segunda-feira, 31 de agosto de 2015

DICAS E SABEDORIA DA BRUXA


Dica para cuidar de seu caldeirão:

- Quando lavar seu caldeirão, seque-o igual a suas panelas de ferro para não enferrujar – coloque no fogão sobre o fogo alto. Evite arranhar qualquer parte, a ferrugem vai entrar nessa abertura fina, colabore usando colher de pau, ok?

Porém, se mesmo com cuidados seu caldeirão enferrujar, vamos ao procedimento básico, também usado com panelas comuns de ferro:
-Lave normalmente;

-Use esponja de aço (uma marca bem conhecida: Bombril)
-pegue todos os pontos de ferrugem e esfregue com a esponja de aço até eles sumirem;

-Unte o caldeirão com algum óleo como: oliva, cravo, alecrim, lavanda, olíbano;

- Deixe secar ao sol.

-PORÉM se ele já estiver faltando algum pedaço, corroído, ou já furado, esqueça, seu caldeirão não presta mais para a magia.


Selma - 3fasesdalua


Feitiço para boas mudanças

Quando nada dá certo. Para alterar este padrão vibratório, faça a seguinte Bruxaria Mágica: Munido de sal grosso e grãos de arroz, visite sete igrejas ou templos (de qualquer credo, pode ser católica, budista, umbandista, etc.). Quando você entrar no templo, deixe cair, sutilmente, sem que ninguém perceba, um pouco de sal grosso no chão, dizendo: 

"Deixo para trás todas as vibrações contrárias ao meu desenvolvimento." 

Entre no templo ou na igreja e faça, em seu interior, uma oração que aprendeu na infância. Se possível, enquanto faz a oração, acenda uma vela branca. (Se isto não for possível - por exemplo: o padre não deixa - acenda o mais próximo possível do templo) Ao sair, bem junto à porta, deixe cair no chão, sutilmente, um pouco de arroz e diga: 

"Entro agora num novo tempo, onde ondas poderosas de sorte, abundância e prosperidade me cobrem constantemente."

Selma - 3fasesdalua


Dica de Bruxa

Quando sentir que o ambiente esta pesado com energias negativas, faça uma limpeza em você e no ambiente.

Arruda: é umas das ervas mais poderosas para combater inveja e olho-gordo.Quando colocada num ambiente, além de proteger, emite vibrações de prosperidade e entusiasmo. Podemos ter sempre um galho de arruda junto ao corpo para reter as energias negativas. Não deve ser ingerida.

Outra forma de usar é passando o ramo de arruda por todo corpo, mentalizando toda energia negativa se dissipando e indo embora.

Sal Grosso: retira do ambiente as energias negativas, absorvendo-as. Deve ser renovado sempre, para que não volte a emanar a energia de volta para o ambiente. Pode ser usado em amuletos como vasinhos com sal grosso e pimentinha, velas de sal grosso. Pode ser usado em banhos, diluído em água, jogado no corpo do pescoço para baixo. 

Após o banho de sal grosso, sempre tomar um banho com alguma erva, para repor as energias, pois o sal descarrega a aura. Pode ser um banho com um chá (coado e morno) feito de alecrim ou sálvia.

Essas são só algumas opções dentre muitas. Mentalizar, concentrar e ter fé, são requisitos fundamentais para que os pequenos rituais deem certo

Selma - 3fasesdalua


DEFESA CONTRA INIMIGOS

- Cebola de tamanho grande
- Um pedaço de papel branco sem linhas
- Lápis
- Athame
- Papel alumínio

Quem deseja ter maior proteção contra os inimigos pode seguir este feitiço, que deve ser cumprido em uma noite de lua minguante de uma terça-feira ou sábado.

Comece fazendo uma prece, pedindo aos deuses que proteja você de seus inimigos [Hécate é uma excelente divindade para este feitiço]. 

Não se esqueça de pedir o bem para essa pessoa. Não se deve nunca desejar o mal a ninguém, por mais que essa pessoa tenha feito alguma coisa muito grave com você. 

Em seguida, escreva num papel branco com o lápis o nome dessa pessoa [se não souber o nome, apenas mentalize]. Depois, você deve repetir três vezes: "COM A FORÇA DO PERDÃO E DO AMOR, EU AGORA NEUTRALIZO A ENERGIA NEGATIVA QUE VOCÊ ME ENVIOU".

Depois de fazer isso, enrole o papel. Abra um furo na parte superior a cebola e coloque o papel no fundo. Cubra a cebola com papel alumínio. No final, coloque no congelador ou freezer e só retire de lá quando chegar a próxima lua minguante.

Selma - 3fasesdalua

MULHERES CURADORAS


Erveiras, raizeiras, benzedeiras... Mulheres sábias que por muito tempo andaram sumidas ou, até mesmo, escondidas. Hoje, retornam com um diploma de pós-graduação nas mãos e um sorriso maroto nos lábios. Seu saber mudou de nome. Chamam de terapia alternativa, medicina vibracional, fitoterapia, práticas complementares… São reconhecidas e respeitadas. Tem seus consultórios e fazem palestras.

As mulheres curadoras fazem parte de um antigo arquétipo da humanidade. Em todas as lendas e mitos, quando há alguém doente ou com dores, sempre aparece uma mulher idosa para oferecer um chazinho, fazer uma compressa, dar um conselho sábio. Na verdade, a mulher idosa é um arquétipo da ‘curadora’, também chamada nos mitos de Grande Mãe.

Não tem nada a ver com a idade cronológica, porque esse é um arquétipo comum a todas as mulheres que sentem o chamado para a criatividade, que se interessam por novos conhecimentos e estão sempre a procura de mais crescimento interno. Sua sabedoria é saber que somos “obras em andamento’, apesar do cansaço, dos tombos, das perdas que sofremos… A alma dessas mulheres é mais velha que o tempo e seu espírito é eternamente jovem.

Talvez seja por isso que, como disse Clarissa Pinkola, toda mulher parece com uma árvore. Nas camadas mais profundas de sua alma ela abriga raízes vitais que puxam a energia das profundezas para cima, para nutrir suas folhas, flores e frutos. Ninguém compreende de onde uma mulher retira tanta força, tanta esperança, tanta vida. Mesmo quando são cortadas, tolhidas, retalhadas, de suas raízes ainda nascem brotos que vão trazer tudo de volta à vida outra vez.

Por isso, as mulheres entendem de plantas que curam, dos ciclos da lua, das estações que vão e vem ao longo da roda do sol pelo céu. Elas tem um pacto com essa fonte sábia e misteriosa que é a natureza. Prova disso, é que sempre se encontra mulheres nos bancos das salas de aula, prontas para aprender, para recomeçar, para ampliar sua visão interior. Elas não param de voltar a crescer.


Nunca escrevem tratados sobre o que sabem, mas como sabem coisas! Hoje, os cientistas descobrem o que nossas avós já diziam: - As plantas tem consciência! Elas são capazes de entender e corresponder ao ambiente à sua volta. Converse com o “dente-de-leão” para ver! Comunique-se com as plantas de seu jardim, com seus vasos, com suas ervas e raízes, o segredo é sempre o amor.

Minha mãe dizia que as árvores são passagens para os mundos místicos, e que suas raízes são como antenas que dão acesso aos mundos subterrâneos. Por isso, ela mantinha em nossa casa algumas árvores que tinham tratamento especial. Uma delas era chamada de “árvore protetora da família” e era vista como fonte de cura, de força e energia. Qualquer problema, corríamos para abraçá-la e pedir proteção.

O arquétipo de ‘curadora’ faz parte da essência do feminino, mesmo que seja vivenciado por um homem. Isso está aquém dos rótulos e definições de gênero. Faz parte de conhecimentos ancestrais que foram conservados em nosso inconsciente coletivo.

Perdemos a capacidade de olhar o mundo com encantamento, mas podemos reaprender isso prestando atenção nas lendas e nos mitos que ainda falam de realidades invisíveis que nos rodeiam. Um exemplo? Procure saber mais sobre os seres elementais que povoam os nossos jardins e as fontes de águas… Fadas, gnomos, elfos, sílfides, ondinas, salamandras.

As “curadoras’ afirmam que podemos atrair seres encantados para nossos jardins! Como? Plantando flores e plantas que atraiam abelhas e borboletas. Gaiolas abertas para passarinhos e bebedouros para beija-flores.

Algumas plantas ‘convidam’ lindas borboletas para seu jardim, como milefólio, lavanda, hortelã silvestre, alecrim, tomilho, verbena, petúnia e outras.
Deixe em seu jardim uma área levemente selvagem, sem grama, os seres elementais gostam disso. Convide fadas e elfos para viverem lá.

Lembre-se: onde você colocar sua percepção e sua consciência, a energia vai atrás.


Selma - 3fasesdalua

sábado, 29 de agosto de 2015

ERVAS PARA A MAGIA DOS SONHOS


A Magia nos Sonhos é tão antiga quanto a humanidade e sempre desempenha papel importante na Bruxaria Tradicional. Os sonhos são vistos como o presságio em que melhor podemos confiar, e, desde os primórdios da humanidade, Bruxas, Bruxos e Sacerdotisas pagãos e xamãs os têm utilizado para adivinhar o futuro. (O termo técnico usado para a arte e a prática da divinação pelos sonhos é oniromancia.)

Existem vários tipos diferentes de sonhos: pesadelos ou imagens torcidas que, muitas vezes, são causadas por pressões do ambiente ou por problemas físicos, sonhos causados por emoções suprimidas, experiências fora do corpo (também conhecidas como projeções astrais) e sonhos proféticos, que são sonhos vívidos relacionados a acontecimentos futuros.

Um número significativo de sonhos é de natureza profética, especialmente aqueles que acontecem três noites seguidas, de acordo com a tradição popular. Os sonhos proféticos, quando corretamente interpretados, podem revelar o futuro, tanto por quadros diretos como por simbolismo. Quando aparecem imagens sagradas ou transcedentais num sonho, chamamos de sonho elevado. Os sonhos telepáticos (também conhecidos como sonhos PES) são experiências nais quais aquele que sonha capta as energias do pensamento de outra pessoa ou espírito. (Sonhos dessa natureza em geral estão ligados a acontecimentos atuais.)

Os sonhos psíquicos contêm mensagens importantes, avisos e outras comunicações. Esse tipo particular de sonho é freqüentemente tão forte e profundo que acorda quem está sonhando. O sonho lúcido é aquele no qual a pessoa que sonha está consciente sabendo que está sonhando. Os sonhos são altamente simbólicos, sendo importante registrá-los num livro ou diário logo ao despertar para não os esquecer mais tarde. (Segundo certas superstições folclóricas, é considerado sorte alguém esquecer o sonho da noite anterior.) Após registrá-los (e também os pesadelos), você poderá estudá-los quanto a padrões e símbolos que se repetem e interpretá-los utilizando um dicionário de sonhos. Existem atualmente no mercado vários dicionários desse tipo, como também livros que os analisam. Encontram-se em quase todas as livrarias. Alguns contêm interpretações de simbologia onírica, outros, superstições e antigas crenças, e alguns a combinação de ambos os enfoques.

Essas ervas são tradicionalmente usadas pelos Bruxos nos travesseiros, para ter sonhos mágicos, ou em poções para induzir visões em sonhos proféticos: língua-de-cobra, agrimônia, anis, cânfora, quelidônia (menor), canela, margarida, azevinho, lúpulo, hera, verbena-limão, raiz de mandrágora, malmequer, visco, artemísia, cebola, hortelã-pimenta, bolsa-de-pastor, rosa, erva-de-são-joão, verbena, vervena, absinto, milefólio.


SELMA - 3FASESDALUA

ERVAS RITUALÍSTICAS TRADICIONAIS DO SABÁS


SABÁ CANDLEMAS: angélica, manjericão, louro, benjoim, quelidônia, urze, mirra e todas as flores amarelas.

SABÁ DO EQUINÓCIO DA PRIMAVERA: bolota, quelidônia, cinco-folhas, crocus, narciso, comiso,

lírio-da-páscoa, madressilva, íris, jasmim, rosa, morango, atanásia e violetas.

SABÁ BELTANE: amêndoa, angélica, freixo, campainha, cin-co-folhas, margarida, olíbano, espinheiro,

hera, lilás, malmequer, barba-de-bode, prímula, rosas, raiz saty-rion, aspérula e primaveras amarelas.

SABÁ DO SOLSTÍCIO DE VERÃO: camomila, cinco-folhas, sabugueiro, funcho, cânhamo, espora,

lavanda, feto masculino, artemísia, pinho, rosas, erva-de-são-joão, tomilho selvagem, glicínia e verbena.

SABÁ LAMMAS: flores da acácia, aloé, talo de milho, ciclame, feno grego, olíbano, urze, malva-rosa, murta, folhas do carvalho, girassol e trigo.

SABÁ DO EQUINÓCIO DO OUTONO: bolota, áster, benjoim, fetos, madressilva, malmequer, plantas de sumo leitoso, mirra, folhas do carvalho, flor do maracujá, pinho, rosas, salva, selo-de-salomão e cardo.

SABÁ SAMHAIN: bolotas, giesta, maçãs, beladona, dictamo, fetos, linho, fumaria, urze, verbasco, folhas

do carvalho, abóboras, sálvia e palha.

SABÁ DO SOLSTÍCIO DE INVERNO: louro, fruto do loureiro, cardo santo, cedro, camomila, sempre viva,

olíbano, azevinho, junípero, visco, musgo, carvalho, pinhas, alecrim e sálvia.



ERVAS SAGRADAS DAS DEUSAS

Afrodite- canela, oliva, margarida,cipreste, marmelo
Aradia - arruda, verbena
Ártemis - abeto prata, cipreste, cedro, nogueira, murta, salgueiro,
Ashtoreth - cipreste, murta
Atena - oliva
Bast - gatária
Cailleach - milho
Cardea - espinheiro
Ceres - salgueiro, trigo, papoula, alho-poró, narciso
Circe - salgueiro
Cibele - mirra, cone de pinho
Deméter - milho, cevada, poejo, mirra, rosa
Druantia - abeto
Eos - açafrão
Freya - primula, samambaia,mirra, morango
Hathor - murta, sicômoro, mandrágora, coentro
Hécate - salgueiro, meimendro, aconitela,mandrágora, táxus, ciclâmen, menta
Hera - romã, mirra
Íris - absinto
Ishtar - todos os grãos
Ísis - urze, milho, losna, cevada, mirra, rosa
Juno - lírio, açafrão, asfódelo, marmelo, romã, veerbena, íris,alface
Minerva - oliva
Néftis - mirra
Nuit - sicômoro
Perséfone - narciso, salgueiro, romã
Proserpina - narciso selvagem
Reia - mirra
Vênus - canela, margarida, urze,anêmona, maçã, papoula, violeta, avenca, cravo (flor), áster, verbena, mirtilo, orquídea, cedro.

SELMA - 3FASESDALUA

EVOCAR A DEUSA E TRAZE LA DE VOLTA PARA O MUNDO...


FRIGGA, “A AMADA”, DEUSA NÓRDICA PROTETORA DAS MULHERES.

No limiar dos mundos, no palácio Fensalir cercado por pântanos e escondido pela névoa, a deusa Frigga fica sentada no seu trono de cristal e fia com seu fuso estelar os fios multicoloridos do destino. Rainha Mãe das divindades Aesir, Frigga é a deusa que conhece os desígnios de todos os seres, mas guarda silêncio, sem revelar o futuro ou fazer profecias. Rainha Celeste e consorte do deus Odin, Frigga no entanto, passa mais tempo no seu palácio, onde vive cercada por uma constelação de doze acompanhantes, que personificam aspectos e atribuições divinos, cada uma tendo funções variadas.

São elas: Saga, a sábia contadora de histórias e detentora das memórias ancestrais; Eir, a curadora hábil no uso de ervas e raízes; Fulla, guardiã dos mistérios, riquezas e dons ocultos, confidente e conselheira das mulheres; Gna, a mensageira que traz os pedidos humanos e espalha as bênçãos da Deusa; Syn, guardiã dos limites, portais e de tudo que precisa ficar escondido ou fechado; Hlin, defensora e protetora das mulheres injustiçadas ou perseguidas; Gefjon, padroeira das mulheres solteiras e doadora da abundância como fruto do trabalho; Sjofn, abre os corações para o amor e a afeição; Lofn abençoa as uniões com permissão, proteção e paz; Var é a testemunha dos juramentos, que pune os transgressores e zela pela integridade moral e espiritual; Vor guia a intuição, aprofunda a compreensão e a expansão da consciência; Snotra ensina a conduta certa, reforça os elos grupais e as qualidades de gentileza, honra e parceria.

Protetora das mulheres, Frigga as conduz no aprendizado dos Mistérios do Sangue e nos ritos de passagem ao longo das suas vidas. Como Grande Tecelã, Ela fia a energia cósmica e entrega os fios para as Nornes, as Senhoras do Destino, que são as responsáveis por tecer a intrincada e complexa tessitura do destino universal.

Na cosmologia nórdica existem dois conceitos representando o destino, chamados orlög e wyrd. Orlög refere-se aos fatores que não podem ser mudados como: raça e país de origem, ancestralidade, família, genética, potencial inato, perfil astrológico, ações e eventos passados da trajetória individual, familiar e grupal e suas implicações na vida presente. Orlög é a base do destino e do próprio mundo e está além do nosso alcance, por ser imutável.Podemos imaginá-lo como uma urdidura (ou trama) de fios, fixada no tear cósmico, através dos quais move-se a laçadeira que conduz os fios móveis do wyrd. Diferente do orlög, o wyrd é mutável por ser constituído por nossas ações, atitudes e escolhas atuais, porém cujas conseqüências irão se refletir no futuro. Podemos mudar a cor dos fios do wyrd, a velocidade com qual se move a laçadeira e a padronagem da tessitura, porém jamais poderemos alterar a trama básica do orlög, que reina absoluto na atuação das leis do destino. Tanto o orlög quanto o wyrd formam a teia da nossa vida, tecida pelas Nornes, que ficam sentadas sob as raízes de Yggdrasil, a Árvore do Mundo e monitoram a vida dos deuses e dos seres humanos. Tudo está subordinado às leis das Nornes, nem mesmo as divindades escapam das leis eternas e inexoráveis. Frigga é a única deusa que compartilha da sabedoria das Nornes, pois Ela percebe e compreende a diversidade das modulações da tessitura cósmica, mas não revela este conhecimento. Sem poder mudar o orlög, Frigga, no entanto, pode tecer encantamentos de proteção para aqueles que Ela ama e protege como as mulheres, em especial as gestantes e parturientes, os recém nascidos e os casais que desejam ter filhos.


Frigga se apresenta como uma mulher madura e majestosa, com os cabelos da cor das folhas de outono, trançados e presos em forma de coroa com faiscantes pedras preciosas lapidadas como estrelas. Suas vestes são simples, mas sempre usa um colar de âmbar e um cinto dourado com várias chaves penduradas. 

Às vezes porta um manto de penas (de cisne ou falcão) representando seu dom de metamorfose para sobrevoar os nove mundos do cosmos nórdico. Frigga detém o poder sobre os elementos e os seus reinos, mas a sua atribuição principal é como protetora do lar e da lareira, empenhando-se em criar e manter a harmonia e a paz familiar e grupal. Por ser Ela mesma uma esposa leal e mãe amorosa, cria laços afetivos - com os fios por Ela tecidos - entre homens e mulheres, mães e filhos, deuses e humanos, conectando também os tempos, com a lembrança do passado, a vivência plena no presente e a necessária sabedoria e prudência no futuro.

A melhor maneira para pedir ajuda para a deusa Frigga é sentir o desejo sincero de harmonizar e apaziguar sua família e o seu lar. A energia do nosso ambiente doméstico permeia todos os aspectos da nossa vida e nos afeta de forma sutil ou intensa. Nosso lar deve ser nosso santuário, um oasis de tranqüilidade e bem estar, onde podemos nos refugiar e refazer do desgaste cotidiano, despindo nossas armaduras, descartando máscaras e abrindo nossos corações para receber e dar amor.

Cada vez que sentirmos energias negativas invadindo nosso lar e criando discórdias e desassossego, podemos criar um pequeno ritual reunindo nossos familiares ao redor da mesa de jantar, acendendo uma vela no centro cercada de frutas secas e frescas, sementes e flores. Após uma curta oração para a Mãe Divina (arquétipo fácil de compreender e aceitar por todos) pediremos que cada pessoa possa fazer uma avaliação em relação a um fato doloroso do passado, dele se desligando e perdoando, comendo depois uma fruta seca e agradecendo pela cura e transmutação. Logo após se agradecem as dádivas do presente - incluindo a família e o lar - comendo uma fruta fresca. 

Em seguida faz-se uma invocação e um pedido relacionado com um projeto futuro, mastigando devagar três sementes e mentalizando sua realização. No final todos fazem um brinde com suco de maçã agradecendo as futuras conquistas e de mãos dadas, cada um expressa seu compromisso pessoal para contribuir à sua maneira na manutenção da harmonia familiar. Quem quiser, poderá acender uma vela e caminhar ao redor da casa no sentido horário, visualizando a luz divina clareando as sombras e afastando a negatividade, interna e externa. 

A seguir as velas serão colocadas perto da lareira ou do fogão e deixadas para queimar até o fim. A mulher que invocou a ajuda da Deusa para sua casa, permanecerá algum tempo em introspecção e oração visualizando as vibrações de harmonia, paz, alegria e proteção preenchendo seu lar e agradecerá as bênçãos recebidas da amada Mãe Divina Frigga.

FONTE: Mirella Faur

RITUAL PARA ATRAIR A BOA SORTE


A Deusa Frigga, muitas vezes era representada, como uma mulher alta e elegante, que carregava um molho de chaves em seu cinturão. Para esse ritual você precisará de uma chave antiga que não tenha fechadura. 

Você comprá-la em alguma casa que venda objetos usados ou adquira uma nova em um chaveiro próximo de sua casa. Escolha, se possivel uma de metal brilhante ou de bronze, mas nunca de ferro. Limpe-a e a deixe o mais reluzente que conseguir. Para na entrada da sua porta principal, olhando para dentro da casa, coloque a chave em sua mão direita e estendendo-a à frente diga:

-"Deusa Frigga, coloque toda a energia da prosperidade e da boa sorte nessa chave, de maneira que sempre esteja comigo".

Agora caminhe por todas as peças da casa, sustentado a chave em sua mão e em frente a você. Toque todos os seus objetos pessoais com sua chave, como sua cama para ter sorte em seus relacionamentos, o telefone para receber sempre boas notícias de amigos, negócios ou estudos e assim, toque em tudo que signifique algo para você. Quando terminar o ritual, coloque a chave em um gancho sobre a porta principal e a mantenha sempre limpa e brilhante.

Texto pesquisado e desenvolvido por Rosane Volpatto
Bibliografia Consultada:
O Novo Despertar da Deusa - Shirley Nicholson
Os Mistérios da Mulher - M. Esther Harding
A Grande Mãe - Erich Neumann
O Anuário da Grande Mãe - Mirella Faur
Os Mistérios Wiccanos - Raven Grimassi Livro
Mágico da Lua - D.J. Conway
O Medo do Feminino - Erich Neumann
O Livro de Ouro da Mitologia - Thomas Bulfinch
Mitos Paralelos - J. F. Bierlein
Consciência Solar, Consciência Lunar - Murray Stein
O Caminho para a Iniciação Feminina - Sylvia B. Perera
Rastreando os Deuses - James Hollis
O Amor Mágico - Laurie Cabot e Tom Cowan
El Libro de Las Diosas - Roni Jay

A cidade de Ys, no fundo da “baía dos mortos”

Ys, a cidade da lenda, sepultada na baía de Douarnenez, na Bretanha, França

Entre a lenda e a história real há sempre uma zona nebulosa de incerteza. O fato é que a figura de uma cidade submersa, com uma catedral magnífica cujos sinos tangem ao sabor das ondas, ainda hoje excita as imaginações.

A misteriosa Bretanha é uma das mais interessantes regiões da França. Imensa plataforma que avança sobre o Atlântico, ao sul da Grã-Bretanha, ela é castigada por toda espécie de ventos e marés, como também o foi por invasões, ao longo de sua história milenar.

Os primeiros celtas chamaram-na Armor — “Terra voltada para o mar”. Daí o nome de Península Armórica, que ainda hoje a designa.

Na sua extremidade sul formou-se a Cornualha, nome que parece vir da Cornwall britânica, a península mais ocidental da Inglaterra.

Ocupada por gauleses, romanos, celtas, várias vezes saqueada pelos normandos, a Bretanha constituiu-se em reino até o século X, e depois em poderoso ducado, antes de ser incorporada definitivamente à França com os casamentos sucessivos de Ana de Bretanha com Carlos VIII e Luís XII, ambos filhos do astuto Luís XI.

Cheia de mistérios, é uma terra fértil em lendas e tradições imemoriais.

Santos, calvários, menires, peregrinações dos perdões… uma riqueza de tradições e costumes que fazem da Bretanha uma região especial, cheia de mitos e legendas. É o caso do rei Artur e seus cavaleiros da távola redonda.

O Santo Graal da legenda teria sido o cálice usado por Nosso Senhor na Santa Ceia.

José de Arimateia, membro do Sinédrio e discípulo oculto do Divino Mestre, teria trazido da Terra Santa esse cálice, contendo algumas gotas do Preciosíssimo Sangue de Cristo.

Na península Armórica, o discípulo teria vivido numa floresta para depois desaparecer sem deixar traços.

Outra lenda da Bretanha concerne a cidade de Ys, ou Is, sepultada no fundo do mar na baía de Douarnenez, a “baía dos mortos”.

Construída sobre um pólder e protegida por um dique, Ys teria sido a capital da Cornualha sob o rei Gradlon, o Grande, no século VI.

Enormes comportas permitiam evacuar as águas que vinham dos rios e proteger a cidade das marés altas. O rei guardava pessoalmente a chave das portas do mar, como eram conhecidas as comportas.

Gradlon tinha uma filha chamada Dahud ou Ahés. A princesa, em toda a cidade, era conhecida por seus costumes dissolutos.

Gwenolé (ou Guenole), um santo monge da região, vinha frequentemente a Ys e advertia os seus habitantes, mas estes não lhe davam ouvidos.

A fuga do rei Gradlon.
Evariste Vital Luminais (1822–1896). Musée des Beaux-Arts, Quimper

Deus permitiu então que o demônio se introduzisse no palácio real sob a forma de um formoso jovem e seduzisse a filha do rei, a quem o príncipe das trevas pediu como prova de amor que ela abrisse as comportas que protegiam a cidade.

Dahud roubou as chaves do pai quando este dormia e fez a vontade diabólica.

A maré estava alta quando as eclusas foram abertas. As águas invadiram logo as ruas e as casas da cidade, apanhando de surpresa os seus habitantes, a maioria dos quais adormecidos.

Deus permitiu que o rei fosse despertado por Gwenolé alguns instantes antes da tragédia. O soberano saltou sobre o seu cavalo e fugiu precipitadamente, levando a filha na garupa do animal.

Mas, enquanto o cavalo do monge ia rápido como o vento, o de Gradlon esgotava-se rapidamente com o peso da pecadora. As ondas já alcançavam os fugitivos.

Gwenolé ordenou então ao rei que, se quisesse salvar-se, devia separar-se de sua filha; Gradlon recusou-se. As águas começaram a cobrir os cascos do animal.

O santo renovou então sua ordem e, finalmente, o rei obedeceu. No mesmo instante, seu cavalo deu um salto e como que libertado de um grande peso, disparou.

Logo o rei e o monge atingiam terra firme enquanto o mar cobria toda a cidade de Ys, até seus mais altos monumentos.

Depois Gradlon teria feito de Quimper a sua nova capital e terminado seus dias em penitência, falecendo em odor de santidade.

(Autor: Gabriel José Wilson.)

QUANDO A GENTE SE DÁ CONTA QUE ERROU


A teimosia impregnada em nossas fugazes ações diárias parece nem passar mais no campo do pensamento. Sei que você anda estressado e com a vida levemente corrida mas peço que ainda assim tire um tempo para ler este texto. Puxe um banco e sente aqui comigo, vamos conversar um pouco.

Vou começar te contando algumas coisas que acontecem de vez em quando.

Você magoa muito de alguma forma as pessoas que você gosta. Quase que diariamente pra ser bem sincero. E o pior de tudo é que você nem se dá conta disso. Mas saiba meu amigo, isso ainda vai remoer muito na sua consciência. Espero que quando esse dia chegue ainda exista tempo. Tempo para pedir desculpas, a ferida cicatrizar nos corações atingidos e a memória já nem processar direito os sentimentos anexos à essas lembranças.

Outro fato é metade dos seus amigos vão se afastar de você com o tempo e os amores que o destino havia programado para a sua vida nem vão chegar a aparecer. Não que a culpa seja apenas sua, a vida leva cada um pro seu canto com suas mudanças drásticas e repentinas e não há muito para ser feito. Porém tenha em mente que muita gente você repele sem se dar nem conta. 

Além disso o futuro vem virando presente e vai exigir que suas escolhas sejam feitas. Como num filme de realidades paralelas, a cada decisão tomada vai se apagando um futuro que poderia ter acontecido. Tudo bem, isso faz parte do processo de existência terrena. O problema é que as escolhas vem trazendo a conta; vai vir arrependimento e a eterna pergunta de ‘como teria sido?’ caso a estrada tomada fosse outra. Haverá principalmente a agonia do pensamento que aterroriza quando passa pela sua cabeça que talvez algumas opções não tenham sido as corretas.

Vai chegar um dia também que você vai receber a notícia de que alguém morreu. Pode ser um parente, um amigo ou um ídolo. Não interessa, o efeito é o mesmo. Uma sensação de impotência com o curso da vida e de desespero com todas as oportunidades desperdiçadas. Pouco a pouco vem caindo a ficha de que não há nada a ser feito que mude coisas como essa. Apenas a certeza de que sempre é tempo de dizer o que precisa ser dito. Diga que ama, diga o que lhe incomoda, diga o que lhe entristece. Pois tem horas que o tempo aperta e a vida vai ficando louca. Nós vamos agindo muito e pensando pouco, então só rezamos para estar fazendo a coisa certa.

E torcendo que não seja tarde demais quando a gente se dá conta que errou.

Escrito por Paulinho Rahs, colunista do Sábias Palavras.

Incensos e as suas finalidades espirituais:



ABRE CAMINHOS: Composição: sândalo e essências de madeira, amplia horizontes.
ABSINTO: favorece a CLARIVIDÊNCIA, assim como é útil em assuntos amorosos.
ALECRIM: Usado para dar mais energia, bom para cansaço, desânimo, tristeza, COMBATE a depressão, é purificador de pessoas e locais.
ALFAZEMA: Auto-estima, amplia a auto-confiança, concretização dos desejos, tranquilizante
ALMÍSCAR: favorece sorte, vitórias, sucesso
ANGÉLICA: atrais forças protectoras
ANIS ESTRELADO: Ajuda a atrair a boa sorte.
ARRUDA: purificação e proteção espiritual
ARTEMÍSIAa: estimula dons proféticos, adivinhação, sonhos reveladores
BÁLSAMO: Libera emoções reprimidas, ajuda a superar mágoas e harmoniza os ambientes.
BAUNILHA: Traz alegria, bem estar, estimula as relações amorosas, tranquilidade, harmonia, para problemas de saúde.
CAMOMILA: ideal para conjurar forças que ajudam em assuntos financeiros
CANELA: é indicado para questões financeiras e tranqüiliza o ambiente.
CÂNFORA: Elimina todo o tipo de energias negativas, bom para o lado profissional.
CAPIM SANTO: Trabalha a agressividade, bom para crianças muito ativas.
CEDRO: indicado em estabelecimentos, para aumentar vendas
CIPRESTE: favorece o equilíbrio espiritual, e também pode ser usado em assuntos de prosperidade
CÔCO: estimula o equilíbrio psicológico, espiritual e emocional
CRAVO: ideal para favorecer abertura de caminhos, desbloqueio de enguiços
DAMA DA NOITE: Para os enamorados, amor, encontros.
ERVA CIDREITA: conjura energias ideias em assuntos amorosos
ERVA DOCE: contra invejas e mau olhado
EUCALIPTO: limpeza espiritual
FRAMBOESA:Ótimo para eliminar as mágoas, depressão e o ódio.
HORTELÃ: afasta negatividade assim como as indecisões e falta de decisão
JASMIM: favorece pacificação do ambiente
LAVANDA: tranquilizador
MAÇÃ VERDE: Bom para os casais, estimula a atração e o prazer.
MANJERICÃO: atrai energias de boa sorte
MIRRA: favorece os instintos, a a intuição e capacidades espirituais extra-sensoriais
NOZ MOSCADA: favorece entradas de DINHEIRO
ORQUÍDEA: Purifica o ambiente de trabalho, ajuda a soluções de problemas e do espírito
PATCHULI: Traz abundância, bom para fertilidade.
PIMENTA DA JAMAICA: favorece harmonia no lar, assim como prosperidade
PINHO: proteção e assuntos de fertilidade
ROSA BRANCA: Para limpeza dos ambientes contra as más energias, acalma as pessoas, acalma disputas.
SAL GROSSO: Elimina energias nocivas de um ambiente, usada para rituais de abertura de caminhos.
SETE ERVAS: Para purificação de ambientes contra mau olhado, invejas e ódio.
SÂNDALO BRANCO: abre portas ao sucesso, evolução espiritual.


Selma - 3fasesdalua

Sino dos Ventos - Sinos da felicidade - Espanta-espíritos


Sino dos Ventos ou Mensageiro do Ventos: Tem como finalidade principal, energizar um ambiente. Vibra e eleva a Energia deste ambiente, emite um som relaxante e agradável, afastando energias negativas, harmonizam o lugar com frequência e vibração elevada.

Espanta-espíritos, sinos de vento, sinos da felicidade, mensageiro do vento ou carrilhão de vento é um objeto normalmente constituído por tubos de metal ou bambu suspensos por fios que produz som através da ação do vento.

O nome que lhe foi atribuido, teve como origem de mandar os espíritos embora,como há quem diga que quando passam espíritos sente-se um brisa,pois este objecto foi criado para os detectar. Relativamente aos materiais de um espanta espíritos, podem ser muitos;desde conchas do mar a metais.Normalmente na china ,em cada casa costuma morar um destes objectos.

Sinos dos ventos ou espanta espíritos, harpas eólicas e campainhas.
Os sons são as manifestações audível da energia vibracional.
As harpas eólicas, sinos dos ventos ou espanta espíritos que chamaremos de Mensageiros-dos-ventos - são moderadores que elevam a energia Chi de uma casa. 

Os Mensageiros-dos-Ventos são utilizados pela Escola do Chapéu Negro do budismo tibetano, mas também por outras linhas do Feng Shui. A forma, o som e o material (tubo de metal) são importantes nessa cura. 

O chi, a força vital, entra e sai dos tubos - na linguagem poética chinesa, ele brinca com as formas tubulares - e, assim, espalha boas energias. O som produzido também interage com a energia de cada pessoa, acalmando o estado de espírito ( por isso, é melhor deixar os sinos onde bata uma leve brisa para que o som seja suave e não estridente )

Na Escola do Chapéu Negro, os mensageiros-dos-ventos devem ficar perto das janelas, mas também em locais onde é preciso retardar o chi, como no final de um corredor e na quina de uma parede em L.

Eles ainda têm outra função: separar energeticamente os ambientes ( por isso, são pendurados entre a sala e a cozinha, por exemplo ). Um sino com cinco tubos é ideal para equilibrar a energia de um espaço. Já para criar ou ativar o chi, melhor optar por peças com seis, oito ou nove tubos. Para dar sorte, um mensageiro de seis ou oito tubos é colocado na área da casa que se quer ativar. Os sinos também são muito utilizados na área da Criatividade, cujo o elemento é o metal ( com que é confeccionado o sino ).




Selma - 3fasesdalua

domingo, 23 de agosto de 2015

A Sabedoria do Silêncio Interno



Pense no que vai dizer antes de abrir a boca. Seja breve e preciso, já que cada vez que deixa sair uma palavra, deixa sair uma parte do seu Chi (energia). Assim, aprenderá a desenvolver a arte de falar sem perder energia. Nunca faça promessas que não possa cumprir.

Não se queixe, nem utilize palavras que projetem imagens negativas, porque se reproduzirá ao seu redor tudo o que tenha fabricado com as suas palavras carregadas de Chi. Se não tem nada de bom, verdadeiro e útil a dizer, é melhor não dizer nada.

Aprenda a ser como um espelho: observe e reflita a energia. O Universo é o melhor exemplo de um espelho que a natureza nos deu, porque aceita, sem condições, os nossos pensamentos, emoções, palavras e ações, e envia-nos o reflexo da nossa própria energia através das diferentes circunstâncias que se apresentam nas nossas vidas.

Se se identifica com o êxito, terá êxito. Se se identifica com o fracasso, terá fracasso. Assim, podemos observar que as circunstâncias que vivemos são simplesmente manifestações externas do conteúdo da nossa conversa interna.

Aprenda a ser como o universo, escutando e refletindo a energia sem emoções densas e sem preconceitos. Porque, sendo como um espelho, com o poder mental tranquilo e em silêncio, sem lhe dar oportunidade de se impor com as suas opiniões pessoais, e evitando reações emocionais excessivas, tem oportunidade de uma comunicação sincera e fluida.

Não se dê demasiada importância, e seja humilde, pois quanto mais se mostra superior, inteligente e prepotente, mais se torna prisioneiro da sua própria imagem e vive num mundo de tensão e ilusões. Seja discreto, preserve a sua vida íntima. Desta forma libertar-se-á da opinião dos outros e terá uma vida tranquila e benevolente, invisível, misteriosa, indefinível, insondável como o TAO.

Não entre em competição com os demais, a terra que nos nutre e dá o necessário. Ajude o próximo a perceber as suas próprias virtudes e qualidades, a brilhar. O espírito competitivo faz com que o ego cresça e, inevitavelmente, crie conflitos. Tenha confiança em si mesmo. Preserve a sua paz interior, evitando entrar na provação e nas trapaças dos outros. Não se comprometa facilmente, agindo de maneira precipitada, sem ter consciência profunda da situação.

Tenha um momento de silêncio interno para considerar tudo que se apresenta e só então tome uma decisão. Assim desenvolverá a confiança em si mesmo e a Sabedoria. Se realmente há algo que não sabe, ou para que não tenha resposta, aceite o fato. Não saber é muito incômodo para o ego, porque ele gosta de saber tudo, ter sempre razão e dar a sua opinião muito pessoal. Mas, na realidade, o ego nada sabe, simplesmente faz acreditar que sabe.

Evite julgar ou criticar. O Tao é imparcial nos seus juízos: não critica ninguém, tem uma compaixão infinita e não conhece a dualidade. Cada vez que julga alguém, a única coisa que faz é expressar a sua opinião pessoal, e isso é uma perda de energia, é puro ruído. Julgar é uma maneira de esconder as nossas próprias fraquezas. O Sábio tolera tudo sem dizer uma palavra.



Tudo o que o incomoda nos outros é uma projeção do que não venceu em si mesmo. Deixe que cada um resolva os seus problemas e concentre a sua energia na sua própria vida. Ocupe-se de si mesmo, não se defenda. Quando tenta se defender, está dando importância demais às palavras dos outros, a dar mais força à agressão deles. Se aceita não se defender, mostra que as opiniões dos demais não o afetam, que são simplesmente opiniões, e que não necessita de os convencer para ser feliz.

O seu silêncio interno torna-o impassível. Faça uso regular do silêncio para educar o seu ego, que tem o mau costume de falar o tempo todo. Pratique a arte de não falar. Tome algumas horas para se abster de falar. Este é um exercício excelente para conhecer e aprender o universo do Tao ilimitado, em vez de tentar explicar o que é o Tao. Progressivamente desenvolverá a arte de falar sem falar, e a sua verdadeira natureza interna substituirá a sua personalidade artificial, deixando aparecer a luz do seu coração e o poder da sabedoria do silêncio.

Graças a essa força, atrairá para você tudo o que necessita para a sua própria realização e completa libertação. Porém, tem que ter cuidado para que o ego não se infiltre… O Poder permanece quando o ego se mantém tranquilo e em silêncio. Se o ego se impõe e abusa desse Poder, este se converterá em um veneno, que o envenenará rapidamente. Fique em silêncio, cultive o seu próprio poder interno.

Respeite a vida de tudo o que existe no mundo. Não force, manipule ou controle o próximo. Converta-se no seu próprio Mestre e deixe os demais serem o que têm a capacidade de ser. Por outras palavras, viva seguindo a via sagrada do Tao.

FONTE: O Sol Interno


NÃO ADIANTA HONRA A DEUSA SEM HONRA A MULHER EM NÓS


É preciso que a mulher descubra o seu verdadeiro rosto…
Não adianta honrar a Deusa sem honrar a mulher em nós…
De nada serve cultuar a Deusa sem sabermos o que significa a sua caminhada interior nem a descida ao mais profundo dos abismos. De nada serve imitarmos os seus rituais sem termos descoberto o segredo que nos foi ocultado durante milênios e vivê-lo na nossa pele!...
De nada serve cultuar a Deusa sem integrar as duas faces da mulher…sem que saibamos primeiro quem somos em essência – e a nossa essência não é só o sangue e dar à luz e sermos amantes…


É muito mais do que isso e sem que nos liguemos á Natureza primordial do nosso ser, sem termos olhado esse outro lado oculto de nós, a mulher reprimida, a mulher negada, a mulher raivosa, a mulher frustrada, a adúltera, a frígida ou a mulher infeliz, a mais desgraçada das mulheres, não encontraremos a Deusa em nós.
Para encontrarmos a Deusa temos de fazer essa descida aos subterrâneos mais secretos do nosso ser onde está a Rainha da Noite à nossa espera…Aquela que chora dia e noite e não faz mais do que esperar que a vamos resgatar…
Porque É Ela que nos inicia e coroa…


Sendo assim ......................
Como se faz presente em seu aspecto de Sheela Na Gig que ensina que o medo da velhice é o medo da vida, o medo do ciclo natural de vida e morte. Ela mostra que há poder na velhice, que há glória na velhice e principalmente, que há autenticidade na velhice.
Então Divido com vocês este poema de Nuno Júdice.

Gosto das mulheres que envelhecem
Gosto das mulheres que envelhecem,
com a pressa das suas rugas, os cabelos
caídos pelos ombros negros do vestido,
o olhar que se perde na tristeza
dos reposteiros. Essas mulheres sentam-se
nos cantos das salas, olham para fora,
para o átrio que não vejo, de onde estou,
embora adivinhe aí a presença de
outras mulheres, sentadas em bancos
de madeira, folheando revistas
baratas. 

As mulheres que envelhecem sentem que as olho, que admiro os seus gestos
lentos, que amo o trabalho subterrâneo
do tempo nos seus seios. Por isso esperam
que o dia corra nesta sala sem luz,
evitam sair para a rua, e dizem baixo,
por vezes, essa alegria que só os seus lábios
podem cantar.

fonte: Jade Fenix


A ESTRADA DA VIDA


Certa vez eu tive um sonho muito revelador…

Sonhei que estava num vale lamacento meio escuro e de uma extensão que os olhos eram incapazes de abarcar. Neste vale eu vi atravessarem dezenas de milhares de almas, cada uma delas caminhando por cima de uma lama de cor marrom-escura. O local era meio lúgubre, obscuro, tétrico.

Comecei a caminhar por toda a sua extensão, por horas e horas a fio. Vi as almas peregrinando pelo vale e cada uma levando consigo alguma bagagem, uma espécie de sacola com alguns dizeres. Vi pessoas carregando um saco escrito “crenças”; outras estava escrito “carreira”; em outras se podia ler “filhos” ou “esposa” ou “pais”; algumas continham a palavra “comida”, “bebida” ou “vícios”; cada qual carregava um saco, maior ou menor, onde continha a imagem de seus apegos. Os sacos mais pesados que pude ver estavam escrito “medos”; outros estava escrito “mágoas”; nos sacos maiores e mais pesados estava escrito “orgulho”, “egoísmo” e vi vários escrito “vaidade”. Tudo isso que es­sas almas carrega­vam lhes criava uma carga maior ou menor, com mais peso ou menos peso.

O drama que elas viviam era ter que atravessar todo aquele lodo com sacos ou bagagens tão pesadas, e conseguir seguir em frente. Pude notar almas cruzando a lama que começa­vam a afundar; outras, que carregavam sacos mais pesados, submergiam ainda mais; havia algumas almas que, de tanto fardo que levavam consigo, já não podiam sequer prosseguir, e acabavam afundado até o pescoço, incapazes de se mover. Mas mesmo essas almas que estavam no fundo da lama não soltavam o saco pesado que conduziam pelo vale. Quanto mais pesado era o saco, mais a alma afundava e mais presa ficava.

Continuei caminhando e vi almas nas mais diversas situa­ções. Vi também miríades de focos de luzes que desciam do céu e se aproximavam das almas no fundo da lama, pedindo que largassem o saco, para que ficassem mais leves e pudessem ser resgatadas. Muitas delas, mesmo presas até o pescoço, se recusavam a soltar sua carga pesada. “Você ficará presa até soltar seu peso” disse um foco de luz. “Não quero soltar” disse a alma cujo saco estava escrito “orgulho” e que estava totalmente envolvida pela lama e incapaz de se mexer. Mesmo estag­nada e presa, elas se agarravam fortemente ao seu objeto de apego e ficavam lá, paradas, afundando.

Algumas almas tentaram construir casas, palácios e fixar moradia definitiva. No momento em que terminavam suas construções, sua residência começava a afundar, e elas pas­savam a sofrer pelo sentimento de perda. Algumas eram tomadas pela lama junto com suas criações. Outras ficavam com medo de andar e afundar, mas, por incrível que pareça, mesmo paradas elas afundavam lentamente. Quem não se­guisse em frente, naufragava inevitavelmente no excruciante lamaçal.

Caminhei mais e mais, por dias ou até semanas, e vi também umas poucas almas que não levavam coisa alguma consigo. Essas andavam bem mais rapidamente, deixavam as outras para trás, e nessa condição, não afundavam. Observei outras almas que levaram seus sacos por muito tempo, mas num certo momento se cansaram de carregar tamanho peso e soltaram tudo pelo caminho, conseguindo assim sair da lama e avançar mais rapidamente. Pude perceber que essas almas mais desprendidas começavam a chegar num local onde existia mais luz, um espaço infinito, com grama verde, muitas flores, pássaros cantando, uma brisa suave e impregnado de muita paz e alegria.

Continuei andando e ouvi uma voz suave, nem masculina nem feminina, dizendo: “Este é o nosso mundo…”

Fiquei espantado com aquela revelação. “Por que seria o nosso mundo?” perguntei.

O ser luminoso me respondeu:

“As almas que aqui caminham erráticas pelos firma­mentos efêmeros, movediços e oscilantes do mundo material, não adquiriram a compreensão de que o mundo físico é instável e sujeito a transformações constantes. A inexorável transforma­ção do universo composto de matéria captura as almas que nele se apegam e as prende até que elas decidam soltar toda a carga ilusória acu­mulada.”

Isso parecia fazer todo o sentido. Perguntei aquele ser de luz que lição se podia tirar de tudo aquilo, e ele respondeu:

- Em pouco tempo você vai acordar deste sonho, mas lembre-se desse ensinamento: a vida é uma travessia, não tente montar acampamento nem conduzir cargas pesadas, pois você se prenderá e sofrerá. Apenas cruze o vale do mundo, todo ele. Não fixe, neste local transitório, a sua morada.

Autor: Hugo Lapa



sábado, 22 de agosto de 2015

A VIDA VEM EM CICLOS



A vida vem em ciclos e você precisa saber identificar quando acaba um e quando começa outro! Cada ciclo, cada etapa tem seu valor, seus ensinamentos e seus encantos. Pra que ficar dando voltas achando que uma fase de sua vida vai voltar, achando que aquela pessoa vai voltar? É um grande erro viver no presente mas sentindo falta do passado. O que passou, passou!


Pare de ficar esperando que devolvam o seu passado. Nem tão pouco espere ser reconhecido pelo que você verdadeiramente é!

O que há de vir, virá a seu tempo e na sua hora! Nunca mais perca o seu precioso tempo do presente mexendo no passado e antecipando o seu futuro.

É para frente que a vida segue, viu? E amor também! Às vezes se ganha e às vezes se perde! Por isso, aprenda a conviver com as perdas e com os ganhos. Mas continue a viver! Rasgue os papéis velhos, mude de casa, viaje, faça novos amigos, jogue fora os presentes desbotados, dê suas roupas e seus livros que não usa mais… Faça a energia girar e fluir!

Você já não é mais a mesma pessoa de ontem. Certo? Veja quanta coisa você construiu aí dentro do seu coração! Veja como você ficou experiente e competente! Vire a página! Feche a porta! Encerre o ciclo! Passe a régua!

Você não precisa ser sempre a mesma pessoa. Porque a vida não é estática! É bom lembrar sempre que nada, nem ninguém é indispensável. Mas você é indispensável e imprescindível. Por isso merece viver! Bem e Feliz!

É essa a vida que você precisa aprender a viver. O aqui e o agora é todo seu.

fonte: Luis Carlos Mazzini

AOS AMIGOS E AMIGAS



Os amigos

São tão amigos, que voltam.
São tão fraternos, que se unem.
São tão simples, que cativam.
São tão desprendidos, que doam.
São tão dignos, que amam,
compreendem e perdoam.

Os amigos
São tão necessários,
que sempre se fazem presentes.
São tão grandes, que se distinguem.
São tão dedicados, que edificam.
São tão preciosos, que se conservam.
São tão irmãos, que partilham.
São tão sábios, que ouvem, iluminam e calam.

Os amigos
São tão raros, que se consagram.
São tão frágeis, que fortalecem.
São tão importantes, que não se esquecem.
São tão fortes, que protegem.
São tão presentes, que participam.
São tão sagrados, que se perenizam.
São tão santos, que rezam.
São tão solidários, que esquecem de si mesmos.
São tão felizes, que fazem a festa.

Os amigos
São tão responsáveis, que vivem na verdade.
São tão livres, que crêem.
São tão fiéis, que esperam.
São tão unidos, que prosperam.
São tão amigos, que doam a vida.
São tão amigos, que se ETERNIZAM...

Agradeço a todos os amigos que sempre estão acompanhando minha caminhada sempre com respeito e lealdade
Gratidão por cada um que se torna fundamental em minha vida

Selma - 3fasesdalua

QUANDO VOCÊ CONSEGUIR


Quando você conseguir superar graves problemas de relacionamentos, não se detenha na lembrança dos momentos difíceis, mas na alegria de haver atravessado mais essa prova em sua vida.

Quando sair de um longo tratamento de saúde, não pense no sofrimento que foi necessário enfrentar, mas na bênção de Deus que permitiu a cura.

Leve na sua memória, para o resto da vida, as coisas boas que surgiram nas dificuldades. Elas serão uma prova de sua capacidade, e lhe darão confiança diante de qualquer obstáculo.

Uns queriam um emprego melhor; outros, só um emprego.
Uns queriam uma refeição mais farta; outros, só uma refeição.
Uns queriam uma vida mais amena; outros, apenas viver.
Uns queriam pais mais esclarecidos; outros, ter pais.
Uns queriam ter olhos claros; outros, enxergar.
Uns queriam ter voz bonita; outros, falar.
Uns queriam silêncio; outros, ouvir.
Uns queriam sapato novo; outros, ter pés.
Uns queriam um carro; outros, andar.
Uns queriam o supérfluo; outros, apenas o necessário.

Há dois tipos de sabedoria: a inferior e a superior. A sabedoria inferior é dada pelo quanto uma pessoa sabe e a superior é dada pelo quanto ela tem consciência de que não sabe. Tenha a sabedoria superior. Seja um eterno aprendiz na escola da vida.

A sabedoria superior tolera; a inferior, julga;
a superior, alivia; a inferior, culpa;
a superior, perdoa; a inferior condena.
Tem coisas que o coração só fala para quem sabe escutar!

-Chico Xavier

As 4 Velas


Quatro velas estavam queimando ruidosamente, calmamente.
O ambiente estava tão silencioso que podia-se ouvir o diálogo que travavam:

A primeira vela disse:
- Eu sou a Paz !
Apesar de minha luz as pessoas não conseguem manter-me, acho que vou apagar.

E diminuindo devagarzinho, apagou totalmente.

A segunda vela disse:

- Eu me chamo Fé! Infelizmente sou muito supérflua.


As pessoas não querem saber de mim.
Não faz sentido continuar queimando.

Ao terminar sua fala, um vento levemente bateu sobre ela, e esta se apagou.

Baixinho e triste a terceira
vela se manifestou:

- Eu sou o Amor! Não tenho mais
forças para queimar.

As pessoas me deixam de lado, só conseguem se enxergar, esquecem-se até daqueles à sua volta que lhes amam. E sem esperar apagou-se.

De repente... entrou uma criança e viu as três velas apagadas.

- Que é isto? Vocês deviam queimar e ficar acesas até o fim.
Dizendo isso começou a chorar.

Então a quarta vela falou:

- Não tenha medo criança. Enquanto
eu queimar, podemos acender as
outras velas.


Eu sou a Esperança.

A criança com os olhos brilhantes, pegou a vela que restava e acendeu todas as outras...

ESPERO QUE A VELA DA ESPERANÇA NUNCA SE APAGUE DENTRO DE VOCÊ.
Tenha um ótimo Natal e um Maravilhoso Ano Novo

Selma - 3fasesdalua

domingo, 9 de agosto de 2015

A Magia dos espelhos


A pergunta da rainha das feiticeiras a seu espelho mágico no antigo conto de fadas, hoje conhecido como "Branca de Neve", é um eco de práticas tão velhas quando o próprio tempo.

Como muitos dos instrumentos de magia, o espelho é um objeto inspirado na Natureza.

Os primeiros espelhos eram os lagos.

Num dia tranqüilo, quando as águas não formam ondas, pode-se observar um reflexo bastante detalhado.

Na tentativa de capturar esse fenômeno, poliam-se pedras e metais até que, por fim, produziu-se o vidro que, quando revestido em um dos lados com uma fina camada de prata, produzia uma superfície reflexiva perfeita – um lago perfeitamente cristalino, "congelado" para ser usado quando desejado.

Espelhos (e superfícies reflexivas) há muito dominam nossa imaginação.

Há diversas referências a espelhos no folclore, assim como na magia, se bem que tais práticas estão quase que esquecidas hoje.

O simbolismo do espelho é simples e ao mesmo tempo complexo.

É considerado sagrado à lua, pois, como a lua reflete a luz do sol, o espelho é um objeto reflexivo.

Sendo um símbolo lunar, os espelhos utilizados em magia são geralmente de forma redonda.

Além disso, os espelhos nos permitem ver coisas que não poderíamos ver sem sua ajuda – não apenas as coisas físicas, mas também coisas mais elevadas, como as memórias de vidas passadas, visões do futuro, ou de eventos ocorrendo simultaneamente em outros locais.

A magia com espelhos provavelmente teve seu apogeu durante a Grécia Clássica e em Roma.

Espelhos polidos de bronze eram utilizados em rituais de magia e cosméticos.


A maioria desses espelhos era pequena e usada com as mãos.

Uma antiga técnica para induzir clarividência é refletir a luz de uma fogueira na lâmina brilhante de uma espada ou faca; o reflexo assim apanhado causava visões a quem nela se concentrava.

Esta é apenas mais uma forma de magia com espelhos metálicos.

Apesar de práticas como essa ainda serem utilizadas, a maioria das práticas de magia com espelhos atualmente é feita com espelhos de vidro.

Espelhos antigos não são necessariamente melhores, pois tendem a possuir imperfeições (como a perda da folha de prata), o que pode interferir.

Muitas vidraçarias cortam espelhos sob medida, portanto não é impossível obter aqueles redondos.

Para rituais rápidos, pode-se até mesmo utilizar um espelho de bolso, se bem que isso é muito mais fácil para mulheres.

Muitos encantamentos foram lançados enquanto uma mulher fingia retocar sua maquiagem.

Lembre-se sempre de que o espelho é uma simples ferramenta, um elo com a lua, com seu subconsciente, e por fim com a própria Natureza.

A magia costuma ser espontânea, e você deve estar preparado praticamente para tudo.

O Espelho Mágico

Obtenha um espelho redondo com diâmetro entre 35 cm e 70 cm.

De preferência, deve estar acoplado a uma moldura também redonda, pintada de preto, mas isso não é fundamental.

Após obtê-lo, leve-o para casa e lave-o cuidadosamente com água.

Se desejar, lave a seguir com uma infusão de artemísia, uma colher de chá para cada xícara de água.

Deixe esfriar antes de usar.

Quando o espelho estiver seco, cubra sua face com um pano preto e deixe-o onde não seja tocado, até a lua cheia.

Nessa noite, exponha o espelho aos raios da lua de preferência ao ar livre – pode ser pela janela, se necessário.

Carregue o espelho mágico com o luar e diga as palavras abaixo ou semelhantes:

SENHORA DA LUA,
VOCÊ QUE A TUDO VÊ E TUDO SABE,
EU CONSAGRO ESTE ESPELHO COM SEUS RAIOS BRILHANTES
PARA QUE ILUMINE MINHA MAGIA E MINHA VIDA.

Traga o para dentro e pendure-o na parede leste de seu quarto, ou na sala onde pratique magia.

Mantenha-o coberto quando não estiver sendo utilizado.

Exponha o espelho à lua ao menos três vezes por ano.

Quando estiver empoeirado (se ficar), lave-o com uma infusão de Artemísia ou água limpa.

Nunca utilize sprays à base de amônia para limpar seu espelho, pois a amônia destrói qualquer magia!

Se desejar, pode utilizar um tipo "psíquico" de óleo (como de cravo ou de noz-moscada) para desenhar um crescente na parte de trás, marcando-o assim com o símbolo da lua.

Nunca use o espelho para outras coisas que não a magia. Reserve outro espelho para uso rotineiro.

A seguir, vários encantamentos que podem ser praticados com o espelho mágico, assim como com outros.


Canto para Visões

De pé diante do espelho mágico, remova sua capa e entoe o seguinte, até que as visões surjam:

ESPELHO DO LUAR,
ESPELHO DE VIDRO,
PERMITA-ME VER
O QUE VAI ACONTECER.
REMOVA O VÉU
DIANTE DE MIM.
É O QUE DESEJO,
ASSIM SEJA!

Os melhores períodos para praticar visões em seu espelho é na aurora, no crepúsculo ou à noite.

Memória Distante

Acenda uma vela branca numa sala escura e deixe-a numa posição de modo que ilumine seu rosto diante do espelho, mas sem refleti-lo.

Diga o seguinte:

ORÁCULO DE LUZ LUNAR,
ENVIE-ME AGORA A SEGUNDA VISÃO.

Olhe nos olhos de seu reflexo, ou logo no centro e acima deles.

Gradualmente, seu reflexo irá desaparecer e você verá outro rosto; é o de uma vida passada.

Será inconfundivelmente familiar a você.

Com prática, pode-se utilizar esta técnica para aprender diversas coisas sobre vidas passadas.

Tente "sintonizar-se" com o rosto.

Tente ver o resto do corpo, as vestes, jóias, cenários, qualquer coisa que o ajude a determinar o local e o período.


A mera visão do rosto pode detonar reações emocionais inesperadas dentro de você; preste atenção a elas e você poderá começar a ser lembrar de pessoas e eventos que estiveram trancados em sua memória distante.

Às vezes surte melhor efeito quando realizado em semi-escuridão; ajuste a quantidade de luz que ilumina seu rosto até obter os resultados desejados.

Um Encantamento Simples com Espelhos

De pé diante de seu espelho mágico, acenda duas velas idênticas com as cores apropriadas de cada lado.

Com um giz de cera, ou mesmo com um batom ou tinta solúvel em água, desenhe uma runa ou um símbolo de sua necessidade.

Enquanto desenha, certifique-se de que o desenho ocupará o espaço onde seu rosto será refletido.

Veja o símbolo fundindo-se a seu reflexo, e saiba que assim será em sua vida.

Feche seus olhos e visualize firmemente sua necessidade, e a seguir saia da área.

Essa runa deve permanecer no espelho até a manhã seguinte, quando deverá ser limpa com um pano, de preferência sem olhar para ela.

Uma Adivinhação

Apanhe um pequeno espelho redondo e mergulhe-o na água (de preferência um lago ou rio, mas uma pia ou banheira também serve).

Remova-o imediatamente e observe seu reflexo. Se estiver desfigurado, cuidado!


O mal pode estar conspirando contra você, ou terá de enfrentar problemas em breve. Pratique magia protetora.

Entretanto, se o reflexo estiver normal, não há problemas para o futuro.
Outra Adivinhação

Se deseja descobrir como anda uma pessoa distante, se está bem ou doente, com problemas ou em segurança, faça o seguinte em pé diante do espelho, em semi-escuridão, visualize a imagem da pessoa com a viu pela última vez; forme uma imagem o mais completa possível.

Mantenha-a e aguarde qualquer alteração; uma cicatriz que se forma no rosto pode indicar dificuldades físicas; um sorriso indica felicidade, e assim por diante.

A imagem toda pode ser substituída por um símbolo, e este deve ser interpretado para determinar as condições da pessoa.

Com treino, este pode ser um bom meio para estabelecer elos ou ao menos "checar" como andam pessoas distantes.

Um Portal de Espelho

Quando sentir que o mal está em sua casa, pegue um pequeno espelho redondo.

Pinte de preto a parte de trás e arrume um meio de pendurá-lo num canto próximo do teto do cômodo onde sinta que o mal está mais forte.

Se possível, pendure o espelho de modo que forme um ângulo de 45º com a parede, sua ponta mais alta levemente inclinada para o chão.

Esse espelho atuará como um "portal" pelo qual qualquer mal de sua casa passará rumo ao espaço, onde será dispersado e destruído.

Após pendurar o espelho, fique de pé na sala e visualize o mal girando a seu redor na direção anti-horária, denso e negro, como uma névoa pestilenta.

Olhe então para o espelho e visualize uma grande porta se abrindo, uma porta que leva ao espaço.

Veja a névoa maligna sendo sugada pelo espelho, para longe de sua casa, para longe de sua vida.

Se sentir problemas durante este encantamento, repita-o até sentir que a sala está livre de negatividade.

Quando isso ocorrer (pode sentir a sala dando um suspiro de alívio depois), suba em algo que lhe permita tocar o espelho e, com o indicador de sua mão de poder, risque uma cruz de braços iguais na superfície do espelho para "trancá-lo", de modo que se torne um portal de mão única.

O mal pode sair, mas não poderá regressar.

Faça a cruz movendo seu dedo indicador de cima do espelho, descendo em linha reta até a parte de baixo, erguendo a seguir o dedo e iniciando no lado esquerdo do espelho e traçando uma linha reta até o meio do lado direito.

Deixe o espelho nessa posição por pelo menos sete dias. Remova-o a seguir e limpe-o com vinagre forte ou solução de amônio para livrar-se de todas as vibrações negativas.

Não pratique este encantamento com seu espelho de magia.

Visões com a Lua e Espelho

Com um espelho convexo circular, pequeno o bastante para caber em sua mão (retrovisores de carros são os mais indicados), saia ao ar livre numa noite fresca e clara, com a lua cheia em seu ponto alto no céu.

Sente-se confortavelmente e apanhe o reflexo da lua no espelho.

Concentre-se no ponto de luz prateada e comece a mover vagarosamente o espelho, frações de centímetros para todos os lados, observando enquanto a imagem da lua gira e balança na superfície do espelho.

Após alguns minutos, isto o levará a um estado psíquico, desde que esteja só e nada o perturbe.

Para Melhorar a Aparência

Fique de pé diante de seu espelho mágico, só e nu. Se possível, cada parte de seu corpo que precisa de melhorias deverá estar visível.

requer um espelho grande, com ao menos 70 cm de diâmetro.

Fite seu reflexo à luz difusa de uma vela. Estude-o, inspecione-o, enquanto diz:

TRANSPARENTE COMO CRISTAL,
TRANSPARENTE COMO O AR.
FAÇA COM QUE MINHAS FORMAS SEJAM
BELAS E FORMOSAS.

A seguir, com seus poderes de visualização, comece a formar um novo corpo.

Livre-se das rugas,elimine as gorduras, aumente os músculos.

Efetue mentalmente todas as mudança que gostaria de ver em seu corpo.

Mantenha essa visão o mais que puder, por cerca de treze minutos.

Depois, olhe novamente para seu corpo e diga as seguintes palavras uma vez mais:

TRANSPARENTE COMO CRISTAL,
TRANSPARENTE COMO O AR.
FAÇA COM QUE MINHAS FORMAS SEJAM
BELAS E FORMOSAS.

Repita este encantamento todas as manhãs e noites, reforçando-o com exercícios, dietas e o que mais o ajudar a atingir seu objetivo .

O Encantamento com a Moeda e o Caldeirão

Este é um vestígio da magia com espelhos metálicos praticada por nossos ancestrais.

O "espelho" aqui será uma grande moeda de prata. Leve-o, bem como a moeda, ao ar livre, num local onde não venha a ser perturbado.

Ponha o caldeirão ou recipiente no chão. Erguendo a moeda à lua, diga:

SENHORA DA LUZ
SENHORA DA NOITE
FORTALEÇA MINHA VISÃO
NESTE RITO.

Ponha a moeda dentro d’água.

Quando se ajustar no fundo do caldeirão, mova-o até que a moeda reflita a luz da lua.

Parecerá ser um brilhante objeto redondo em meio à escuridão do interior do caldeirão.

Sentado ou ajoelhado confortavelmente, observe a moeda com olhos semi abertos.

Surgirá então a segunda visão.


SELMA - 3FASESDALUA

Deusas Nornes


Deusas Nornes – Urd, Verdandi e Skuld.

As Nornes são um clã de deuses da mitologia nórdica.

A sua função é controlar a sorte, o azar e a providência.

Elas também zelam pelo cumprimento e conservação das leis que regem as realidades dos homens, dos deuses, dos elfos/duendes, dos anões, dos dragões e de todos os seres míticos.

Vivem protegidas por um dos ramos da árvore Yggdrasil, junto a um lago.

O clã possuí apenas três integrantes, todas entidades femininas que a saber são: Urd, Verdandi e Skuld.

Elas representam o passado, o presente e o futuro, respectivamente.

Urd é a guardiã do passado e é representada por uma criatura humana de idade extremamente avançada.

Dentro de suas obrigações está guardar os mistérios do passado e não fornecer as chaves dos segredos antigos.

Verdandi era encarregada do presente. É representada na forma de uma mãe e tudo que acontece é tecido por seus pensamentos.

Ela representa o movimento, a continuidade.

Skuld é a guardiã do futuro.

Ela é representada na forma de uma virgem. Profecias e adivinhações estão relacionadas à ela.

Skuld detém o controle de uma das maiores forças do universo: o Destino.

As três têm poder sobre o destino.


As Norns escandinavas são em muitas formas semelhantes às Parcas gregas.

Esse trio de deusas guarda o Poço de Urd que fica abaixo de uma raiz de Yggdrasil, a árvore do Mundo, em Asgard.

A Norn Urd (Destino) era definida como "aquela que está se tornando"; Verthandi (Necessidade) como "aquela que está se tornando" e Shuld (Ser), "aquela que deveria se tornar".

Predestinação e predeterminação eram conceitos estranhos aos nórdicos.

Eles acreditavam que cada pessoa influenciava seu próprio futuro.

As Norns eram quase tão importantes quanto as próprias Aesir.

Na verdade, essas deusas traçavam o destino de homens, deuses, gigantes, anões e qualquer outro ser vivos.


Diariamente os nórdicos efetuavam seu conselho nesse Poço na presença das Norns.

É raro saber exatamente onde o futuro nos leva, incluindo aí os caminhos laterais que inevitavelmente seguimos.

É difícil até mesmo ter um lampejo claro da figura como um todo.

Aprender a trabalhar com as Norns e a ouvir seus conselhos é muito importante para evitar contratempos maiores.

Se elas apontam para problemas vindouras e conseguimos mudar o rumo de nossas vidas a ponto de evitá-los, assumimos então responsabilidade por moldar nosso futuro.

Se os problemas revelados pelas Norns persistirem em nosso caminho não importa o quanto nos esforcemos, devemos trabalhá-los, aprendendo as lições necessárias.

As Senhoras do Destino de várias tradições - conhecidas como as Parcas gregas, as Moiras romanas, as Nornes nórdicas ou as Rodjenice eslavas - tinham como símbolo mágico o fuso, a roda de fiar, os fios e a tessitura.

Elas fiavam, mediam e cortavam o fio da vida, entoando canções que prediziam os destinos dos recém nascidos e apareciam como deusas tríplices ou tríades de deusas idosas, envoltas por mantos com capuz ou vestidas de branco, preto ou com idades diferenciadas pelas cores das suas roupas (branco, vermelho, preto).

As Nornes tecem os destinos dos deuses e dos homens com o fio fiado por Frigga , a deusa que tido conhece, mas não fala , reforçando assim a noção do mistério .


Elas residem sob as raízes de Yggdrasil, ao lado da fonte do Wyrd ( o potencial desconhecido ), em cujas águas brancas encontram-se escondidos os padrões do destino e do potencial não manifestado .

Antigamente, nas cerimônias de bênçãos dos recém-nascidos , pedia-se às Nornes que mergulhassem as crianças nessa fonte para que ela se lembrasse sempre de sua origem divina e de seu compromisso que sua alma escolheu antes de encarnar.

Há um antigo verso atribuído às Nornes, que diz : “ Eu sou tudo aquilo que fui , sou e continuarei sendo .

O dever das Nornes era encontrar o ventre adequado para a reencarnação dos espíritos dos ancestrais .
Elas apareciam quando a criança nascia e trancavam o seu destino.

Ao longo da vida , elas enviavam mensagens pelos sonhos ou pela leitura das runas, mostrando que os padrões futuros eram criados pelas ações passadas e pelo comportamento presente .

A Deusa Frigga fia o fio do destino posteriormente usado pelas Nornes e rege a gestação e os nascimentos .

SELMA - 3FASESDALUA

Rituais


A palavra Ritual vem do latim Ritualis, e pode ser compreendido como sinônimo de Cerimônia.

Também significa o conjunto de determinadas práticas que devem ser precisamente seguidas em ocasiões específicas.

Numa conotação Ocultista, o Ritual é associado à práticas e cerimônias religiosas ou místicas, que podem ser realizadas de forma individual ou coletiva.

Neste caso, o Ritual possui duas classificações principais: o Ritual Cerimonial e o Ritual Psíquico.

No Ritual Cerimonial, são necessários vestimentas, instrumentos e materiais específicos.

Geralmente são coordenados por uma pessoa (no caso de ser praticado de forma coletiva) ou apenas segue a orientação de um determinado livro (neste caso, praticado individualmente).

Este tipo de Ritual é comum nas religiões pagãs e de origem africana, e visa operar mudanças no campo físico.

A segunda modalidade ritualística é conhecida como Ritual Psíquico, na qual desenvolve-se principalmente através da psique e do intelecto do praticante.

É uma forma de Magia Natural; é uma projeção mental (visualização) enviada ao Universo com o objetivo de efetuar mudanças no campo físico.

Esse tipo de ritual é, geralmente, praticado individualmente por aqueles que iniciam os estudos ocultistas sem fazerem parte de um grupo (seita, coven, etc).

De qualquer forma, os rituais são poderosas e importantes ferramentas que devem ser utilizadas com responsabilidade e consciência.

Os Rituais acionam e interferem em energias naturais; criam, alteram ou desencadeiam forças no campo físico, espiritual e astral.

Portanto, é aconselhável que o praticante tenha um conhecimento prévio do que irá executar.

Apesar das técnicas parecerem muito simples, são eficientes. Mas para que a magia funcione, alguns fatores devem ser observados:

Simbolismo

O subconsciente opera através de símbolos, por isso é importante gravá-los nas velas, em talismãs e objetos mágicos.

Visualização

Ao realizar um feitiço deve-se mentalizar a concretização dos desejos.

Concentração

É o ato de reter um pensamento, imagem ou figura na mente de forma ininterrupta.

O Poder da Palavra

Tudo deve ser verbalizado para que possa surtir efeito.

Mão do Poder

Usa-se principalmente a mão com a qual se escreve, pois é através dela que os poderes são liberados.

Círculo Mágico

Os rituais realizados no interior do Círculo Mágico terão as energias intensificadas. Ao finalizá-lo, deve-se fechar o Círculo.


FONTE: CÍRCULO MÁGICO

Ritual de Visão


O ponto vermelho que as mulheres indianas pintam no seu terceiro olho é um símbolo do sangue menstrual.

Originalmente, as mulheres pintavam o seu terceiro olho com o própria sangue menstrual e a magia do sangue abria o sexto chacra (centro energético associado a visão espiritual e psíquica).

O aspecto visionário da menstruação esta claramente invocado por esta prática.

O sangue transporta-o até as células do corpo e por isso o sangue contem o conhecimento do código genético (ADN).

O código genético e a linhagem familiar estão contidos na corrente sanguínea.

Cada célula do corpo é um microcosmo do todo.

Quando pintamos o nosso terceiro olho com o nosso sangue, abrimo-nos ao conhecimento oculto de este código genético.

Esta informação inclui um profundo conhecimento ancestral e pode trazer uma compreensão dos nossos próprios padrões familiares e os do género humano.

Todos trazemos dentro o conhecimento de todas as gerações de seres humanos que existiram.

Oculta neste código genético há uma massa de informação reunida através da história.

Ocasionalmente, a informação fica adormecida e as vezes deseja aflorar de novo.

Estamos vivendo uma época em que o conhecimento da terra e da mulher, esta regressando a consciência colectiva e através do nosso sangue podemos entrar nela.

A próxima vez que sangrares, tenta relacionar-te conscientemente com o teu sangue.

Tenta pintar um pequeno ponto vermelho entre os teus olhos e observa como o conhecimento da terra e dos teus ancestrais flui até a tua consciência.

Pinta um ponto vermelho no teu terceiro olho antes de ir dormir para aumentar os teus sonhos.

Extracto do livro "Her blood is gold" de Lara Owen
(tradução Aida Suárez)

sábado, 8 de agosto de 2015

A Verdade sobre a Bruxaria, hoje


"As Bruxas, como você deve ter ouvido falar, são mulheres velhas e feias que venderam suas almas ao demônio, que trabalham incansavelmente para destruir o Cristianismo, que roubam criancinhas, dão maçãs envenenadas para lindas e incautas princesas e tomam sopa de asa de morcego no jantar. Além disso, acredita-se que as Bruxas pertençam a uma religião que adora a 'satã'.

Muitas pessoas, ainda hoje, acreditam que essas figuras bizarras realmente existiram - e que ainda existem. Mas foi há uns 600, 700 anos, através de uma mistura de fantasia e psicose, que elas se transformaram nessas personagens que a Inquisição inventou. Só que elas não eram Bruxas.

A Bruxaria atual é baseada na Magia Natural - uma forma antiga, sutil e construtiva de usar forças e energias naturais com o único objetivo de operar mudanças positivas. Estas energias não são sobrenaturais ou paranormais. São energias que, simplesmente, ainda não foram qualificadas, quantificadas e aceitas à luz da ciência.

O termo Bruxaria é baseada na reverência ao Deus e à Deusa, com um profundo respeito pela Natureza. A diferença básica entre a Bruxaria e as religiões ocidentais é exatamente esta: não acreditamos que possa haver equilíbrio na celebração apenas da energia masculina do Deus. Vemos a interação entre a polaridade das energias masculinas/femininas do Deus e da Deusa como a representação do Todo, a energia primordial que deu origem ao Universo. 

Consideramos sagradas a Natureza e todas as formas de Vida, e jamais tomamos atitude alguma que vá contra este princípio. Portanto, quando alguém afirma que qualquer tipo de "sacrifício" faz parte dos rituais da Bruxaria, está cometendo um erro absolutamente básico.

Magia e reencarnação são uma parte da filosofia desta religião, que possui diversas tradições.

A Magia Natural não inclui "maldições", "pragas", e nenhuma outra forma de magia negativa. Ela não é operada com poderes derivados de "satã" ou do "diabo".

Selma - 3fasesdalua

DEUSA MÃE


Para entendermos corretamente quem é esta Divindade, temos que voltar até os primeiros povos da Terra.

Quando os povos primitivos identificaram a mulher com a Terra e associaram a existência da Terra a poderes divinos, consideraram que o poder que conspirou para que o Universo fosse criado era feminino. Como só as mulheres têm o poder de dar a vida a outros seres, nossos ancestrais começaram a acreditar que tudo tinha sido gerado por uma Deusa.

Os povos de neolítico e do paleolítico não conheciam Deuses masculinos. O conceito do ato sexual como fator de fecundação inexistia, pois eles acreditavam que as mulheres engravidavam deitadas ao luar, através do poder da Grande Deusa manifestada como a Lua.

Em diversas partes do mundo a Grande Deusa Mãe é associada à Lua, já que existia um poder maior que agia entre a mulher e a Lua.

Todas as religiões primais viam no poder feminino a chave para o Mito da Criação e assim o Universo era identificado como uma Grande Deusa, criadora de tudo aquilo que existia e que existiu. Nada mais lógico para uma sociedade em processo de evolução, pois não é do ventre da mulher que todos nós saímos? O culto a Grande Deusa remonta a Era de Touro. Nesta época o respeito ao feminino e o culto aos mistérios da procriação eram muitos difundidos. Nas culturas primitivas a mulher era tida como a única fonte da vida, tanto que os lugares onde ocorriam os partos eram considerados sagrados e foram nestes lugares que surgiram diversos templos de veneração à Deusa.


Com o avanço da agricultura, a importância do solo passou a ser primordial e a Grande Mãe Terra(a Deusa) se tornou o centro de culto das tribos primitivas. As mulheres eram consideradas responsáveis pela fartura das colheitas, pois eram elas que conheciam os mistérios da criação.

As várias estatuetas femininas como as Vênus de Willendorf, de Menton e Lespugne, representam a sacralidade feminina e os poderes mágicos e religiosos atribuídos à Deusa nas época do Paleolítico e Neolítico.

Ela esteve presente em todas as partes do mundo sob diversos nomes e aspectos: Kali na India, Ishtar na Mesopotâmia, Pallas na Grécia, Sekhmet no Egito, Bellona em Roma e assim sucessivamente. As Grandes Deusas da Antiguidade exerciam o domínio tanto sobre o amor como sobre a guerra.

O símbolo da Grande Deusa é o caldeirão, que representa o mundo que ela criou e carrega em seu ventre. Este objeto é associado à Deusa porque a criação se parece com oque se pode realizar no interior do mesmo. O mundo é uma maravilhosa obra alquímica que a Deusa criou e comanda através das manobras e poções realizadas em seu caldeirão, o lugar onde nasce a vida.

A Deusa é a energia Geradora do Universo, é associada aos poderes noturnos,a Lua, a intuição, aos lado inconsciente , à tudo aquilo que deve ser desvendado, daí o mito da eterna Ísis com o véu que jamais deve ser desvelado.

A Lua jamais morre, mas muda de fase à cada 7 dias, representando os mistérios da eternidade e mutação. Por isso a Deusa é chamada de a “DEUSA TRÍPLICE DO CÍRCULO DO RENASCIMENTO”, pois também muda de face, assim como a Lua, e se mostra aos homens de três diferentes formas como: A VIRGEM, A MÃE e A ANCIÃ. Isso não difícil de se entender, pois dentro da Bruxaria Tradicional todos os vários Deuses e as multiplas faces e aspectos da Deusa, nada mais são do que a personificação e atributos da Grande Divindade Universal.


A Grande Deusa desempenha inúmeros papéis e funções e para isso usa nomes e atributos diferentes, oque os seres humanos para simplificar chamaram de Deuses. Para a Bruxaria todos os Deuses Antigos são a Grande Deusa Mãe multi personificada. Quando você invoca o nome de um determinado Deus, libera um tipo de energia específica que não consegue ser liberada quando se invoca outra Divindade que desempenha papéis e funções diferentes.

Na Tradição o aspecto Jovem da Deusa recebe o nome de RHIANON. ela está associada à adivinhação, aos rios mágicos, à clarividência e aos encantamentos. Seus rituais e invocações são realizados na Lua Crescente. Sua cor é o branco e por isso recebe o título de ALBEDO(Senhora da Alvorada). Rhianon é a caçadora, segura em suas mãos a trompa de vaca ou touro em forma de meia lua. É a deusa da fartura e é ela a quem devemos reverenciar quando queremos garantir êxito no trabalho. Seus poderes são os da compaixão, sabedoria e compreensão.

O aspecto de Mãe recebe o nome de BRIGIT, a antiga Deusa Celta do fogo.Ela esta associada a fertilidade, sexualidade e ao parto. Seus rituais e invocações são realizados na Lua Cheia. Sua cor é o vermelho e por isso recebe o título de RUBEDO (Senhora do entardecer ou do rubi). Brigit é a mãe que o possui no ventre o poder de dar a luz uma nova vida. É a rainha da colheita, a mãe do milho e derrama sua abundância por toda a terra. Segura em suas mãos um recipiente com labaredas de fogo, o qual tem o poder de realizar os desejos daqueles que a cultuam. É a Deusa do amor e seus poderes são os da paixão, agilidade e rapidez.

O aspecto de Anciã recebe o nome de CERIDWEN, a Grande Deusa Mãe que conhece todos os segredos do Universo. Ela está relacionada ao renascimento e a ligação com os outros mundo. Seus rituais de invocação são realizados na Lua Minguante, que é o seu símbolo. Sua cor é o negro e por isso recebe o título de NIGREDO(Senhora da noite). Ceridwen é a mãe que conserva todos os poderes da sabedoria e conhecimento. É ao mesmo tempo Deusa parteira e dos mortos, pois o poder que leva as almas para a morte e o mesmo que traz a vida. 

Do seu ventre parte toda a vida e da vida provém a morte. Segura em suas mãos um caldeirão e das misturas feitas em seu interior ela comanda a sincronicidade de todo o Universo e intervém nos assuntos humanos para auxiliar seus seguidores. Devido ao aspecto de velha é esta a personificação que representa o conhecimento de todos os mistérios que só a experiência pode proporcionar. É a Deusa da sabedoria do bem e do mal. É ela a quem devemos recorrer e reverenciar nos momentos de dificuldades e anulação de qualquer tipo de malefício. Ela é a Deusa da paz e do caos. Da harmonia e da desarmonia. Ceridwen já passou pela jovialidade de Rhianon, pela maturidade e entusiasmo de Brigit. Acumulou toda a experiência, que só o tempo pode proporcionar, e distribui a sabedoria por todo o mundo.

A Deusa já foi reverenciada em todas as partes do mundo sobre diferentes nomes e aspectos. Seu nome varia, mas sempre foi venerada como o princípio feminino eterno e estático que está presente em tudo e incluso no nada. Ela é o poder do feminino que dá vida ao mundo e fertiliza a terra.

A Deusa não está ligada somente às manifestações da terra, pois ela representa as forças celestes. Ela é a dona do céu noturno , guardiã dos sentimentos, do interior da alma humana e do destino do homem. Ela é uma presença contínua que está além do tempo e do espaço.


SELMA = 3FASESDALUA

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...