base de vinho. É parte essencial do famoso “Herbes de Provence”, tempero francês com várias ervas. Na Grécia antiga, o tomilho era usado para estimular os guerreiros, dando-lhes coragem antes das batalhas. No antigo Egito, a erva era usada no processo de embalsamamento dos corpos. O tomilho cresce bem em solo neutro ou levemente alcalino e em locais com bastante sol e pouca água. Pode ser usado nas bordas de canteiros de ervas como sálvia, alecrim, lavanda e segurelha.

Cebolinha (Allium schoenoprasum) tem nos caules, de cor verde-oliva, gosto mais brando que a cebola, sendo ideal para acompanhar saladas e sopas de tomate, recheio de batatas assadas e pratos com ovos.

Coentro (Coriandrum sativum) é uma erva de sabor marcante, muito usada nas cozinhas do Norte e do Nordeste brasileiros. Combina com pratos de frutos do mar e caldos de peixe, embora seja ingrediente essencial no molho curry, usado na cozinha indiana para dar sabor a frangos e carnes. Originário da África, o coentro ganhou esse nome devido ao aroma que os frutos verdes apresentam, muito parecido com o dos percevejos – ou koriandrum, em grego. Conta-se que as “bruxas” da Idade Média usavam a erva na fabricação de poções mágicas afrodisíacas. De ciclo anual, o coentro deve ser colhido pelas extremidades superiores, o que favorece a produção de folhas novas. Vai bem em ambiente com boa luminosidade e em solo de granulação média.

Hortelã (Mentha spp) é uma erva perfumada e aromática usada no preparo de chás, assados e grelhados. A hortelã é a base condimentar da cozinha árabe. Conta a mitologia grega que o deus Hades apaixonou-se pela ninfa Menta, mas sua mulher, Perséfone, sentiu-se traída e transformou a ninfa em uma planta, condenando-a a vegetar nas sombras das cavernas ou na entrada do reino dos mortos. A hortelã vinga em solo argiloso, com bastante água e em local com sombra e luz indireta. Na hora de consumir, colha as pontas em crescimento, estimulando os brotos laterais.


Estragão (Artemisia dracunculus) tem sabor acentuado e é excelente no preparo de vinagretes, saladas, peixes, omeletes e molhos, principalmente, Bearnaise, tártaro e holandês. O dracunculus (dragão, em latim) vem da semelhança que a raiz do estragão tem com o dragão. Acreditava-se que as plantas cujas raízes tinham esse formato podiam curar picadas de animais venenosos. Ninguém viveu para contar. O estragão deve atingir 40 cm de altura antes de ser colhido. Vai bem em solo muito adubado e em ambientes com muita luz.

Manjericão (Ocimum basilicum) pode ser usado para temperar saladas, massas, omeletes, sanduíches, e molhos de tomate. Acrescente as folhas delicadas do manjericão ao prato cozido, no último instante. Na Índia, de onde é originário, o manjericão, ou erva rainha, é uma planta quase sagrada. Os gregos a usavam em rituais religiosos. Quando o manjericão florir, corte o pendão floral para aumentar o vigor da planta e aumentar sua longevidade. Tem variedades: manjericão anão, manjericão gigante e manjericão roxo.

Salsinha (Petroselinum crispum) tem sabor suave e é muito usada na culinária das regiões sul e sudeste do país, em saladas, sopas, molhos e temperos em geral. Quando cozida, a salsinha destaca o sabor do prato principal. A versão crespa tem sabor semelhante ao da salsinha, mas é mais usada na decoração dos pratos. Originária da Europa, a salsinha era usada pelos gregos para coroar os vencedores de jogos e em tratamentos medicinais. Foram os romanos, no entanto, que a introduziram na culinária, oferecendo-a aos convidados para prevenir intoxicação. A salsinha pode crescer até 30 cm, desde que seja cultivada em solo fértil e em local com bastante luminosidade.

"Fines Herbes" é a expressão francesa utilizada para descrever uma mistura de ervas frescas, geralmente, composta de salsa, estragão, cebolinho e cerefólio. São finamente picadas e utilizadas nas omeletas.

Salsão (Aipium graveolens) é, também, conhecido como aipo, todas as suas partes podem ser utilizadas na cozinha. As folhas são ótimas para dar um sabor especial a sopas e molhos, os talos podem ser servidos crus, em saladas, ou cozidos junto com outros legumes, acompanhando pratos à base de carne. Servido como entrada, o salsão é um excelente alimento porque contém substâncias que estimulam a formação dos sucos gástricos, aumentando o apetite.

É muito bom expressar a sua gratidão pelos alimentos enquanto cozinha e põe a mesa.O ato de pôr a mesa também pode fazer parte do seu encantamento ou não,isso depende de você. Se quiser,pode acrescentar velas e flores à mesa,de acordo com as suas associações mágicas,e seguir algumas dicas: Sempre coloque o sal na mesa primeiro e remova-o por último,pois ele dá proteção. -Passe os pratos sempre no sentido horário,para que eles espalhem vibrações positivas. -Antes de iniciar a refeição,agradeça ao alimento,que deu a vida para alimentá-lo,e às divindades. Faça com que sua casa seja abençoada com muitas refeições mágicas e com uma cozinha aconchegante e cheia de poder!!!


Veja que interessante:

Os alimentos picantes contêm grande quantidade de energia, coloque quantidades suficientes para quem vai comer.
Os alimentos verdes são bons para a prosperidade, veja o quanto é realmente necessário, pois desperdício não combina com bruxaria.
Os frutos suculentos e vermelhos são maravilhosos para o amor.
Os alimentos doces são bons para cultivar a bondade.
As sementes e os ovos ajudam na fertilidade.
A laranja e os alimentos cítricos são importantes para a felicidade.
Não existe muito segredo no valor dos alimentos e no que eles auxiliam, pois nosso organismo sabe pedir quando esta com carência.
E nosso instinto, no fundo sabe o que faz cada alimento em nossa vida.
O que está esperando, vai cozinhar! Ou se alimentar!

Selma - 3fasesdalua

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...